Sábado, 29 de Março de 2008

Queria falar de amor

O site Edge (www.edge.org) foi criado para reunir aquilo que o seu autor resolveu chamar de «terceira cultura»: cientistas, investigadores, escritores, filósofos e intelectuais sortidos juntam-se virtualmente para dar a sua visão do mundo. É um lugar extraordinário para ginasticar a mente.

Mas o sítio tornou-se conhecido sobretudo por uma pergunta anual que colocava a essa comunidade. A pergunta de 2005 foi a mais brilhante. A todas estas estrelas da galáxia cientifica e literária perguntou-se: «O que é que acredita ser verdade, mesmo sem poder prová-lo?». A pergunta foi saudada pela imprensa com mimos como o do The Times, que a considerou «a cocaína do mundo pensante», o que a meu ver reflecte um pouco dos interesses do jornalista que cunhou  o epíteto, mas quem sou eu para julgar alguém? Adiante. . O que me fascinou foram as respostas (reunidas agora em livro de edição portuguesa: Grandes Ideias Impossíveis de Provar, ed. tinta da China).

 

Gosto da que deu o professor de Psiquiatria e Psicologia Randolph Nesse, que diz acreditar (lá está, sem poder provar) que «as pessoas ganham uma vantagem selectiva por acreditarem em coisas que não podem provar». Isto são boas notícias para os crentes de todo o mundo em geral e aqueles que acham que o Benfica é uma boa equipa em particular. De resto, há muitas respostas comuns e, vindas de cientistas, previsiveis: acreditam que há vida inteligente algures no universo, que Deus não existe, que não há vida depois da morte física, que o amor verdadeiro existe, que a ciência... Desculpem, permitam voltar atrás: que  o amor verdadeiro existe? Aí está algo que posso debater.

 

Quem o disse foi o professor de Psicologia David Buss, depois de ter passado décadas da sua vida a estudar «perseguidores obcecados, predadores sexuais e assassinos de conjuges». Uau, falem-me de optimistas. Mas a verdade é que nem este prolongado convívio com a natureza humana o desanimou.

A mim ninguem me perguntou, mas é para isto que servem os blogues. Assim, e retirando a ontologia ao que é um amor «verdadeiro», posso anunciar a um mundo ansioso: acredito no amor, e verdadeiro. Mas pelos meus sintomas, tenho medo.

 

É uma ditadura benigna, um oxímoro que acalentamos com todo o nosso coração. Um regime de força que impomos alegremente à nossa alma. A paixão é a revolução, romântica e generosa; o amor são os revolucionários a chegarem ao poder. Não nos basta querermos o Outro: queremos ser o Outro e queremos que o Outro se transforme em nós. É um totalitarismo implacável, que nos faz chorar à miníma ausência ou escrever «Tanto do meu estado me acho incerto». É uma injustiça,uma dádiva,  uma violência, uma imposição, uma prisão que nem sequer é preventiva. É enfim, o melhor do mundo. Acredito que exista, mas o que é mais triste é que gostaria de o poder provar.  

 

publicado por Nuno Miguel Guedes às 20:10
link do post | comentar
1 comentário:
De Ego dependente a 29 de Março de 2008 às 21:57
Tem lógica, ninguém viu Deus e alguns acreditam que ele existe, E.T.'s a mesma coisa, o glorioso voltar a ser glorioso também (e no entanto ninguém vê nada), o amor (com A grande hum?) acredita quem o sente e jura que existe. Está lá. No canto esquerdo, mesmo debaixo do peito. E doi e salta e por aí. Engraçado que tal como o resto, uma vez passado essa euforia, é como o resto, o discurso é o mesmo,... "eu cá só acredito quando vir".

Comentar post

Autores

Pesquisar

Últimos posts

Contra nós temos os dias

Do desprezo pela história...

É urgente grandolar o cor...

Metafísica do Metro

A Revolução da Esperança

Autores do Condomínio

Hipocondria dos afectos

A família ama Duvall

Notícias do apocalipse

Meia idade comparado com ...

Arquivo

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

tags

todas as tags

Subscrever