Domingo, 24 de Julho de 2011

Crónica indesejada

Por vezes não apetece que os dias mandem em nós. Que nos obriguem a desviar-nos dos nossos planos, mesquinhos ou ambiciosos, tomar um café ou conquistar o universo, o que vier primeiro. Só que quando isso acontece, quando a força implacável do que se vive hoje e agora não nos deixa solução senão a fuga ou o embate será sempre preferível o embate.

 

Não queria escrever esta crónica. Não queria escrever hoje, sequer, e muito menos sobre o que se segue. Mas tenho. Tenho aqui de falar de morte e responder com o que posso, as palavras, mesmo assim tristes vestígios de quem as escreve. Não queria falar do massacre selvagem na Noruega, país que eu lembro pela sua extraordinária beleza e civilidade dos seus habitantes; não queria falar de Amy Winehouse, mulher que admirava, combatente e perdedora, tão generosa com o seu extremo talento que nem sequer o respeitava.

 

Muitas vezes escreve-se para iludir os dias. Agora não. É preciso perceber que para além do espanto, da indignação ou da dor aquilo  que acontecimentos abruptos e definitivos  como estes nos trazem é o confronto com a nossa própria mortalidade. Ou, para aqueles que seguem Unamuno, com a ânsia invencível que todos temos de imortalidade. Isso é que dói, essa consciência da nossa finitude, que se esconde nos nossos requiems públicos, nas desesperadas análises e especulações que fazemos sobre as vidas que acabaram e não conhecemos. Somos nós também que sempre morremos.

 

Amy Winehouse sempre estará mais próximo de mim porque era dona de uma arte que conhecia. As vítimas norueguesas parecem mais distantes e envolvidas numa trágica formatação que assiste aos tempos que vivemos e que me remete para a imensa estupidez da natureza humana. Mas têm exactamente o mesmo valor, a mesma importância. Morri um pouco com ambas. Tenho apenas uma dádiva que agradeço: a que me permite dizer com S.Paulo «Morte, onde está a tua vitória?»

 

Mas não queria escrever esta crónica.

publicado por Nuno Miguel Guedes às 22:57
link do post | comentar
6 comentários:
De andreia am a 26 de Julho de 2011 às 12:55
É-me inevitável comentar o que, igualmente, desejaria não estar a comentar. Só para dizer que estas palavras me tocaram muito.
De Vieira do Mar a 26 de Julho de 2011 às 13:45
excelente, Nuno.
De Nuno Miguel Guedes a 26 de Julho de 2011 às 17:35
Muito obrigado a ambas. Neste caso, infelizmente.
De vague a 26 de Julho de 2011 às 22:53
...
De Rui Vasco Neto a 27 de Julho de 2011 às 11:30
caríssimo,
julgo compreender as razões pelas quais não querias escrever esta crónica. Mas porque as palavras são de facto vestígios de quem as escreve, mesmo tristes na circunstância, dei por mim a descobrir que afinal eu queria ler esta crónica...
Não te parece uma boa razão (entre outras que decerto existem) para a teres escrito, meu querido amigo?

abraço-te

rvn
De Nuno Miguel Guedes a 28 de Julho de 2011 às 19:09
Abraço devolvido, saudade incluida, Rui.

Comentar post

Autores

Pesquisar

Últimos posts

Contra nós temos os dias

Do desprezo pela história...

É urgente grandolar o cor...

Metafísica do Metro

A Revolução da Esperança

Autores do Condomínio

Hipocondria dos afectos

A família ama Duvall

Notícias do apocalipse

Meia idade comparado com ...

Arquivo

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

tags

todas as tags

Subscrever