Domingo, 8 de Julho de 2012

Hoje não escrevo nada




«Heaven knows, it's got to be this time.»

Ceremony, New Order



Hoje não escrevo nada. 

Reinvidico mesmo, até à vitória final, esta aparente contradição: a de escrever afirmando que não escrevo.


Hoje não escrevo nada porque não existe caligrafia, vocábulo em sarcófago por descobrir, força invencível que mo leve a fazer. Não existe demiurgo, deus maior ou doméstico, que mo possa justificar.


Não há amor, paixão, obra de arte que me arrebate e me empurre estas palavras.


Hoje não escrevo porque, receio, estou (sou? que se fodam as ontologias, é tarde e estou ébrio),e dizia, para que não se percam: estou feliz.


E peço imensa desculpa, mas quando se está feliz não há vida para mais nada.





[texto escrito num lindo guardanapo e intimado a dizer pelas melhores razões na estação Baixa - PT. A epígrafe foi a dança que mereci e confirmou tudo mais tarde]
publicado por Nuno Miguel Guedes às 04:06
link | comentar | ver comentários (11)
Sexta-feira, 6 de Julho de 2012

A Nuvem e a Baleia

 

 

(Para os meus filhos)

 

Era uma vez uma nuvem que estava farta de viver no céu. E era uma vez uma baleia que estava cansada de viver no mar.

Combinaram por telemóvel trocar de casa: a baleia ia viver para o céu e a nuvem ia viver para o mar.

Foi um momento muito engraçado. Quando a baleia chegou ao céu todas as nuvens ficaram muito espantadas.

- Uma baleia no céu? Será que aguenta?

A baleia estava um pouco envergonhada e corou, o que tornou a situação ainda mais divertida.

Quando a nuvem deu o primeiro mergulho os peixes assustaram-se muito.

Para não darem muito nas vistas tiveram uma ideia: a baleia mascarou-se de nuvem e a nuvem disfarçou-se de baleia. Assim passavam mais despercebidas.

O tempo foi passando e cada uma foi tirando conclusões sobre a sua nova vida. Quer uma quer outra tinham feito amigos mas a baleia estava um pouco farta do vento que a levava pelos ares e a nuvem sofria muito com os remoinhos que agitavam os mares e as correntes.

Aos poucos começaram a sentir saudades das suas antigas casas e resolver ligar uma à outra para combinar voltarem para lá.

Viveram momentos felizes mas, um ano depois, a baleia começou a sentir saudades dos tempos em que vivia no céu e a nuvem começou a sentir saudades dos tempos em que vivia no mar (e era chamada de Baleia Nuvem).

Decidiram então que voltariam a trocar de casa mas apenas nas férias e que desta vez não iriam sozinhas.

Assim foi: a família de baleias foi viver para o céu e a família de nuvens para o mar.

E viveram trocadas para sempre.

 

publicado por Nuno Costa Santos às 23:17
link | comentar | ver comentários (2)
Quinta-feira, 5 de Julho de 2012

Nasci com passaporte de Turista

Acordo com a notícia da morte de um homem que não cheguei a conhecer. Naquela mesma rua, ainda se sente, por vezes, um histórico de outras violências: os saveiros a chegar, carregando doenças e outros infortúnios; vidas amaldiçoadas pelo lodo e pela miséria. Ficou este carpir sussurrante que agora ouço de duas mulheres. Os olhos encharcados pelo sofrimento constante. Ao meu lado, um amigo do defunto olha para lado nenhum e vejo-lhe a dor da memória a questionar-lhe a própria vida. Choram por eles próprios. Ninguém devia morrer ao Domingo.

 

Na cidade onde eu nasci, sorte foi coisa que nunca parou na estação. O comboio passa a rasgar o silêncio e fica sempre o vazio dos dias. Os tempos são outros mas, as aflições imortalizaram-se na decadência dos edifícios. Há uma calma enganadora. O Tejo, que corre tranquilo, roubou-lhes o sonho, separou-os da outra margem, como quem diz "o teu lugar será sempre desse lado". E ali ficámos todos, conformados com o erro colectivo, com as invejas e os fracassos, à espera da corrida de Domingo. A felicidade suprema chegará pelas seis da tarde, no momento das cortesias. Olharão para Morante e sonharão com Sevilha.

 

Nos próximos dias, a pequena cidade ganhará um brilho raro. Faremos promessas de que tudo irá mudar. Ressuscite-se a esperança. Mas, as bebedeiras manter-se-ão, acabando sempre nessa desgraça que os persegue. Regressarei a Lisboa para não mais me preocupar. As preocupações são outras, coisas mais sofisticadas e instruídas. Viva o progresso! Abaixo a província! E é com este dilema que me deito - o de não estar em parte alguma.

 

Como diria o Redol: nasci com passaporte de turista.

publicado por jorge c. às 23:21
link | comentar
Terça-feira, 3 de Julho de 2012

Tirar a barriga da miséria

A beleza cansa e a perfeição não dá jeito nenhum. São, claramente, uma maçada.

De gancho. Exigentes. Julgam-se importantes. Embirram com o andar desarranjado. Mandonas. Não admitem perder a compostura. Sair desfraldado. Cabelo desgrenhado. Não dá para ter barriga. Mandam-nos o ar desleixado às urtigas.

 

Todas as minhas dúvidas acerca da natureza do belo e do sublime se acentuam a cada nova época balnear. Momento que marca o início de, em termos mais populares, cada bucha ansiar por passar a estica. Reclamando para si (obsessivamente) um corpo deslumbrante. Ansiosos por reinar no areal e ter sobre si uma miríade de olhos.

Entre 1 de Junho e 30 de Setembro de cada ano, duração da época balnear, multiplicam-se os efectivos de homens e mulheres exercitando-se frenéticos, como coelhinhos da Duracell. Adelgaçando. Rejuvenescidos do pescoço à barriga-das-pernas. Estômagos em alvoroço. Oferecendo-se, voluntariamente, aos voyeurs. Vivendo sob o mote Life’s a SPA.

Sem terem presente Yeats:

 

I heard the old, old, men say 'all that's beautiful drifts away, like the waters.'

 

A cada nova passada no areal encolho a barriga repreendido pelo belo aristotélico, seguindo critérios de simetria, composição, ordenação, proposição, equilíbrio; pressionado pela proporção, harmonia e união platónicas.

 

As minhas preocupações balneares são, claramente, mais filosóficas do que com os escaldões. Mais exigentes do que a simples escolha adequada do factor de protecção solar.

 

Em cada duna há um David acompanhado de uma Vénus lendo os êxitos literários de Richard Bach, observando-me desdenhosos. Sou, constantemente, censurado por um Doripohoros bronzeado que aproveita para repreender, com o olhar, a palidez de uma Sylvia Plath próxima, enamorada pelo nadador salvador supondo-se em Baywatch.

 

O que me custa na magreza dos outros é que ela exige a minha. Reclama-a. Como se dissesse: «só sou se também fores». Recaindo sobre mim uma desconfiança equivalente à reunida por Dominique Strauss-Khan. A minha liberdade acaba onde começa a dieta do outro.

Em relação a esta, o melhor a fazer seria decretar a sua inconstitucionalidade. Ilegalizá-la. Erradicá-la com uma forte campanha de vacinação. Um movimento de descontentes sob a égide «vítimas das dietas de todo o mundo uni-vos», lutando pelo seu fim.

 

Não me incluo num certo California dreamin’ de tríceps, peitoral e bíceps vigorosos bamboleando salinizados à beira-mar. Muito senhor do meu nariz.

Em termos estéticos, também, estou completamente desenquadrado de qualquer consideração presente em obras como o Hípias Maior, O Banquete e Fedro, de Platão, a Poética, de Aristóteles, a Crítica da Faculdade do Juízo, de Kant e os Cursos de Estética de Hegel.

A minha linha estética assume-se mais no “Boterismo”.

As minhas opções são mais gastronómicas e isso nota-se. Gaspachos, migas e rojões acumulados. A aparência não ilude.

O meu físico sobressai mais em ambiente de biblioteca. O meu potencial é mais cerebral do que corporal. As minhas possibilidades são virtuais de um ponto de vista estético tanto em baixa-mar como em preia-mar. Uns furos abaixo de uma realidade desejável. Para lá da salvação via lifting ou botox em aplicações de Photoshop.

 

Na melhor esplanada da praia avalio, habitualmente, a elasticidade e o empenho dos quarentões com cabelo à Jon Bon Jovi, das entusiastas das danças exóticas, mais os infiltrados do hip-hop, dissidentes com t-shirts dos Motörhead e seleccionáveis para a ginástica de trampolins. Expelindo scones, bolas-de-berlim, ensopados e açordas da cintura. Escorraçando calorias. Aformoseando silhuetas. Deserdando o remanescente. Preparando-se para a passadeira vermelha.

 

De bandeira içada ao desmazelo grito para dentro do balcão: «era mais uma dose, se faz favor. E já agora, mais pão que o molhinho está uma delícia.» Época inteira para «o melhor que se leva da vida é o que se come e o que se bebe». Honrarias para uma primavera pueril descontinuada. Um “deixa andar” folgazão.

 

Com a idade devíamos poder desleixar-nos. A barriga como direito assumido e não controlado. Ela marca, aliás, uma diferença. Redonda. Honesta. Parece dizer: «há mais de onde essa veio». Encolhendo os ombros quando confrontada. À insustentável leveza dizendo: «não, obrigado!». Indiferente. É a assunção máxima da liberdade. Em terra de magros quem tem barriga deveria ser rei.

Mas não? Ou é pela saúde ou porque fica mal… Todos os anos me sinto na obrigação de também eu ter de ser um Apolo, quando a minha índole é mais dionisíaca. Mas, a cada nova tentativa apago-me. Entre uns abdominais firmes e uma barriga cheia não hesito. A escolha é clara: entre as 220,57 kcal ganhas numa porção de amêijoas à Bulhão Pato e as 240 kcal perdidas com musculação forte ou as 200 kcal com ginástica aeróbica, prefiro o ganho à perda. E sempre se honra o poeta e escritor português Raimundo António de Bulhão Pato.

 Depois repouso durante 30 minutos com o que consigo perder aproximadamente 30 calorias e junto-lhe um beijo que rende outras 30. O que sobrar fica por conta e a cultura sai valorizada!

 

Felizmente a estética também pode ocupar-se do ridículo. O que, de alguma maneira, faz com que tudo faça sentido.

 

Confirmem-me só que a época balnear acaba a 30 de Setembro. Hoje levantou-se uma aragem desagradável aqui no Pólo Norte. Desfraldado, de rins à vela, é melhor não arriscar nenhuma corrente de ar e regressar.

publicado por Carlos M. J. Alves às 12:54
link | comentar | ver comentários (2)
Domingo, 1 de Julho de 2012

Manobras de bastidores: uma celebração sinusítica

Há uns dias atrás, numa das poucas aparições boémias a que tenho direito com o meu amigo e co-arrendatário desta casa - o Nuno Costa Santos - falámos, imagine-se, deste blogue. Era tarde, provavelmente. Falta de conversa, quem sabe. A minha aposta, como tive o fôlego de dizer ao Nuno na altura, era que não podíamos sair do estabelecimento em que estávamos. Não porque estivéssemos, ufanos e ébrios (escolhei a ordem e a relação causa-efeito, já confessei tudo à polícia) com duas cervejas servidas em copos de vidro; era mais porque o Nuno ostentava melancomicamente uma resma de livros que incluía Peter Brook e uma compilação dos melhores monólogos do século vinte. A sério. Não se anda no Cais do Sodré assim.

 

Mas no meio dos risos, dos trinta sketches inventados e esquecidos (retive este, porque a culpa é minha: "o que diz Molero de Ravel"), a reiterações à beira da lágrima pela constatação da felicidade alheia ("à beira" porque um homem não chora com livros na mão)  e da contínua celebração da amizade que acontece nos lugares mais impróprios e em que astrologicamente falando tudo parece conjugar-se (quantos dos meus leitores terão ido ao nightclub  Roterdão a horas obscenas e terão sido brindados por um barman intelectual que propõe «shots Zizek"?), a coisa veio parar a este lugar. 

 

Que éramos desorganizados. Irregulares. Com os mais disciplinados e regulares a zangarem-se justamente com os preguiçosos. Mas depois. Depois um tipo distancia-se, lê e vê as idiossincrassias que fazem esta chafarica funcionar. Eu, por exemplo sou dado a homilias.

 

«Sou o  sinucínico de serviço, Nuno», balbuciei maravilhado com o meu trocadilho antes de cair do banco do balcão.

«O caraças. És um romântico na clandestinidade», respondeu o Nuno atrás do shot Zizek e dos ensaios do Peter Brook, com o Jel a carregar nos Smiths.

 

Se vos conto isto, leitores, não é porque é verdade (e é). É porque precisamos destas palavras para a vida e da vida para estas palavras. É porque os afectos é que movem esta treta toda. É porque o sacana do coração, por mais fato e gravata que se vista, não se pode alugar. É para que se perceba, se dúvidas houvessem, que aqui há gente dentro.

 

«E se fizéssemos um livro?», perguntou alguém, talvez o barman ou a Máquina da Preguiça.

«Primeiro janta-se. Depois pensamos se ofendemos os leitores de um modo tão definitivo», disse alguém que gostaria que tivesse sido qualquer um de nós mas sou eu, agora e aqui, feliz nesta memória.

«Boa ideia», concordámos em nome de toda a gente.

 

Não sei se irá acontecer. Há um jantar por marcar. Mas no pior dos cenários - nós decidirmos que sim e uma editora que vá ao Roterdão nos aceitar - sabei isto, amáveis leitores: não queremos que nos comprem. Queremos que saibam o grato que estamos (falo por todos, certo?) por poder fazer estes malabarismos de palavras que são pouco menos que as nossas vidas.

 

De qualquer forma, aconteça o que acontecer, fica já apontado que a ideia não foi minha.

 

publicado por Nuno Miguel Guedes às 12:52
link | comentar | ver comentários (1)

Autores

Pesquisar

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Últimos posts

Frangos & galetos

...

Contra nós temos os dias

Do desprezo pela história...

É urgente grandolar o cor...

Metafísica do Metro

A Revolução da Esperança

Autores do Condomínio

Hipocondria dos afectos

A família ama Duvall

Arquivo

Dezembro 2020

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

tags

todas as tags

Subscrever

Em destaque no SAPO Blogs
pub