Segunda-feira, 23 de Maio de 2011

os meus cigarros larilas

Fumo cigarros larilas. Slims. Aqueles fininhos, em caixa amaricada, que não sabem a nada. Um problema.

Fumar slims deixa-nos numa desconfortável terra de ninguém. Nem somos o estóico anti-tabagista, adepto da saúde e da condição física, nem o rebelde fumador inveterado que não teme a morte e enfrenta de sorriso na boca o politicamente correcto, nem o super-herói de todos eles, o ídolo que fumou anos a fio e deixou do dia para a noite, conhecedor dum lado e doutro da barricada e que desperta a curiosidade de todos: “Como conseguiste?”, perguntam-lhe de olhos esbugalhados, suspensos da resposta.

O fumador de slims, visto de fora, tem tudo o que é mau de fumadores e não-fumadores. Esfumaça, o que incomoda, mas parece cheio de medo, o que aborrece. É um fumadorzinho, uma imitação de fumador, um tipo que mergulha de braçadeiras. Não é carne nem peixe. Está ali. E, qualquer dia, há-de se arranjar uma sala só para ele nos restaurantes.

O fumador de slims, enfim, é gozado por todos, fumadores, não-fumadores e ex-fumadores. O próprio tipo que lhe vende os cigarros parece ter um sorrisinho trocista ao canto da boca enquanto lhe passa o reles pacotinho.

Pedia-me há dias um amigo desta casa que pensasse nas fotografias dos escritores na contracapa dos livros. Os grandes seguram cigarros, acendem cigarros, fumam cigarros. Os que têm gravitas para isso empunham, soberanos, charutos ou cachimbos. Os outros não fumam nada. Nenhum deles fuma slims. Não para a fotografia, pelo menos.

Explico – ó meu Deus! Como e quantas vezes tenho explicado – que fui o destemido fumador de cigarros pretos e fortes durante anos. Que me transformei depois no heróico sujeito que deixa o tabaco de um dia para o outro. E que, por fim, conheci uma rapariga que fumava slims – e o resto é história.

Não chega, diz-me o mesmo amigo. Suponho que esteja certo (agora que penso nisso, não me recordo de que marca fuma).

Talvez não valha a pena dar qualquer justificação. Fumo cigarros larilas. Sou um rebeldezinho. Um viciado em coisas menores. Um medricas que mesmo assim vai em frente.

Fumar esta porcaria, afinal, é capaz de fazer algum sentido.

publicado por Alexandre Borges às 07:32
link do post | comentar
4 comentários:
De Sílvia a 23 de Maio de 2011 às 14:29
Eheh... está o máximo!
"...um tipo que mergulha de braçadeiras..." (isso é mesmo desafiar o risco com segurança).
De Alexandre Borges a 23 de Maio de 2011 às 22:34
:) Exactamente, Sílvia. "Seguro de vida" são os meus nomes do meio. Obrigado pela visita.
De Isa a 23 de Maio de 2011 às 19:38
tb fumo desses, de mentol, u don't wanna know...
Bjo
De Alexandre Borges a 23 de Maio de 2011 às 22:35
Ui! Esses ainda devem dar outra crónica... Beijos e obrigado pela solidariedade.

Comentar post

Autores

Pesquisar

Últimos posts

Contra nós temos os dias

Do desprezo pela história...

É urgente grandolar o cor...

Metafísica do Metro

A Revolução da Esperança

Autores do Condomínio

Hipocondria dos afectos

A família ama Duvall

Notícias do apocalipse

Meia idade comparado com ...

Arquivo

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

tags

todas as tags

Subscrever