Sexta-feira, 22 de Abril de 2011

Chuva miudinha

 

Nesta manhã de sexta-feira santa, molhada por uma chuva pequenina, como aquela que muitas vez cai na minha terra, recordo-me da Páscoa nas Furnas, ilha de São Miguel, Açores. Íamos - os meus avós, eu e a minha irmã - para o Hotel Terra Nostra e aí ficávamos durante uns dias, a passear pelo parque e a conversar e a jogar damas com os rapazes e raparigas da nossa idade, alguns deles amigos que ficaram para a vida. Também havia vagas e desajeitadas partidas de ténis no campo junto ao Casino, muitas delas interrompidas pela meteorologia. E, naturalmente, almoços e jantares no restaurante do hotel - cada família na sua mesa, acenando e sorrindo quando chegava, despedindo-se quando regressava aos quartos. Tempo ordenado e familiar esse, como o vale das Furnas onde respirávamos.

 

Chove, chove uma chuva miudinha e açoriana em Lisboa, a convidar à memória. E eu lembro-me desses tempos, desses rostos, desses gestos. E escrevo sobre isso, possivemente para me abrigar da saudade. Hoje, se estivesse em São Miguel, se não estivesse em Lisboa, prestes a seguir para a Galiza, à procura das raízes do Fernando Assis Pacheco, iria, creio, às Furnas almoçar. Gostava que os meus filhos fossem. Para conhecerem esse ritual que ainda hoje existe, praticado pelas mesmas famílias, pelos mesmos acenos, mais velhos mas ainda persistentes como os bons rituais. Para, sobretudo, celebrarem os bisavós e eu lhes poder reproduzir algumas das histórias que, à mesa, o meu avô nos contava, repetidas vezes, da sua infância em Belém - mesmo que eles ainda não as percebam há-de ficar qualquer coisa.

 

Que Furnas haverá no futuro, quando eu for avô, se é que lá chegarei? Que lugares abrigados do ruído do mundo, ora com chuva miudinha ora atravessados por um sol franco e primaveril, existirão para se ser convenientemente avô e poder levar os netos nas férias da Páscoa? Territórios onde se suspendem afazeres e noticiários e se pode apenas estar com os nossos, como se não houvesse mais nada, mesmo mais nada, para além disso.

publicado por Nuno Costa Santos às 10:11
link do post | comentar

Autores

Pesquisar

Últimos posts

Contra nós temos os dias

Do desprezo pela história...

É urgente grandolar o cor...

Metafísica do Metro

A Revolução da Esperança

Autores do Condomínio

Hipocondria dos afectos

A família ama Duvall

Notícias do apocalipse

Meia idade comparado com ...

Arquivo

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

tags

todas as tags

Subscrever