Sexta-feira, 27 de Maio de 2011

Pontapés de canto

Dou uma aula de escrita criativa e escrevo. Aproveito o momento em que os alunos  - psicólogos, editores de vídeo, estudantes - trabalham um sketch de auto-paródia da turma para esboçar esta croniqueta para o Sinusite – adiada durante um dia que não facilitou o estacionamento. Encontramo-nos em pé de igualdade - temos o mesmo tempo para acabar um texto. Ouço os portáteis a serem martelados e levanto de quando em vez a cabeça para confirmar que pelo menos neste lado da cidade a Apple ganha à Toshiba. Há alunos que, como tantos, de tantas gerações, olham para o ar, gesto vilipendiado mas possivelmente mais produtivo do que se magica. Outros apontam a caneta para a folha como os perdigueiros que farejam a caça sem a vislumbrarem. Daqui vejo melhor: estamos todos ridiculamente azulados pelo projector que procura um computador sem sinal (“Para exibir a Ajuda, use o botão ?”). E pelo calorzinho também.

 

Alunos e professor exercitam as escritas como podem, como outros, em superfícies mais verdejantes, treinam penaltis e pontapés de canto. É, sei disso, uma actividade que arrepia quem tem com estas coisas uma relação com o sagrado. Escusado será dizer que não há aqui pretensões de Nobel nem ambições de Branquinho da Fonseca. Respiramos todos por escrito, com os recursos que as leituras, a hora e o cansaço nos concedem. (O projector cansou-se e apitou antes de se apagar). Escrevemos. Apagamos. Escrevemos. Apagamos. E comentamos.  Não o fazemos num café de Montmartre, entre moças bonitas e intelectuais de gola alta, mas numa saleta lisbonense, com vontade de arregaçar as mangas da tshirt até aos ombros. O "Magazine Littéraire" não se interessaria por nós. 

 

Há um mês, em boa hora, aceitei o convite para fazer - como aluno - um brevíssimo curso do género para pessoas que vivem da escrita. Não encontrei - como ninguém encontra - a divina luz do firmamento da mais alta das literaturas. Fiz mais do que isso: treinei zonas da prosa a que, por vocação, não me tenho habituado - as mais descritivas, por exemplo. Fui analisado, posto em causa, criticado, elogiado, glosado e gozado. Como se estivesse - como realmente estou - a aprender o essencial do que é isto de escrever. Experimentei registos diferentes dos habituais. Forcei a mão onde ela, por comodismo, se recusa a ser forçada. Percebi aquilo que ainda quero e posso experimentar. Mais duas e três sessões e já não passaria sem estas idas ao ginásio.

 

Penso, sim, penso que faria bem a variadíssimos escritores profissionais sentarem-se numa salinha deste género. Deliro até com a utopia de um curso de escrita destinado a escritores consagrados. Uma série de Lídia Jorges e Lobo Antunes a serem chamados a tarefas simples, quase  primárias, da escrita e à partilha daquilo que produzirem em exercícios mais ou menos tramados  - são sempre para ontem.  A treinarem diálogos,  entradas de romances, desenvolvimentos narrativos, a escolharem adjectivos certeiros e a limparem metáforas espúrias.  A porem-se em causa, que é aquilo que um escritor mais deve fazer. O professor não seria o mais importante. Fundamental seria ter alguém que desse o mote, que provocasse, que, por umas horas, fizesse desses adultos com carradas de vícios nas estantes crianças em parques infantis da criatividade literária.

 

Olho de novo para os alunos. A mão que cheirava a presa já ataca a folha. Alguém – topo agora – exerce essa forma suprema de escrita criativa que é o SMS. Um dos escribas, percebendo o desmaio do seu computador, abre um bloco e rabisca-o com a fúria de quem quer cumprir dentro do prazo. Digo-lhes sem sadismo que têm menos de um minuto para acabar. Estou a falar comigo também. Dou uma lida rápida no que escrevi, ouvindo ainda alguém a teclar uma última farpa. O tempo acabou.  Últimos a ir à baliza.

publicado por Nuno Costa Santos às 23:33
link do post | comentar

Autores

Pesquisar

Últimos posts

Contra nós temos os dias

Do desprezo pela história...

É urgente grandolar o cor...

Metafísica do Metro

A Revolução da Esperança

Autores do Condomínio

Hipocondria dos afectos

A família ama Duvall

Notícias do apocalipse

Meia idade comparado com ...

Arquivo

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

tags

todas as tags

Subscrever