Segunda-feira, 18 de Abril de 2011

E é assim

 

 

Não gosto da bandeira nacional. Aquela coisa horrível verde e vermelha com aquela confusão de castelinhos e esferas e o caraças será muito apropriada para um desses novos países desenhados a regra e esquadro por um qualquer paspalho armado em construtor de nações, mas não é suficientemente digna duma gente antiga, com todos os defeitos e qualidades de quem já viu muito mundo. As bandeiras antigas eram mais bonitas, mas também tinham aquela coisa dos castelitos e tal. Também não estavam à altura. Chegava bem o azul e branco, velhinho de gerações e gerações, sem berloques.

Quanto mais cores e símbolos tiver uma bandeira, menos recortada é a fronteira desse país. Os novos países usam aquela confusão de referências para substituírem a história que não têm. Cada milímetro de mapa para dentro ou para fora do país vizinho tem uma luta, um casamento, uma desfeita de honra por trás. Quem não tem história inventa-a, já se sabe, e é por isso que vemos sacholas, metralhadoras e coisas que tais nas bandeiras dessas crianças da História. A grossura dos livros de História dos países é inversamente proporcional ao número de cores e bonecos das suas bandeiras.

 

Verdade seja dita, nunca tivemos muito jeito para essa coisa de bandeiras, hinos e símbolos que tais. Dos hinos, então, nem vale a pena falar (seguem-se mais umas centenas de caracteres). Ele é gajas histéricas, de pistolas à cinta, doidas por matar Cabrais só pelo velho António Bernardo querer pôr os mortos em cemitérios em vez dos deixar a apodrecer por debaixo do lajedo das igrejas; ele é marchar, marchar, contra balas de canhão, assim uma espécie de lá vamos cantando e rindo levados, levados sim, para a morte certa.

 

A generalização ia começar agora e a graçola já estava preparada. Pegava nestas duas pérolas, dizia que não temos jeito para pôr músicas nas letras, nem letras nas músicas e rematava em grande estilo contando a historieta do lusitano do Domínio dos Deuses. O tal que não sabia cantar, mas sabia dizer uns poemas muito jeitosos. O apelo final seria: o hino passava a não ter música e cada vez que a selecção jogasse dizíamos um soneto qualquer.

Para mal dos meus pecados, o meu filho Domingos, depois dum pequeno incidente familiar concluído com a quebra duma estante e no amarfanhamento dum poster dos Joy Division, chega, revoltado, à sala e põe a tocar o disco que estava na aparelhagem. Ora porra, a Travessia do Deserto do José Mário Branco.

Foi-se a crónica, ficou isto. 

 

publicado por Pedro Marques Lopes às 23:29
link do post | comentar

Autores

Pesquisar

Últimos posts

Contra nós temos os dias

Do desprezo pela história...

É urgente grandolar o cor...

Metafísica do Metro

A Revolução da Esperança

Autores do Condomínio

Hipocondria dos afectos

A família ama Duvall

Notícias do apocalipse

Meia idade comparado com ...

Arquivo

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

tags

todas as tags

Subscrever