Sexta-feira, 6 de Maio de 2011

Crónica extremamente influente

Cada vez mais me encanita e é cada vez mais usada nos (outro termo detestável) "círculos". No círculo da economia, da política, da cultura, do desporto, etc. Sim, é a palavrinha "influência". Quando me falam em "influência" saco logo da funda, do revolver, da bomba de asma. Não sei bem porquê, talvez esteja a ser injusto e pouco rigoroso, mas julgo que é por causa disto: "influência" sugere-me um poder que não se mede de forma concreta, que se afere, mais do que pelo respeito, pelo "respeitinho" que sugere. "Eh pá, não fales mal daquele gajo porque ele tem influência". Não tem a ver necessariamente com mérito concreto. Valor profissional e pessoal. Gesto largos. Grandeza de espírito. É assim uma coisa. Uma espécie de prestígio de gabinete. Tem a ver com a possibilidade de resolver os assuntos com "dois ou três telefonemas". Afasta-se daquilo em que mais acredito: a argumentação, o contraditório, a possibilidade de confronto de ideias e opções. Entre pessoas. Das elites ou das esquinas.

 

Depois há a história paroquial dos que não o são e querem ser - e há tantos por aí. Aqueles que fazem tudo não para se superarem naquilo que fazem mas apenas para se tornarem "influentes". Aqueles que fundam projectos ou apostam em "personagens" que vão ser, com certeza, "influentes". Quantas reuniões (outra palavra daquelas) não devem começar com a frase: "Vamos fundar um projecto de grande influência!"? Pois: raramente funciona. A "influência" preparada em laboratório ainda é pior - topa-se à légua e é, além de nitidamente artificiosa, uma das mais delirantes e cada vez mais praticadas forma de arrivismo. 

 

E de arrivistas, sabemo-lo, está a Nação cheia. A hiper-valorização da "influência" e dos "influentes" é, parece-me, mais um sintoma da doença de um país que perdeu o sentido do que interessa. Que considera mais a figura que "conhece muita gente", apenas por conhecer muita gente, do que aquele vizinho que é um exemplo discreto no bairro. Informa-se da vida do sítio, separa a lixaria, ajuda quem menos tem e, pior do que tudo, comete a suprema extravagância de cumprimentar quem passa. O país está cheio de "influência" e de "influentes" e tem poucos cidadãos. Se calhar é isso. Se calhar é isso que chateia.

publicado por Nuno Costa Santos às 15:48
link do post | comentar
1 comentário:
De Francisco Castelo Branco a 6 de Maio de 2011 às 19:16
tem é muita malta a falar do que nao sabe

Comentar post

Autores

Pesquisar

Últimos posts

Contra nós temos os dias

Do desprezo pela história...

É urgente grandolar o cor...

Metafísica do Metro

A Revolução da Esperança

Autores do Condomínio

Hipocondria dos afectos

A família ama Duvall

Notícias do apocalipse

Meia idade comparado com ...

Arquivo

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

tags

todas as tags

Subscrever