Terça-feira, 31 de Maio de 2011

Português Suave revisited

Gostava do Português Suave. Gostava da embalagem azul e branca às risquinhas fininhas com o padrão dos descobrimentos no meio. Gostava dos cigarros pequeninos que se fumam com a mão em concha como se estivéssemos a esconder o vicio. Gostava de cuspir os pedacinhos de tabaco que fogem para a língua, lembravam-me as coisas boas e o bocadinho de badalhoquice sempre associado a elas. Cigarro de poeta, sem filtro, a queimar os lábios como devem ser as palavras.

 

Já não os fumo há muito tempo, nem sei sequer se ainda se vendem. Troquei-os por uns cigarros internacionais, daqueles à venda na D. Irene aqui da esquina ou no café do sr. Mohamed perto da casa do diabo mais velho.  Cigarros cujo único atributo é aplacarem o vício, como o Macdonalds mata a fome ou a Coca-Cola mata a sede.

Há uns anos, quando ia para algum lado para lá do Marão, levava sempre um volume comigo, mesmo já não os fumando habitualmente.

Achava que não havia nada mais português, nada que me lembrasse mais aquilo que nunca deixarei de ser: português.  O bacalhau, o pastel de nata, a bica são  símbolos de Portugal mas não têm nada a ver com a nossa alma. São demasiado intensos.  

Pequenito; discreto; apurador de palavras escritas, causador de pigarro e rouquidão, mas suave. Como nós, Portugueses Suaves.

 

Andam-nos a vender, há demasiado tempo, a conversa de que temos de ser mais agressivos, mais assertivos, mais duros. Os tempos modernos não estão para suavidade, para discrição, para poesia, dizem-nos. É a época da confrontação, do nós ou eles, da prosa militante.   

Querem-nos tirar a alma, querem-nos mudar, querem que sejamos alemães, ou suecos ou a senhora que os deu à luz, é o que é. Querem-nos Camelos ou Marlboros. Têm conseguido, e é essa a nossa desgraça.

“Pode alguém ser quem não é?”, cantava o Sérgio Godinho. Mesmo que se pudesse, para quê?  A gente vai andando, umas vezes melhor outras pior, mas  chegamos até aqui. Velhinhos de mais de 1850 anos, é certo, mas quem se aguentou melhor que nós? Quantos foram, quantos? Ninguém. Quem tem mais histórias para contar do que nós? Quem andou pelo mundo inteiro e nunca se perdeu?

Pois claro, passado. E que somos nós todos, eles e nós, se não passado, se não memória?

Nós fomos construindo a nossa memória, os nossos sonhos, devagar, como arrancamos com cuidado o plástico do maço de portugueses suaves, como gentilmente descolamos o selo e como tiramos o cigarro. Discretamente, acendemo-lo e deixamos que o fumo inunde, sem pressas, os nossos pulmões. Temos tempo, todo o tempo do mundo. Nós sabemos que as coisas levam anos, décadas, gerações, séculos. Nós ainda cá estamos e estamos para durar. O tempo prova-o. Portugueses suaves e eternos.

publicado por Pedro Marques Lopes às 00:04
link do post | comentar

Autores

Pesquisar

Últimos posts

Contra nós temos os dias

Do desprezo pela história...

É urgente grandolar o cor...

Metafísica do Metro

A Revolução da Esperança

Autores do Condomínio

Hipocondria dos afectos

A família ama Duvall

Notícias do apocalipse

Meia idade comparado com ...

Arquivo

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

tags

todas as tags

Subscrever