Quinta-feira, 28 de Abril de 2011

Estou farto do Barça

da ponta das unhas dos dedos do pé até à raiz dos mais longos cabelos, farto da retórica à volta do Barça, farto da suposta superioridade romântica, estética e moral do Barça e farto da cegueira à volta do Barça.

Que são a única equipa que quer ganhar; que eles sim, sabem jogar e os outros são uns cepos que têm ideias estranhas como, sei lá, de vez em quando experimentar um contra-ataque ou um passe mais longo; que nunca fazem faltas, aliás jogadores como o Mascherano nem vieram de clubes faltosos e duros como o Liverpool; que tratam bem a redondinha; que têm uma filosofia de jogo. Essa é a que eu mais gosto: uma data de energúmenos que se tivessem que ler um texto filosófico eram bem capaz de sofrer uma apoplexia nervosa defendem uma "filosofia".

Porque o Barça, dizem, é diferente. Faz um futebol excitante. Nunca se sabe o que esperar. Por acaso eu sei sempre o que esperar: o primeiro passe sai para o Piqué, que ou faz um passe longo para a direita ou coloca no Busquets ou no Xavi. Se for no Busquets o Xavi abre a seu lado e ou o Messi ou o Iniesta vêm buscar enquanto os outros dois avançados rodam as posições. Depois é fazer circular até ao adversário a) aborrecer-se de morte (tal como eu) e adormecer (tal como eu) ou b) irritar-se (tal com eu ao vê-los) e ir à queima (eu preferia ir-lhes às pernas, ser irradiado e recebido em glória no meu bairro natal). 

O Barça, boa gente que não percebe nada disto, é tão excitante quanto um guião de filme pornográfico, tão entusiasmante quanto o relógio interno do cofre de um banco suíço. O que o Barça - o romântico, estético, moralmente superior Barça - faz é, curiosamente, levar ao extremo o que tanto critica aos outros: defender. O Barça defende-se guardando o mais que pode a bola, nunca arriscando um passe a mais de dois metros (excepto o Piqué, mas esse como não é anão consegue ver longe). Na realidade o romantismo do Barça é um pragmatismo feroz: trata-se de evitar o mais possível que o adversário tenha a bola e evitar o mais possível que o adversário esteja acordado.

Mas o Barça tem a vantagem de querer atacar e nunca fazer faltas. O que por acaso é mentira. Se o Barça perde a bola há logo três dos seus anões a chutar as canelas do adversário. Mas como são anões nunca ninguém se lembra de lhes marcar falta. Por contágio, assassinos como Busquets e o Mascherano, imbecis como o Piqué e trogloditas como o Puyol escapam a qualquer punição.

E se um jogador do Barça cai, o que é que acontece? Há onze anões a rodear o árbitro, a empurrá-lo, como se cada homem do apito fosse um Zé Pratas e cada um daqueles anões tivesse em si um Paulinho Santos. E isto sem que nunca nenhum deles veja um amarelo. Aliás, só há uma forma de um jogador do Barça ver um amarelo: declarar em notário que não se sente espanhol e que por si la roja ia para la madre que os los pario. De resto o Messi pode continuar a dar cotoveladas que nucna verá um amarelo.

Só que o Barça é diferente. Não tem patrocínio nas camisolas, por exemplo. O que por acaso acaba para o ano e logo com um patrocínio muito bonito, muito moral.

O Barça é diferente porque nunca largaria 100 milhões de euros pelo Ronaldo. Aliás, dizia o Xavi que o Ron não tinha lugar no Barça. O que é bonito. Excepto se nos lembrarmos que o Barça ofereceu 60 milhões pelo Ron, isto antes do Xavi fazer aquela declaração bonita, romântica e moral. Depois disso o Barça largou 50 milhões de euros mais o Eto'o num total de 70 pelo Ibrahimovic, após o que mandou este passear e largou 40 pelo Villa. O Barça da cantera não larga 100 milhões. Larga 110. 

A verdade é que o Barça é diferente. É um clube de desportistas. Que por acaso agridem adversários no túnel. E é liderado por um cavalheiro. Que sempre o foi, mesmo quando sob o efeito de nandrolona. Que é a substância que os cavalheiros - como ele - tomam - como ele tomava. 

Viva o romanismo estético dos exemplos da honestidade.

publicado por João Bonifácio às 17:01
link do post | comentar
14 comentários:
De Isa a 28 de Abril de 2011 às 18:51
A-DO-REI! e acrescento: cabrão do Messi! que naquele segundo golo até parecia o Maradona.
De André Vieira a 29 de Abril de 2011 às 01:37
Apoiado. O Barcelona aborrece-me de morte e, às vezes, sinto-me numa dimensão paralela, ao ouvir e ler os comentadores pró-Barça, que andam a vender o seu peixe a meio mundo. É como a Espanha no Mundial: era só ataque mas vencia os jogos por um golo de diferença. E esse meio mundo anda há anos a tentar esquecer-se dos penaltis contra o Chelsea, das expulsões do Del Horno, do Thiago Motta, do Van Persie. Aliás, pelo vídeo da expulsão do Del Horno, de há cinco anos, vê-se que já na altura a cantera do Barça tinha a técnica perfeita de rodear o árbitro. Foi o Messi mas podia ter sido o Busquets, o Pedro, o Alves...
De José, o Alfredo a 29 de Abril de 2011 às 16:59
Caramba! Acho que nunca me tinha acontecido concordar tanto com fosse o que fosse!

Sou um pouco suspeito, porque sempre detestei o Barcelona, e ando há que tempos a tentar explicar isso às pessoas, só que aquilo enerva-me tanto que não consigo dizê-lo com essa clareza e contenção.

Aceite por favor os meus sentidos agradecimentos e se vir excertos do seu texto afixados por aí ao desbarato é bem possível que tenha sido eu. Permito-me apenas acrescentar o seguinte: como bem observa, aquela súcia arranjou uma forma camuflada e falsa de jogar à defesa. Não tendo vivido os tempos do catenaccio, a única coisa parecida que me ocorre é a Grécia.
De andre navarro a 29 de Abril de 2011 às 18:02
Caro João

LAPIDAR!
Foi um prazer lê-lo. Muito Obrigado.

André Navarro
De Nuno Miguel Guedes a 29 de Abril de 2011 às 18:04
Boni, até parece que viste o jogo ao meu lado. Cabroões dos catalães mais a sua supremacia moral que deitam fora quando vão à selecção dos reis dos outros. Grande texto.

Abraço!
De Tolan a 29 de Abril de 2011 às 18:05
O Barça e o Messi irritam-me também, mas é por raiarem a perfeição consistente e derrotarem (esmagarem) equipas que preferia que ganhassem. Essa perfeição acaba por ocultar o seu valor pois não há muitos contrastes e não nos conseguimos identificar com ela, ter empatia com ela. O Schumacker também me enervava solenemente, pelos mesmos motivos. Ele fazia aquilo parecer fácil e previsível. Mas não é. Eu rendi-me, nomeadamente, ao génio do Messi. Ele não tem culpa de ser "boa pessoa". É-me muito difícil gostar de um jogador que não tem sequer 1% de Cantona na sua atitude. Mas é possível, com esforço, é possível.
De Eu mesmo a 29 de Abril de 2011 às 18:15
Pareceme moi acertado o post, eu penso que si soamente xoga un equipo iso no é fútbol. Son uns cobardes e odian a todos os equipos ou adestradores que lles ganhan e excusan dicindo que eles foron os únicos que intentaron facer fútbol e o contrario so destrueu xogo...
De iluminista a 29 de Abril de 2011 às 19:49
fffffffff
De iluminista a 29 de Abril de 2011 às 19:56
Realmente está mesmo no sangue dos Portugueses ( alguns ) odiarem a qualidade, o trabalho e a humildade. No Barça qualidade e trabalho está à vista, nos 8 jogadores de altíssimo nível e titulares, que foram criados na cantera do clube e que fazem a equipa jogar como que de olhos fechados. Quantos clubes no mundo se podem gabar do mesmo. Humildade sim, pois não andam sempre a pavonear-se como os meninos caros e famosos do Real Madrid, que mais fazem lembrar os antigos galácticos, que poucas vitórias alcançaram, para o milionário valor dos seus passes. O Real Madrid é produto do dinheiro. O Barça é produto daquilo a que se chama semear para depois colher. Mas ainda bem que há muita gente em Portugal a odiar o Braça, tal como fazem com o FCP. É que os vencedores são sempre muito invejados.
De Anonimo a 30 de Abril de 2011 às 16:51
Não concordo absolutamente com nada do que foi escrito aqui. Vou tentar manter a minha contenção e argumentar sobre cada ponto:

1) "Por acaso eu sei sempre o que esperar..."
Não devias publicar esta informação. Tens uma informação que te torna o melhor treinador do mundo.

2) "O Barça defende-se guardando o mais que pode a bola."
Não sei se sabes, o que destinge uma situação de ataque é a posse ou não da bola. Ensinam isto em qualquer escola de futebol.

3) "nunca arriscando um passe a mais de dois metros"
Aqui não preciso de dizer nada. A resposta vai em video: http://www.youtube.com/watch?v=LJhpEL221Hs

De resto, não comento arbitragens. Já enjoa falar disso... E quanto a histórias sobre patrocínios, dinheiros, etc. acho secundário... alias o Real é que compra jogadores para vender camisolas e fazer publicidade (apesar de já não ser tanto assim), por isso...
De xcasd a 2 de Maio de 2011 às 08:01
Grande Video!!
De A. Ferreira a 4 de Maio de 2011 às 18:38
Caro amigo anónimo, tenho que discordar consigo, no vídeo que nos presenteou, não vi um único passe com mais de 20cm, isto no meu ecran de 21"... talvez o senhor tenha visto numa tela gigante (como a da antiga Praça Sony, no Parque das Nações).
(para quem não entendeu, estava ser muito, mas mesmo muito irónico)

Acho imensa graça esta onda de contestação em volta do grande Barça, aqui estarei eu a continuar a torcer pelo blaugrana por muitos anos e a assitir se para o ano (ou dois) estes madrilistas desde pequeninos, não estarão a torcer pelo novo clube do Mourinho!

Para mim o Mourinho é o melhor treinador do mundo, facto!
Como o Casillas é o melhor guarda-redes do mundo, outro facto!
O Ricardo Carvalho é de facto o melhor defesa central do mundo, outro facto!
O C.Ronaldo é um dos melhores jogadores do mundo, outro facto!
Admiro todos estes excelentes jogadores (em especial os portugueses) e treinador, mas daí a andar a torcer por clubes dependente dos contratos de jogadores e treinador... vai uma grande distância!

Ao autor, parabéns pela post, mas também poderia inumerar tantos factos como o senhor em desfavor do Real Madrid... prefiro não fazê-lo e penso que esta sua irritação pelo Barça até é uma dor saudável, quem me dera odiar os meus adversários do nosso campeonato, por jogarem brilhantemente como o Barça!

Comentar post

Autores

Pesquisar

Últimos posts

Contra nós temos os dias

Do desprezo pela história...

É urgente grandolar o cor...

Metafísica do Metro

A Revolução da Esperança

Autores do Condomínio

Hipocondria dos afectos

A família ama Duvall

Notícias do apocalipse

Meia idade comparado com ...

Arquivo

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

tags

todas as tags

Subscrever