Segunda-feira, 25 de Julho de 2011

o estranho caso de amy

Pedindo permissão ao NMG por persistir no assunto.

 

Agora, soará a piada de mau gosto, mas sempre achei que o problema de Amy Winehouse não seria bem a droga, mas os dealers. Vejamos David Bowie, Iggy Pop, todos os Rolling Stones, Ozzy Osbourne, toda essa gente que consumiu hectares de plantações e laboratórios durante décadas e ainda aí está, pronta para nos enterrar. Amy andou, desde cedo, a fazer qualquer coisa terrivelmente errada.

O mais chocante na notícia da sua morte não é a notícia em si, mas o facto de todos, há tanto tempo, a esperarmos. E tenho dificuldade em livrar-me dum certo sentimento colectivo de culpa nisso. Como aquela gente que assiste, impávida, a um crime.

Nos últimos anos, todos fomos espectadores da morte lenta de Amy Winehouse. Da decadência galopante, do desastre. Amy foi estrela durante um centésimo de segundo; todo o resto do tempo foi estrela cadente. O público não a seguia pelas canções. O público gostava das canções – nenhuma dúvida acerca disso – mas essa Amy artista, essa Amy da obra, era há muito tratada como coisa póstuma. Ela já tinha sido. Agora, era seguida como fantasma de si mesma, à espera do acidente. Amy Winehouse não tinha público; tinha voyeurs. Não tinha espectadores, tinha visitantes do Zoo. Gente grotescamente à espera de qualquer acrobacia exótica.

Espanta-me, com toda a franqueza, que tanta figura inunde agora sites e jornais com declarações acerca do quanto eram amigos de Amy, do vazio que sentem, da memória da pessoa maravilhosa, et cetera, et cetera, et cetera. Toda essa multidão de amigos não serviu de nada. Nem a família, nem os agentes, nem a inominável gente que lhe agendou uma tour cancelada ao primeiro concerto, ainda há um mês. Nem o cretino, quem quer que tenha sido, que terá dito “não, não. Ela agora está óptima. Podem vender bilhetes à vontade. É à confiança.”

Como foi que toda essa gente falhou? Como é que o mundo inteiro não conseguiu salvar uma só rapariga? Uma figura tão frágil que durante tanto tempo todos fomos vendo cair?

Algures pelo caminho, lixámos violentamente os nossos códigos morais.

publicado por Alexandre Borges às 02:43
link do post | comentar
76 comentários:
De Isa a 25 de Julho de 2011 às 04:14
O Brian Jones (Rolling Stones) tb morreu por excessos, aos 27.
Qt à Amy, tou convencida de que ela não queria "salvar-se". E nem imagino, tadita, nem imagino o que lhe ia na cabeça para se fazer tudo o que se fez. a parada era mt séria e já não envolvia "só" excesso de drogas e álcool. Tenho imensa pena, mas talvez agora possa finalmente ter paz. Deixa-nos um legado inacreditável, acho que tudo isso a esgotou.
Bjo
De Espantado a 26 de Julho de 2011 às 15:25
Tou, tás, tá, tamos tais, tão.
De Os verbos giram ao contrário a 27 de Julho de 2011 às 04:30

Também fiquei espantadíssima. Parabéns pelo seu modo impecável de corrigir. Aplausos! :)

De beatriz a 27 de Julho de 2011 às 05:57
lamento muito a morte de mais uma jovem,mas a realidade é que ela viveu a vida consoante os valores que mais prezava e morreu também pelas consequências dos mesmos.cdoncerteza que partiu feliz,que deus a tenha ou o que quer que a movia.paz á sua alma
De Margarida Castanheira a 25 de Julho de 2011 às 14:02
Lamento, mas não concordo. Ou melhor, concordo com os voyeurs que todos somos, com a sede de freak show, com a espera do desfecho que se confirmou.
O que me parece uma doce ilusão é que ela poderia ser 'salva'. É mentira. Podia ir toda a população mundial atrás dela, segurar-lhe a mão, ampará-la, bater-lhe, prendê-la, o que fosse, que não mudava nada. Ninguém pode ajudar quem não quer ser ajudado. É triste, custa a aceitar, dói, mas é a vidinha.
De Cláudia a 25 de Julho de 2011 às 15:03
Sim. Tal como ela diz na sua música Rehab, "they tried to make me go to rehab, but i said no, no, no".

O que é chocante é as pessoas irem a concertos só para ver os disparates que ela fazia, compravam revistas para ver as "novidades" da Amy... Essa sempre foi a imagem de marca dela, era assim que dava nas vistas, caso contrário há muito teria sido esquecida. Quem sabe se isso não foi um encorajamento para ela continuar?
De ... a 26 de Julho de 2011 às 14:50
É triste? Dói? Dói ver crianças a morrerem na somália... Que o dinheiro das drogas que a Amy consumiu bem pagava!
De perdro a 26 de Julho de 2011 às 17:56
Atrasada mental...


De André a 26 de Julho de 2011 às 18:05
Só sabes dizer isso pah ? lol ... és um bocadinho limitado!

Ah, e escusas de responder, porque já sei que vais dizer : Atrasado mental!
De Eunice a 26 de Julho de 2011 às 20:01
Tem toda a razão! que comentário de m...
De joao cesar a 26 de Julho de 2011 às 20:54
O que é que uma coisa tem com a outra? Deves ser algum atrazado mental com a mania que diz coisas muito inteligentes.
De Jota a 27 de Julho de 2011 às 00:15
Bem verdade! mas desses ninguém fala.. não aparecem nos tabloides.
De sapbombas a 27 de Julho de 2011 às 10:03
Gostei do comentário, apenas lamento o término do mesmo com a palavra "vidinha".
De D Batáguas a 25 de Julho de 2011 às 17:56
Vem uma pessoa à procura de mais um enxovalho post morten e dá de caras com uma crónica excelente sobre a vampirização humana. Que engodo.
De perdro a 26 de Julho de 2011 às 17:57
Atrasado/a mental...
De Claudia Silva a 26 de Julho de 2011 às 13:56
... Excelente! Não poderia alguém ter escrito melhor e com mais verdade, se bem que concordo com quem respondeu que, seria só ela, só a estrela cadente, a pessoa indicada para se salvar. Não interessa teres o Mundo inteiro a puxar a carroça por ti. É preciso ter uma força de vontade imensa e maior do que tudo, maior do que a Morte, pelo menos, para sobreviver e superar. Vou roubar este texto para o meu blog... com os devidos direitos de autor. Obrigada pelo prazer desta prosa.
De Cláudia Paiva Silva a 26 de Julho de 2011 às 13:57
... Excelente! Não poderia alguém ter escrito melhor e com mais verdade, se bem que concordo com quem respondeu que, seria só ela, só a estrela cadente, a pessoa indicada para se salvar. Não interessa teres o Mundo inteiro a puxar a carroça por ti. É preciso ter uma força de vontade imensa e maior do que tudo, maior do que a Morte, pelo menos, para sobreviver e superar. Vou roubar este texto para o meu blog... com os devidos direitos de autor. Obrigada pelo prazer desta prosa.
De Maria a 26 de Julho de 2011 às 14:19
Totalmente de acordo. Somos uma espécie péssima ...
De Marta a 26 de Julho de 2011 às 14:21
Muito bem escrito este texto. parabéns!
De SÓ EU... a 26 de Julho de 2011 às 14:36

Confesso que apesar de apreciar bastante as músicas de Amy Winehouse, pelo menos as mais conhecidas, não seguia, como aliás não costumo seguir em relação a qualquer artista ou banda, a sua carreira. Houve uma dúvida que assaltou, quem era o autor das líricas que a mesma cantava. Procurei qualquer coisa, por simples curiosidade, e ao que parece, seria a mesma a autora.
Este terrível desfecho que todos adivinhavam, e que este mundo (sociedade) impotente em que vivemos não conseguiu impedir, irá beneficiar alguém? provavelmente vai, o quanto, dependerá da produção artística que deixou não editada, ... .

Meus parabéns pela vista desafogada manifestada na sua crónica, sobretudo na parte do sentimento colectivo de culpa
De ME AGAIN a 27 de Julho de 2011 às 12:14
... e eis, mais uma prova do desinteresse deste "estranho mundo"

http://tvnet.sapo.pt/noticias/detalhes.php?id=68329
De Ana a 26 de Julho de 2011 às 14:42
...ninguém salva quem não quer ser salvo.....
De MR a 26 de Julho de 2011 às 14:48
Concordo!
De perdro a 26 de Julho de 2011 às 17:59
Atrasada mental...
De sapien a 26 de Julho de 2011 às 19:04
o pedro é um adiantado mental, está visto!
De Ricardo Ramos a 26 de Julho de 2011 às 22:57
Pedro, não achas que já está a ser um pouco inconveniente?...

Pareces uma criancinha sempre a repetir a mesma coisa...

Já toda a gente leu o teu post... A tua opinião é essa, tudo bem... mas não abuses, SFF...

PS - Boa crónica, parabéns.
De Ana a 27 de Julho de 2011 às 09:23
....Atrasada mental..... não deves sequer perceber o que essas palavras querem dizer.... o ataque é a defesa dos inseguros.... devemos aceitar opiniões diferentes das nossas para que possamos utilizar a inteligência que deus nos deu e evoluir. Um atrasado/a mental tem a inteligência que tu ou eu temos, a única diferença é que não consegue guarda-la e por isso tem um défice e não evolui....ou seja o que a inteligência processa de nada serve porque não a consegue utilizar de futuro.... Conheço gente dita normal que tem exactamente este défice de raciocínio. Fica bem e usa a inteligência para o bem e não para provocares....
De MR a 26 de Julho de 2011 às 14:46
A multidão que se preocupe com problemas mais graves à vista de todos em todo o mundo!
De Biety a 26 de Julho de 2011 às 17:24
A "multidão" preocupa-se também com os problemas graves do mundo... mas não podemos enterrar a cabeça no chão!
Esta "multidão" tem que ter uma fuga dos problemas do mundo ou dos problemas apenas do "seu pequeno mundo", a fuga para muita gente é a música e a Amy era sem duvida uma diva da música... Se o post é sobre música e mais propriamente sobre a morte de Amy Winehouse, não podemos andar aqui a escrever sobre qualquer um dos grandes problemas mundiais...
Cada tema pode ter o seu espaço, é para isso que existem posts diferenciados e com títulos distintos.

Comentar post

Autores

Pesquisar

Últimos posts

Contra nós temos os dias

Do desprezo pela história...

É urgente grandolar o cor...

Metafísica do Metro

A Revolução da Esperança

Autores do Condomínio

Hipocondria dos afectos

A família ama Duvall

Notícias do apocalipse

Meia idade comparado com ...

Arquivo

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

tags

todas as tags

Subscrever