Domingo, 29 de Maio de 2011

Dos que nos amam

Chegam normalmente por esta altura, aproveitando a que costumava ser uma doce transição entreo clima ameno lisboeta para a subida estival das temperaturas. Vêm de longe e de muitos lados: Itália, Grécia, Sérvia, Croácia, Brasil, México, Japão. Em comum têm um amor muito específico, uma paixão assolapada e à antiga, que parece tão intensa como intrigante: adoram Portugal.

 

Não se enganem: esta gente não gosta do tempo que faz, das nossas ricas praias, do fado, das pessoas, do belo peixinho. Gostam de tudo. Gostam de nós. Pior ainda: sabem porquê. Para um português isto é um fenómeno que dá que pensar: é realmente fácil gostar de Portugal e das suas paisagens, das gentes que exageram na hospitalidade sobretudo se for realtiva a  estrangeiros. Este gostar é um estado de paixão transitória, que mal se vê dentro do avião que os leva de regresso aos seus países de destino, se transforma numa nostalgia inofensiva e fotografias para colocar no Facebook.

 

Esta gente é diferente, garanto-vos. Voltam. Todos os anos, sempre que podem. Sei do que falo, porque conheço um grupo destes apaixonados, com quem irei estar para o próximo mês.Há anos que viajam para Portugal. Quando podem, várias vezes por ano. É verdade que foi o amor ao fado  - e aos Madredeus  - que os juntou. Mas uma coisa levou à outra e agora apaixonaram-se por um país inteiro. Tudo lhes parece novo, belo e verdadeiro, como se sempre fosse a primeira vez. Emocionam-se com as pedras da calçada, com um poema bem cantado. Como o conhecimento ajuda o amor, são mais sábios e conhecedores da história portuguesa do que os próprios nativos. Várias vezes fui surpreendido com factos ou curiosidades que apenas se não fosse de Portugal me poderia interessar.

 

Porque nós sofremos do antigo atavismo de dizer mal do que está mal e pior do que está bem. Vem de trás este mau estar connosco próprios. Por vezes ele é bem expresso e pode até transformar-se em arte: lembro-me de O'Neill ou de alguns textos de Ramalho Ortigão. Outras vezes é pura maledicência de bairro, o pior dos paroquialismos que é o de ficar quieto à janela à espera de ver quem passa para baixinho tecer comentários maldosos.

 

Eu sei que há tanta coisa má neste país, como haverá noutros. Muitas vezes tento explicar a minha indignação a estes meus amigos apaixonados, sobretudo agora em que os nossos dias andam mais carregados. De nada serve. Eles, como Camões previu, transformaram-se já na «cousa amada» e são completamente inflexiveis na sua paixão, apresentando incentivos, factos e sentimentos que sustentam o seu estado de graça.

 

Parece que agora os pequenos videos que afagam o ego colectivo – como o célebre video da Finlândia  - começam a estar na moda. Ali nos exaltamos, ali nos incentivamos. É simpático, mas perdoem-me, cheira-me sempre um pouco a bazófia. Por mim prefiro estes momentos com os verdadeiros amantes de Portugal. É com eles que aprendo e se tiver sorte, muita sorte, talvez possa reaver, nem que seja por um segundo, esse olhar límpido e deslumbrado das crianças que podem amar sempre em bruto. Quero reaprender a ser turista no meu país

publicado por Nuno Miguel Guedes às 22:42
link do post | comentar
5 comentários:
De luisa notarangelo a 31 de Maio de 2011 às 17:35
Bellissimo Nuno....! ....De nada serve. Eles, como Camões previu, transformaram-se já na «cousa amada» e são completamente inflexiveis na sua paixão, apresentando incentivos, factos e sentimentos que sustentam o seu estado de graça.....bellissimo!!
De Nuno Miguel Guedes a 1 de Junho de 2011 às 13:05
Obrigado, querida Luísa. Tu tens mesmo de saber, tu és um «deles»! E cá te espero.
De Susana Duarte a 1 de Junho de 2011 às 19:25
Olá Nuno!
Vi este teu post por intermédio do FB de um desses indefectíveis de Portugal, o Alberto, uma vez que tenho a honra de conhecer alguns, poucos, desses apaixonados pelo solo lusitano. Muitas vezes, acontece-me pesquisar um tema que me foi lançado por um destes queridos amigos, inicialmente desconhecido de mim própria, mas do conhecimento de todos e qualquer um deles. É muito bonito vermo-nos por aqueles olhos.Penso sempre que é mais fácil eu amar a Itália (o que é verdade, porque lá passei os mais belos anos da juventude), do que me parece fácil qualquer um deles amar o nosso Portugal. E, no entanto, assim acontece. E é uma honra. E "eles" já são mais de "nós" do que tantos de nós. Foi um prazer vir aqui. Porque somos irmãos no conhecimentos destes amigos. Um abraço. Até já!
De Nuno Miguel Guedes a 2 de Junho de 2011 às 11:54
Olá Susana!
É sempre mais fácil amar os outros do que sermos profetas na nossa terra. O olhar está sem vícios, o coração obriga só às coisas boas. Assim é comigo com a Itália (onde estudei), com a Irlanda (que podia ser a minha casa) ou com a Inglaterra, a quem devo quase tudo o que penso em termos culturais ou filosóficos. Mas quando falo a amigos meus ingleses desse amor eles não o entendem. Precisamente pelas mesmas razões. Sem o olhar do Outro não somos, e nesse sentido nós temos muita sorte.

Obrigado pelo comentário e grande beijinho!
De Marcela Ortiz a 3 de Junho de 2011 às 00:10
"Esta gente é diferente, garanto-vos. Voltam. Todos os anos, sempre que podem" ... Tudo isto é bem verdade. Muito belo Nuno, belas palavras!

Comentar post

Autores

Pesquisar

Últimos posts

Contra nós temos os dias

Do desprezo pela história...

É urgente grandolar o cor...

Metafísica do Metro

A Revolução da Esperança

Autores do Condomínio

Hipocondria dos afectos

A família ama Duvall

Notícias do apocalipse

Meia idade comparado com ...

Arquivo

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

tags

todas as tags

Subscrever