Quinta-feira, 29 de Maio de 2008

roque enrole

boomp3.com

 

confesso. sou capaz de gostar de grandes malhas sem ligar patavina às letras, aos poemas, aos "lyrics", como queiram chamar-lhes, alimento-me pouco de cantautores e mais de sovas na tarola e unhas na guitarra, vou no trautear e no balanço e daí ter grande facilidade em gostar de espectáculos como o do último sábado no museu do oriente, musicians of the nile de seu nome, em que aturei um chorrilho de gorgolejos com carinho e gozo, independentemente do fulano dos dentes de ouro estar a acusar a minha mãe de ser uma ímpia devoradora de chispalhada. mas o som, meus amigos, o som perdoa tudo. e embala.


rewind


tinha 16 anos quando saiu o nervermind dos nirvana e o estertor na espinha foi absoluto, nunca compreendi ou sequer destrincei o que raio o homem gritava em smells like teen spirit, o que contava era a santíssima trindade baixo-bateria-guitarra especialmente musculados e cortados à medida de uma juventude revoltada com injustiças como a vitória da alemanha sobre a argentina com um penálti inexistente no mundial de 90. mas de bola, de chicha de cautchú, falarei detalhadamente num próximo post. dizia eu que a malta queria expelir o angst e teve a oportunidade de fazê-lo na pista da discoteca. o próprio cobain cantarolava um par de anos mais tarde teenage angst has paid of well, manifestando uns grãozinhos de cinismo para com a cascata de dólares que lhe caiu no colo. deu-lhe para investir em droga e armas de fogo sem entender que estas últimas devem servir para proteger a primeira, como qualquer colombiano médio sabe e pratica. acabou feito em frangalhos, dando origem a inúmeras depressões juvenis e a algo muito pior - os foo fighters. resumindo e baralhando. as letras têm para mim importância relativa, excepto quando ouço indivíduos como os eels, indie rock de pouca parra e muita uva, credibilidade e autenticidade, carinho da imprensa, versos de chorar por mais, e são esses que aqui me trazem, nomeadamente


Life is good and I feel great
cause mother says I was
A great mistake


um mimo de doçura, uma atoarda que relativiza todo o estado de alma mais rasteiro que ameace uma ou outra alma mais fragilizada. vai daí,


jovem,


não te rales se a tua garina não respondeu ao teu kolmi. ou se a tua felicidade parece mais distante do que as boas notas a matemática. trata de ouvir os eels e se a tua mãe nunca se saiu com uma destas frases que cortam cerce, relacionando-te directamente com um acidente de percurso, agradece aos céus e confia que as coisas só podem melhorar. o próprio Mr. E, que espreme na autobiografia o sumo das suas letras, tem conseguido safar-se melhor com o passar dos anos. até o wim wenders já o pôs a contracenar num videoclip com para cima de 50 gajas boas. é esperares pela tua vez e ires pondo desodorizante.

publicado por Pedro Vieira às 00:12
link do post
Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Autores

Pesquisar

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Últimos posts

Contra nós temos os dias

Do desprezo pela história...

É urgente grandolar o cor...

Metafísica do Metro

A Revolução da Esperança

Autores do Condomínio

Hipocondria dos afectos

A família ama Duvall

Notícias do apocalipse

Meia idade comparado com ...

Arquivo

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

tags

todas as tags

Subscrever