Segunda-feira, 18 de Abril de 2011

dependent on sunday

Sei de quem não suporte domingos. Não suporte o silêncio, o vazio, a solidão dos domingos. Gostava de pensar como essa gente activa, sequiosa de acontecimentos, mas não poderia estar mais longe dela. Tenho pelos domingos o mesmo afecto de uma criança feliz por não ter escola. Não cresci nem um bocadinho.

Em tempos, o domingo era o dia da missa. Do almoço e do passeio de família. Da roupa boa que se comprava e guardava para usar, especificamente naquele dia – a roupa de domingo. Hoje, é o dia do pijama, do roupão e das pantufas; do chinelo e da roupa de ontem. E essa revolução indumentária diz quase tudo o que há a saber sobre a forma como mudámos colectivamente de vida.

Sacrificámos tudo ao que se passa da porta de casa para fora. A roupa boa, o tempo, a energia, são empenhados em semanas de trabalho e compromissos de agenda; para nós, para nós mesmos, a nossa casa, o nosso tempo, as nossas pessoas, a nossa solidão, deixámos os restos.

Morto Deus e moribunda a família, ficámos com o domingo livre – um drama aterrador para quem, sem horários de trabalho e entradas de agenda, perde o sentido de existir. Sem ruído, sem a ilusão de que se caminha para qualquer lado, o domingo descobre cruelmente a nossa falta de planos para a vida.

O paradoxo é evidente. A nossa liberdade deveria correr livremente pelo campo aberto dos domingos. Aí deveria florescer tudo quanto queremos ver, ouvir, construir, as conversas que queremos ter, com quem queremos ter, os sítios, as canções, os rituais, os reencontros, as descobertas, todos os empreendimentos pessoais, o simples perder de tempo, se é tempo que queremos perder, languidamente estendidos no sofá, no mar ou esplanadando por aí. Se isso não acontece, não há nenhum problema com os domingos; há um problema connosco.

Um dia, haveremos de ir trabalhar com a roupa de ontem e vestir-nos de gala para brincar com as crianças e os gatos. Faremos zapping de smoking. Poremos perfume para que o tempo se demore ao passar por nós.

publicado por Alexandre Borges às 07:20
link do post | comentar
9 comentários:
De wannabe a 18 de Abril de 2011 às 11:20
Dei comigo várias vezes a pensar de como gosto dos domingos... só não sabia exactamente porquê! :) Excelente, como sempre.
De rita maria a 18 de Abril de 2011 às 14:01
Tudo verdade e muito bem observado mas eu, da minha parte, só gosto de domingos desde que deixei de ir à missa.
De Alexandre Borges a 18 de Abril de 2011 às 21:31
E eu nada tenho contra. Acho óptimo sintoma. Um abraço e obrigado.
De manuela a 18 de Abril de 2011 às 14:59
ah, como eu gosto dos domingos todos os dias...!
De cecilia simoes a 18 de Abril de 2011 às 17:16
Genial.
De Nina a 18 de Abril de 2011 às 17:54
Obrigada finalmente alguém me faz repensar o ódio aos domingos e a melancolia que sempre sinto nesse dia.
De Alexandre Borges a 18 de Abril de 2011 às 21:32
Obrigado a todos. Assim também gosto de segundas-feiras.
De Sílvia a 19 de Abril de 2011 às 09:30
E de terças também. Bom texto, com sabor a sexta à noite (...não gosto de domingos). :)
De Isa a 19 de Abril de 2011 às 02:42
"Roupa de ontem", total! :)

Comentar post

Autores

Pesquisar

Últimos posts

Contra nós temos os dias

Do desprezo pela história...

É urgente grandolar o cor...

Metafísica do Metro

A Revolução da Esperança

Autores do Condomínio

Hipocondria dos afectos

A família ama Duvall

Notícias do apocalipse

Meia idade comparado com ...

Arquivo

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

tags

todas as tags

Subscrever