Sexta-feira, 29 de Julho de 2011

Not in the moody's? Agora aguentas, bebé.

Jerry Seinfeld disse em tempos que para se ser taxista em Nova Iorque bastava ter uma cara e um nome com 3 consoantes seguidas. Passa-se o mesmo com o exercício de opinião. Hoje em dia, uma conta numa rede social chega. Dá-se inclusivamente o caso, ainda mais curioso, de o sujeito não ter uma opinião, mas transmiti-la na mesma, dando mundos ao mundo enquanto se sujeita ao apertado escrutínio da comunidade. De Barack Obama a Samuel Massas, passando por António José Seguro, todos partilham uma certeza: esse adágio do “penso, logo existo” é um disparate. Existe quem está na rede, de preferência a fazer um figurão.

 

Ban Ki Moon, secretário geral das Nações Unidas, foi nesta cantilena e diz que é preciso dar espaço à “geração facebook”. Primeiro, é de notar que, pela primeira vez na história das declarações infelizes, alguém me associa a um grupo de pessoas que inclui a minha mãe, os organizadores daquela manifestação contra cenas em Março, e o Hélio Imaginário. Ban Ki Moon foi parco em explicações, o que por um lado é chato, porque adoro ouvir sul-coreanos a falar inglês, mas é também positivo, porque me permite interpretar a sua declaração como bem entender.

 

Ponto um: é necessário dizer que sim, a minha mãe parece muito mais nova do que é, mas já tem idade para ter juízo. Há um abismo geracional entre nós; prova disso é o facto dela gostar verdadeiramente do Demis Roussos e eu apenas gostar ironicamente, preferindo antes os sábios ensinamentos de um Morrissey. Por outras palavras: a minha mãe pertence a uma geração essencialmente feliz, ao passo que eu pertenço a uma geração que cultiva a infelicidade, ou desassossego, se quisermos soar mais complexos quanto ao facto de estarmos fodidos com a vida. Demis Roussos, 1 – Morrissey, 0.  

 

Depois, há os manifestantes de 12 de Março, pessoas que simbolizam o novo empreendedorismo português, e das quais não me poderia sentir

mais distante, tanto no que diz respeito à ideologia como à dificuldade em explicar essa mesma ideologia, se alguém me perguntar. Quem me conhece sabe bem que pertenço a uma outra leva de indivíduos, pessoas também na casa dos vintes e trintas disponíveis, isso sim, para substituir os mais velhos na função de responsável por-esta-merda-continuar-como-está. Enquanto o país não andar para a frente, estou eu a progredir. Processem-me.

 

Por último, Hélio Imaginário, um ajudante de cozinheiro anafado que caiu a andar de skate. Segundo a imprensa especializada em notícias com um piadão dos diabos, sensivelmente toda, a resposta das Caldas da Rainha a Johnny Knoxville já é o vídeo português mais visto de sempre. A coisa, para quem ainda não viu (e respira), retrata de forma ímpar os últimos 35 anos da história económica e política portuguesa, até ao mundo globalizado de hoje (ver sodomia e saudade na Wikipedia). Uma estrada inutilizada, provavelmente paga com fundos da UE, e um tipo com demasiada bazófia e uma duvidosa ausência de temor, vulgo esperança/optimismo, espeta-se ao comprido num terreno propício à exploração agrícola, uma técnica de subsistência popular no século passado. Ban Ki Moon sabia, afinal, do que falava, e eu seria doido e imprevisível se não terminasse este texto com um absoluto e sonoro “SOMOS TODOS O HÉLIO.”

publicado por Vasco Mendonça às 17:31
link do post | comentar
3 comentários:
De Isa a 29 de Julho de 2011 às 18:24
Geração Morrisey presente!
Adorei o post :D
De Guida Marques Pinto a 30 de Julho de 2011 às 10:43
Irónico ter chegado a este texto por um(a) 'o sujeito não ter uma opinião, mas transmiti-la na mesma, dando mundos ao mundo'.

A arma que torna o Facebook light é a mesma que o torna denso, dependendo do conteúdo. E a arma é nem menos que uma-vela-não-perde-nada-em-acender-outra-vela effect.

Não sei como se fazem 'like' em blogs por isso vai assim.Curti.

De Mariana M a 9 de Agosto de 2011 às 20:03
Sinto-me velha.
Sinto-me ridícula.
E isto porque hoje mesmo estive a tecer o mesmo género de conversa, devido ao tipo de comentários que tenho lido no JN, aos artigos particulares sobre os motins em Londres. Comentários que provam que a liberdade de expressão começa a ser demasiado livre, e todos têm opinião.
Verdade seja dita o botão de denúncia serve sempre para alguma coisa.
Mas sinto-me velha. Porque nasci ontem e penso assim. Só tenho amigos da geração Morrison porque os que cresceram comigo acham-me velha. Também estou desempregada e também sofro de biscates crónicos, estive no 12 de Março a apreciar um festival na Avenida dos Aliados. Só quando vi as notícias é que soube que era um protesto... (estou a brincar, mas se não fosse portuguesa provavelmente estaria a falar a sério.)

Comentar post

Autores

Pesquisar

Últimos posts

Contra nós temos os dias

Do desprezo pela história...

É urgente grandolar o cor...

Metafísica do Metro

A Revolução da Esperança

Autores do Condomínio

Hipocondria dos afectos

A família ama Duvall

Notícias do apocalipse

Meia idade comparado com ...

Arquivo

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

tags

todas as tags

Subscrever