Sexta-feira, 8 de Abril de 2011

Vou emigrar para Portugal

Ouço cada vez mais gente a querer emigrar. Percebo a urgência. Concordo com as pessoas. Acho que se tornou urgente emigrar. Eu próprio quero emigrar para uma nação da qual tenho recebido as melhores referências. Diz que, além da cultura, da História, do tempo, das comidas e de outras matérias igualmente importantes, tem gente de qualidade, com vontade de arregaçar as mangas onde elas devem começar por ser arregaçadas: nos bairros, nos pequenos redutos onde se fortalece a têmpera de um povo. Que é como quem diz nos quotidianos de cada um, sejam estes marceneiros, gestores de empresas ou economistas versados em tragedês.

 

Fartei-me de viver num condomínio novo-rico, dominado por um espírito arrivista, onde o bom é fazer "em grande" por fazer "em grande". Cansei-me de habitar num sítio onde o desgraçadismo  faz escola em grande escala - do café ao jornal de grande circulação - e onde os demónios são sempre os outros. Quero, sim, quero deixar uma terra viciada na palavrinha "eles" e trocá-la por outra que usa um bocadinho mais o termo "nós". Isso: que se responsabiliza pelos seus gestos, da condução da motoreta ao voto.

 

Estou entusiasmadíssimo. Tenho lido coisas extraordinárias sobre esse território para onde quero emigrar. É um lugar sem ressentimentos de maior, onde se distribuem facilmente elogios a quem os merece. Onde os homens e mulheres começam por cuidar do seu jardim para depois atenderem à floresta de todos. Onde os mais velhos não são abandonados nos seus quartos andares sem elevador. Onde os primeiros ministros assumem as suas culpas no cartório das dívidas e da má gestão. Onde há personalidades várias capazes de tirar algum do seu rendimento para financiar bolsas e outras iniciativas do género. Onde o ruído mediático em que se vive não é suficiente para apagar o sentido de discernimento de quem consome informação. Onde as pessoas não adiam - fazem. Onde há comprometimento - não a conversa do "deixa só passar esta fase".

 

Hoje de manhã foi a gota de água: vi um automobilista a dizer a um pedinte deficiente para ir dar uma volta.

 

Decidi: eu não quero mais viver aqui. Vou emigrar para o meu país.

publicado por Nuno Costa Santos às 16:07
link do post | comentar

Autores

Pesquisar

Últimos posts

Contra nós temos os dias

Do desprezo pela história...

É urgente grandolar o cor...

Metafísica do Metro

A Revolução da Esperança

Autores do Condomínio

Hipocondria dos afectos

A família ama Duvall

Notícias do apocalipse

Meia idade comparado com ...

Arquivo

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

tags

todas as tags

Subscrever