Segunda-feira, 25 de Abril de 2011

Moda

 

Fico sempre muito incomodado quando oiço que Milão, Nova York ou outra cidade que tal é a capital da moda.

Estas gentes não sabem do que falam. Em primeiro lugar, olham para a moda como se esse fenómeno se pudesse reduzir aos trapinhos que meia dúzia de tipos nos convencem a vestir ou àqueles desfiles de mocinhas alimentadas a folhas de alface com tofu e rapazes que deviam ter vergonha de andar naqueles preparos e que fazem as mulheres olharem para os seus maridos com um ar entre o enojado e o homicida. Depois, esquecem-se do mais importante, ninguém leva a moda tão a sério como os portugueses. Todas as modas. A moda em Portugal é como a crise: embrenhamo-nos de tal maneira na coisa que já não somos capazes de viver sem ela. E não é de agora.

 

Aqui há uns anos, na moda dos anoraks, vulgo Kispos, que deixavam um cidadão magrinho transformado num verdadeiro badocha, as ruas pareciam um anúncio permanente a uma famosa empresa de pneus. E quando estavam na moda as calças de ganga justas? A malta levava aquilo tão a sério que se aquela moda durasse mais tempo a raça lusa corria sérios riscos de extinção. Aliás, tenho para mim que a razão da rapaziada que anda agora pelos quarenta anos ter procriado tão pouco tem a ver com a temporada a que sujeitou determinadas partes do corpo a tão violento apertão.  

E nós não nos limitamos a vestir ou a calçar o que a moda dita. Somos mais sofisticados que isso. Um português sai de casa com o seu pullover vestido. O dia põe-se mais quente e tira-se o dito adereço têxtil: onde colocá-lo? Ah pois, esta importante questão não é assim deixada ao Deus dará. Quando eu era adolescente punha-se à cintura, quando ia ali pelos vinte passou-se a usar pendurado ao pescoço e agora é colocado por cima de um dos ombros num equilíbrio instável.

 

Mas, claro está, isto da roupa é coisa pouca para mostrar a nossa verdadeira paixão pela moda. E as minhocas? É que nós já tivemos a moda dum adubo milagroso à base de minhocas vitaminadas. Dum dia para o outro não havia lusitano com meia dúzia de cobres no banco que não estivesse disposto a investir neste negócio. E os Kiwis? Houve uma altura em que se arrancou tudo o que era árvore para fazer plantações dessa fruta que só de olhar para ela se fica com cólicas. E lojas dos trezentos? Havia rua que não tinha outra loja que não fosse uma dessas. E acções? Era ouvir os comentários dos taxistas sobre cash-flows descontados, retornos do investimento e afins. Férias? Mas, há português de classe média que não tenha estado no Nordeste brasileiro?

Esta febre da moda em Portugal é tão intensa que até o Estado sente obrigação de não desconsiderar o vulgar cidadão e segue-lhe os passos. Só isso pode explicar a febre de construir auto-estradas. Havia necessidade de fazer meia dúzia delas, mas o Estado tomou-lhe o gosto e quando se deu por ela não havia logradouro que não fosse servido por uma auto-pista de três faixas.

Agora que precisamos tanto de exportar, devíamos montar umas escolas para explicar a esses estrangeiros que têm a mania que percebem disto como é que se faz. Uns amadores esses tipos.

 

publicado por Pedro Marques Lopes às 23:17
link do post | comentar
1 comentário:
De Isa a 27 de Abril de 2011 às 00:52
:D
As calças justas voltaram à moda e os pullovers de bico também. lamento desapontá-lo, caro PML, mas vc está na moda :P

Comentar post

Autores

Pesquisar

Últimos posts

Contra nós temos os dias

Do desprezo pela história...

É urgente grandolar o cor...

Metafísica do Metro

A Revolução da Esperança

Autores do Condomínio

Hipocondria dos afectos

A família ama Duvall

Notícias do apocalipse

Meia idade comparado com ...

Arquivo

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

tags

todas as tags

Subscrever