Domingo, 31 de Julho de 2011

Férias da vida

De maneira que aqui chegámos, ao nosso querido mês de Agosto. Invariavelmente, por aqui tudo pára: o empresário mais inovador, o boémio mais tradicional, o artista mais empenhado. No nosso país - e em tantos outros lados que não me dão jeito nenhum agora citar -, Agosto é um mês de Portugal interruptus. Tudo o que não funcionava antes ou tardava a chegar tem finalmente os seus trinta e um dias de desculpa oficial. Não há crise que o destrua,pânico que o debele: Agosto é Agosto e se não tinham assuntos a tratar antes de 28 de julho, azarinho. Até a Assembleia da Republica se interrompe;  este ano apenas por 15 dias, mas não que haja alguém a notá-lo.

 

De repente, e aqui chegados, há uma vida paralela que brota inesperadamente de tudo o que antes era cinzento. As pessoas estão felizes e mostram-no para os noticiários. Os noticiários estão vazios e mostram as pessoas que supostamente estão felizes.  Abre a época oficial de caça aos famosos bronzeados, aos políticos barrigudos como todos nós que surpreendidos em  fato de banho finalmente podem ilustrar o conceito de «igualdade» a que neste mundo podemos aspirar. Em Agosto, trabalhe-se ou não, está-se sempre de férias.

 

Eu não gosto de Agosto. Ou melhor, gosto apenas porque prenuncia Setembro, mês atríbuido aos regressos e recomeços. Não gosto pelo calor; mas isso o aquecimento global já tomou conta e posso agora escrever esta crónica com a certeza de que tão cedo não irei apanhar calor do Seringeti em Lisboa. Não gosto por ser um mês que existe por ressentimento e inveja, criado pelo imperador romano César Augusto apenas para não ficar atrás do Julho de Júlio César. Não gosto pelo pretexto consensual de «férias». No fundo talvez seja isso que eu não compreendo: as férias, essa coisa tão desejada que interrompe a vida. Todos olham esse período como aquilo que a vida deveria ser: dias lânguidos, entrega aos pequenos prazeres, domínio do nosso tempo. Mas eis a triste notícia: a vida não é isso. Nasce-se e morre-se nas férias, ama-se e odeia-se, trabalha-se e não se trabalha. A ilusão que as férias dão - o controlo e gozo da nossa própria vida - não é mais do que a vida deveria ser. Agosto - ou as «férias» - é um lembrete por decreto e direito daquilo que sempre deveríamos fazer :viver dia a dia, trabalhando e folgando na medida das nossas possibilidades. As férias não deveriam cortar a vida, apenas confirmá-la no seu melhor e pior e não criar a ilusão de que estamos protegidos do bem e do mal da nossa vidinha pela pulseira de um resort mensal. 

 

Se devemos ter um mês em possamos interromper a nossa rotina? Claro. Mas não pode servir para criar outra, em que fazemos de conta que a vida pára e nos queixamos quando mais tarde ou mais cedo vamos contra ela. Podemos ir de férias mas nunca poderemos ir de férias da nossa vida, sob pena de ela nos passar ao lado. Experimente-se aplicar o que se faz e  o que se tem nas férias durante o expediente:o tempo para a família, para os olhares, para as leituras...Experimente-se, e a única altura em que estaremos de férias é quando estivermos a dormir. 

 

 

 

 

 

NB:Apesar desta crónica, e por motivos vários, o Sinusite vai fechar até ao mês de Setembro, altura em que regressaremos em força e com novidades. Até lá, e porque coube a mim fechar a porta, gostaria de agradecer aos nossos leitores pela atenção e dedicação e sobretudo por nos ajudarem a provar que um texto num blogue merece ser lido devagar e com todos os sentidos. 

Em nome de todos os autores obrigado e até Setembro.

 

publicado por Nuno Miguel Guedes às 05:39
link do post | comentar
7 comentários:
De Rui Vasco Neto a 31 de Julho de 2011 às 17:30
caríssimo,
ai que prazer ter este teu texto para ler, meu querido amigo! Bela surpresa. Foi reencontar nmg, e no seu melhor, tiro de sorte que o mau já era bom. Mas seja, pronto, vai lá de férias... ausentas-te no Dia Mundial do Orgasmo, não sei se tens noção?! Pois que sejam não menos as tuas vacances, um dia mundial de trinta dias para voltares menino, enfim, quase.
e leva um abraço meu, também

rvn

(Deixo-te aqui prova da data, de resto: http://setevidascomoosgatos.blogs.sapo.pt/1798091.html Enjoy, major.)
De Isa a 1 de Agosto de 2011 às 17:13
Obrigada a vcs. fiquei impressionada com a delicadeza do post repetido do PML não ter sido apagado.

Gd abç a todos e cá vos esperamos em Setembro.
De andreia am a 2 de Agosto de 2011 às 10:41
Palmas (de pé) para ti Nuno. Nem mais. Nem mais! Até Setembro.
De Sílvia a 2 de Agosto de 2011 às 10:38
Também gosto de Setembro. Boas férias. E um bom regresso em Setembro.
De Nuno Miguel Guedes a 2 de Agosto de 2011 às 18:12
Muito obrigado a todos e todas. É mesmo o prazer da escrita que nos junta aqui. Se do outro lado se percebe o prazer da leitura, a casa está feita!:)

Até Setembro, com novidades e tudo!
De IBettencourt a 2 de Setembro de 2011 às 19:20
Gosto sempre tanto de te ler Nuno.
Já estamos em Setembro e espero que as vossas férias tenham sido boas.
Bjs
Inês
De Nuno Miguel Guedes a 5 de Setembro de 2011 às 02:34
Querida Inês, muito obrigado. Já regressámos todos. E espero que continues a gostar de ler.

(e parabéns!:))

Beijinhos,
Nuno

Comentar post

Autores

Pesquisar

Últimos posts

Contra nós temos os dias

Do desprezo pela história...

É urgente grandolar o cor...

Metafísica do Metro

A Revolução da Esperança

Autores do Condomínio

Hipocondria dos afectos

A família ama Duvall

Notícias do apocalipse

Meia idade comparado com ...

Arquivo

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

tags

todas as tags

Subscrever