Domingo, 17 de Abril de 2011

A marcha dos desiludidos

Crónica breve, esta, que para mim o tempo é de reflexão sobre coisas maiores. De Morte e Ressurreição, de Cruz e Vida. Tenho a sorte de, desde há anos para cá, a Semana Santa significar bastante mais do que invasões de espanhóis sequiosos de sol e preços baixos. Mas como não tenho qualquer vocação proselitista, deixarei a cada um a forma de viver estes dias e opto, com a vossa licença, por espreitar para o mundinho.

E o que se vê, da nossa janela? Coros de indignação, revolta folclórica, declarações de políticos e notáveis da nação em modo stand up comedy. Exactamente: Fernando Nobre, por exemplo. A sua afirmação explosiva de que só lhe interessa ser presidente da Assembleia da Republica entra directamente no top do anedotário nacional. Mas pior é quem o convidou, porque os precedentes eram tão evidentes que doíam: Nobre  conseguiu o espantoso feito de desbaratar a sua credibilidade adquirida à custa de obra feita através de raciocínios e argumentos da mais luminosa estupidez. As perguntas do género 'Já alguma vez viu uma criança morrer nos seus braços?' e o consequente argumentário 'Eu já' davam a perceber tudo o que o homem era. Uma nulidade política. Agora sabemos que é também vaidoso, o que não seria problema noutra pessoa que não apregoasse a humildade.

Mas o que descubro de mais espantoso é que, apesar de tudo, existem os 'desiludidos' de Fernando Nobre. O que significa que, em alguma altura das suas vidas, terão sido 'iludidos' pelo dito cavalheiro. Andam na rua, escrevem nos jornais, lamentam-se nas esquinas e cafés. Mas que país é este em que eu vivo em que tanta gente se deixa iludir assim? Ah, já sei: os mesmos que se deixaram 'iludir' por José Sócrates e votaram nele. Curiosamente, muitos dos que votaram Fernando Nobre, 'desiludidos' com Sócrates.

Ainda teria espaço para falar sobre o ilustre bastonário dos Advogados, dr.Marinho Pinto, que sugere uma original 'greve à democracia'  ou o extraordinário Otelo que se vê pela conjuntura do país autorizado a dizer atoardas que o levem a voltar a sonhar com o que sonhou no PREC. Mas estou cansado. Apenas não entendo como ainda pensam que o louco é o Futre.

A minha semana vai continuar a ser de oração e de busca interior, até ao Domingo de Páscoa. Mas este ano tenho uma outra intenção por que rezar: o final definitivo das ilusões e dos iludidos. 

publicado por Nuno Miguel Guedes às 18:13
link do post | comentar

Autores

Pesquisar

Últimos posts

Contra nós temos os dias

Do desprezo pela história...

É urgente grandolar o cor...

Metafísica do Metro

A Revolução da Esperança

Autores do Condomínio

Hipocondria dos afectos

A família ama Duvall

Notícias do apocalipse

Meia idade comparado com ...

Arquivo

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

tags

todas as tags

Subscrever