Segunda-feira, 16 de Maio de 2011

povo eleito

Alguém, algures, por qualquer razão, sentenciou que Portugal era um país de poetas. Nunca compreendi. Haveria algum estudo que concluísse, estatisticamente, que existiam aqui mais poetas por quilómetro quadrado do que em qualquer outra parte do mundo? Não seríamos antes, dependendo do século, um país de marinheiros, jogadores de futebol, politólogos? Não contrastava aquela certeza com a garantia de qualquer editor livreiro segundo a qual a poesia não vende em Portugal?

Anos de observação atenta nunca me permitiram concluir pela veracidade da descrição. Fui, contudo, constatando uma ideia um pouco diferente: que Portugal é um país de artistas. De cineastas, fotógrafos, documentaristas, instaladores e outros génios à espera de reconhecimento mundial.

Certamente que o caro leitor ainda é do tempo em que o artista era uma espécie rara. Havia um por terra e era tratado com o devido exotismo. Ele escrevia uns contos que o jornal depois publicava. Ou actuava nas festas da aldeia com as suas canções originais. Ou migrava para Lisboa, onde expunha os quadros, só voltando à vila anos mais tarde para descerrar a placa da rua aberta em seu nome. Todos tínhamos uma tia que sonhava ser pianista. Acabou por fazer carreira na função pública, mas, nas tardes de domingo, arriscava um Haydn tocando tecla a tecla com um dedo só o órgão comprado por 20 contos pelo marido por ocasião dos 40 anos. Ou um avô que, em tempos, escreveu umas rimas em folhas soltas de sebenta, arquivadas mais tarde pela avô na despensa, debaixo dos álbuns de fotografias e dos manuais dos electrodomésticos. A vida nem sempre foi fácil, mas o tédio dos dias ia-se vencendo, em grande medida, pelo fulgor daquela paixão não consumada. Aquela deliciosa incerteza de que se poderia ter sido grande.

Algures, tudo isso mudou. O português meteu na cabeça que nasceu especial. Agora, é só escolher a arte que melhor se adapte à canalização do seu génio em algo real. Começa nos poemas da adolescência, passa pelas fotografias desfocadas tiradas em Erasmus que põe na rede social, acaba na curta-metragem que escreve, interpreta e realiza. Ele até queria dividir tarefas, mas todos os amigos estavam ocupados com as suas próprias curtas-metragens, os romances pós-modernos, a instalação-pastiche-colagem, a intervenção-happening-teatro-do-absurdo, a música samplada composta ao computador sem saber uma nota, que isso era uma coisa quadradona do antigamente, ter de saber música para fazer música, aonde é que já se viu.

Soterrado no processo criativo, o novo português não tem tempo de ver o que os outros fazem – e eis porque a poesia não vende em Portugal. Está tudo demasiado ocupado a criar – como teriam tempo de ver criações dos outros? O tempo que tenha livre será passado a tagarelar sobre a sua obra no café ou no chat, estendido ao sol numa praia qualquer ou em viagem turística, que é quando o artista parte à procura de si mesmo, questão fundamental a que depois tentará responder numa futura curta-metragem / instalação 3.0.

Ser artista em Portugal é, hoje, pois, a coisa mais habitual do mundo. As vilas já não poderão descerrar placas com o nome de todos porque não haveria ruas para tanto.

De modo que as vocações secretas que alguns vão descobrindo aos poucos são, agora, diferentes daqueles tempos idos. Garanto-lhe, leitor, que, em certos cafés da moda de Lisboa, oiço por vezes um documentarista imberbe confessar que gostaria de jardinar, uma artista plástica sem idade para votar sussurrar que se inscreveu num curso de culinária, um músico pós-niilista vestido de sem-abrigo procurar no Macbook Pro de 15 polegadas informações sobre bordados.

Portugal talvez não seja país de poetas nem de artistas. É um país de portugueses, destino bem mais especial e incompreensível.

publicado por Alexandre Borges às 07:22
link do post | comentar
3 comentários:
De Giulia a 16 de Maio de 2011 às 13:47
Caro Amigo/Amig@,

Livros existem para aventurarem-se de mão em mão, enchendo olhos e mentes, traspassando mundos vários, continentes distantes, até mesmo galáxias perdidas deste infinito Universo, sem respeitar nem mesmo as fronteiras do senhor Tempo.

É com base neste espírito que Lisboa acaba de ganhar um novo Alfarrábio on-line. É o www.livrilusao.com, que vende livros usados e novos.

No entanto, não queremos ser apenas um alfarrábio a mais. Para além de comprarmos, vendermos e trocarmos livros, buscamos também interagir com todos que queiram trocar ideias connosco sobre livros, artes em geral e tudo o mais relacionado com Cultura.

Convidamos-te a visitar a nossa página e, se achar interessante, ajudar a divulgá-la, repassando esta mensagem para a sua lista de emails.
Vamos dar continuidade à aventura dos livros!

José Silva,
Livrilusão
De Ana Santiago a 16 de Maio de 2011 às 18:41
Dos melhores textos sobre essa coisa de ser português que eu já li. Obrigada.
De Alexandre Borges a 17 de Maio de 2011 às 15:29
Obrigado eu, Ana, pelo comentário. Um abraço.

Comentar post

Autores

Pesquisar

Últimos posts

Contra nós temos os dias

Do desprezo pela história...

É urgente grandolar o cor...

Metafísica do Metro

A Revolução da Esperança

Autores do Condomínio

Hipocondria dos afectos

A família ama Duvall

Notícias do apocalipse

Meia idade comparado com ...

Arquivo

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

tags

todas as tags

Subscrever