Segunda-feira, 20 de Junho de 2011

a vida ou assim

Não há, leitor, pergunta mais opressiva. Acontece amiúde, não passa de moda, não escolhe géneros nem idades nem classes sociais. Dá-se muito em férias, no regresso à terra ou em dias de puro e simples azar. Esbarramos numa cara conhecida que não víamos há muito, ultrapassamos as interjeições de surpresa e agrado (“Oh!”, “Ah!”, “Olholhó”), seguimos pela berma das pertinentes questões que tentam aquilatar da nossa existência efectiva (“Mas se não é o…”, “És mesmo tu?”, “Não acredito!”), arrebatamo-nos em abraços, beijinhos e sólidos pancadões nas costas e vamos embater de frente na cruel interrogação: “E o que é que tens feito, pá?”

Isto já terá sido estudado. Haverá gente por esse mundo que tem engatilhada a resposta perfeita, súmula e síntese, breve e sumarenta, honesta e não totalmente desinteressante. Mas o memorando nunca me chegou à caixa do correio.

Fico engasgado como quem é apanhado numa maldade. “Há… Pois… Eu… Bem… Quer dizer… Tanta coisa, né?” Mas o interlocutor permanece suspenso, de olhar brilhante, na expectativa de pormenores. “Pá, escrevo, né? Escrevo. Televisão, jornais, essas coisas.” “Mas casaste?”, pergunta o estupor. “Não.” “Filhos?” “Gatos.” “E aonde é que estás a morar agora?”, indaga, misericordioso, dando-nos uma última oportunidade de exibir algo novo. “No mesmo sítio”, balbuciamos, derrotados.

O final, já se sabe, dá-se apressadamente. Querendo poupar-nos a maior martírio e em nome da amizade que no passado nos unira, o velho conhecido abrevia umas palavras de circunstância e despede-se com um inevitável: “A ver se combinamos um café ou assim.”

Ou assim. Sabemos, naquele instante e com visceral certeza, que esse café nunca será marcado e que, naqueles brevíssimos minutos, hipotecámos grande parte do interesse que, em tempos, despertámos no dito indivíduo. Retomamos o percurso que fazíamos de ombros baixos. Há uma qualquer sensação de vazio e absurdo. De repente, não sabemos o que andámos a fazer com a vida.

É suposto um tipo dizer o quê, exactamente? Que ganhou o Nobel? Que agora vive na estação orbital? Que não casou, mas tem uma vida sexual de fazer inveja ao Cristiano Ronaldo? A partir de que ponto se sentem as pessoas satisfeitas com a resposta? “O que é que eu tenho feito? Pá, nada de especial. Resolvi o conflito israelo-palestiniano e inventei a cura para a SIDA. O costume, sabes como é.”

Ou não será uma questão de grandeza, outrossim de minúcia? “O que é que tenho feito? Ora, vamos cá ver. Não nos vemos desde 87, portanto… No plano sentimental, andei com a Sabrina, depois com a Júlia e acabei encalhado na Maria Alice. Fui à Índia, a Sevilha e a Porto de Mós. Já não estou farto de Paul Auster. Ando a ler o Camilo, mas só os primeiros livros…” Etc e tal.

Deveríamos andar com cópias do currículo para distribuir aos velhos conhecidos quando descarregassem a questão? Ou fazer-nos acompanhar de um biógrafo oficial? Facultar um dvd à laia de “best of”, qual concorrente de reality-show acabado de expulsar da casa?

Ignoro. Da próxima vez, pelo seguro, disparo eu, assim que veja um tipo conhecido a vir pela rua e antes que ele tenha a menor hipótese de sequer ajeitar os lábios para proferir um som: “Temos de combinar um café ou assim!”

E atravesso a estrada. Bardamerda para as biografias instantâneas.

publicado por Alexandre Borges às 07:46
link do post | comentar
9 comentários:
De Sílvia a 20 de Junho de 2011 às 10:04
Gostei de o ler. Retrata de forma engraçada o desconforto criado por estes encontros imediatos.
De Pedro a 20 de Junho de 2011 às 10:22
Bom dia,

O Sinusite está novamente em destaque nos Blogs do SAPO, em http://blogs.sapo.pt

Boa continuação!

Pedro
De Alexandre Borges a 21 de Junho de 2011 às 00:59
Obrigado, Pedro. Um abraço e boa semana.
De tresgues a 20 de Junho de 2011 às 11:28
Muito bom!
De Isa a 20 de Junho de 2011 às 17:03
:D adorei. não há paciência pra conversa de circunstância...
bjo
De Anabela M a 20 de Junho de 2011 às 21:19
E o problema é que não estão nadinha interessados na resposta, a não ser que tenhamos estado presos, casado 7 vezes, ricos via euromilhões e tal.
Cura para a Sida, resolver o problema do médio oriente, pufff, que maçada de vida, és mesmo um gajo esquisito...
Amei
Anabela
De manuela a 20 de Junho de 2011 às 22:29
ando a concordar muito consigo...
De Alexandre Borges a 21 de Junho de 2011 às 01:01
Obrigado a todos. Isso passa, Manuela, isso passa. Dê-me tempo...
De Alda a 30 de Junho de 2011 às 10:36
Hummm... percebo agora porque tenho taaantos 'cafés' a haver :)
Mas 'a vida ou assim' até nem é má: ainda ontem me pagaram um gelado e uma água a somar a uma conversa muito agradável ;)

Comentar post

Autores

Pesquisar

Últimos posts

Contra nós temos os dias

Do desprezo pela história...

É urgente grandolar o cor...

Metafísica do Metro

A Revolução da Esperança

Autores do Condomínio

Hipocondria dos afectos

A família ama Duvall

Notícias do apocalipse

Meia idade comparado com ...

Arquivo

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

tags

todas as tags

Subscrever