Sexta-feira, 1 de Julho de 2011

Outras contas

 

Anda-se a falar muito de dinheiro,  sinal de que isto não está a correr nada bem. Em público. Sem vergonha. Por necessidade. Como quem partilha uma angústia que se tornou demasiado grande para ficar guardada no mealheiro vazio. Aos poucos vamo-nos tornando parte de uma família orçamentalmente desfeita em que é cada vez mais raro encontrar alguém que, num instante qualquer, não faça, à mesa e em voz alta, contas à vida. Podíamos falar de tanta coisinha boa mas escorregamos demasiadas vezes, melancolicamente, para esse magno tema, sobre o qual, em tempos, já foi deselegante falar (a elegância é um luxo vedado a quem está em desequilíbrio). Aflitinhos anónimos - eis aquilo em que se vão transformando algumas reuniões de amigos de, digamos, classe média, nas quais se falava alegremente de filmes, música, livros e hoje se projecta números e finais do mês e trabalhinhos extra e se pergunta como é que vai ser.

 

Todos os adultos merecem, além de uma existência digna, ter os seus brinquedos. A própria dignidade da existência depende da possibilidade de ter acesso a essas fantasias juvenis - que nuns são ouvir música e noutros andar de canoa, fazer mergulho ou comprar flores. Para isso é preciso ter disponibilidade, na mente e na carteira. Ter pouco dinheiro - e por isso falar muito do assunto - exige uma seriedade existencial permanente e a extinção de gostos e pequenos prazeres, essencialíssimos para se ser completamente. Vestir a fatiota de adulto a 600%, destino incompleto e ansioso que não se deseja a ninguém. Alguma coisa anda a falhar, anda. Vimos ao mundo também para isso mas não só para isso. Ou por outra: as contas que levamos daqui não são as contas da máquina de calcular.

 

Vejo, aqui ao lado, no tapete da sala, os meus filhos no seu regabofe infantil e desejo, enquanto os vejo brincar, que lhes seja permitida essa liberdade maior que é a de guardarem pelos anos fora este instinto lúdico, esta vontade de fazer disparates, estes tropeços de criatividade - e, noutros ou nos mesmos moldes, este jogo do Beyblade em que parecem tão distraidamente empenhados. E penso na injustiça que é ser retirada aos homens e mulheres deste tempo a possibilidade de serem crianças e criançolas, de manterem aquela reserva de irresponsabilidade que só é possível ter quem - com mais ou menos dificuldade -  conseguiu tratar da balança de pagamentos doméstica. 

publicado por Nuno Costa Santos às 22:22
link do post | comentar

Autores

Pesquisar

Últimos posts

Contra nós temos os dias

Do desprezo pela história...

É urgente grandolar o cor...

Metafísica do Metro

A Revolução da Esperança

Autores do Condomínio

Hipocondria dos afectos

A família ama Duvall

Notícias do apocalipse

Meia idade comparado com ...

Arquivo

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

tags

todas as tags

Subscrever