Quinta-feira, 31 de Março de 2011

Deus é uma ligação sem fios

À conta de circunstâncias extremas que o pudor me impede de revelar (a modos que mudei de casa), estive três semanas sem net nem têvê. Eu sei, eu sei, é muito bonito estar sem net e sem têvê, pensem só no tempo que sobra para os livros, os amigos, os filhos, a luta pelo ambiente, a c*na da tia.

Mas para ser sincero só leio merdas com figurinhas, não tenho tempo para mais que os meus três amigos, o meu filho é uma peste, o ambiente anda um coche fodido desde há uns milhares de anos e a c*na da tia não me apetece. Manias.

De modos que o que me aconteceu nas últimas três semanas tornou-se uma espécie de estudo de caso. Toda a ilusão que poderia ter acerca dos benefícios de viver sem tv esvaíram-se como o apoio dos reaccionários de direita à administração Bush depois de se descobrir que afinal não havia armas químicas no Iraque. (Espera, há qualquer coisa de errado neste exemplo. Não podem ser os reaccionários de direita, que são gente intelectualmente honesta. Sei disso porque o Pacheco Pereira disse bem de mim na tv, antes de eu ficar sem tv. E eu nunca gozaria com um badocha que disse bem de mim.)

Quando este massacre acabou eu tinha perdido toda a capacidade de comunicar com os restantes seres humanos, isto é: aquela parte ínfima, nanoinfinitesimal de sociabilidade que me restava foi-se à vida e bordejei a insânia.

Os meus amigos têm de si a imagem de intelectuais que vêm filmes inacessíveis, têm dados do INE na ponta da mesma língua que recita poesia e sabem onde se come as melhores patas de formiga de todo o Oriente. Eu não me afasto muito deste universo, ou seja, não sou ninguém sem poder ver o House e não consigo passar sem a minha dose de Gossip Girl, uma série que leva ao absurdo a ideia de vazio.

(Tenho cerca de 50 mil palavras preparadas em que defendo metafisicamente o Gossip Girl, mas resumamos a coisa assim: já toparam bem aquela loira?)

Adormecer no sofá com baba a correr no queixo depois de um episódio do Lie to Me seguido de um festival de três horas de NBA e acordar duas horas depois para atender os pedidos de um garoto mimado que com um ano e meio ainda não se levanta e prepara o seu próprio biberôn, isto é – na minha humildíssima opinião – o mais próximo que um homem pode estar do civismo.

E o que me aconteceu nestas três semanas? Praticamente desci ao nível de vagabundo (sem-abrigo): dei por mim a cirandar por cafés, de ar alienado, a fazer o sinal da conta quando queria pedir mais um bica. Quando entrava num quiosque para comprar A Bola ficava por ali, em lágrimas, a folhear a Tv Guia – e por duas ou três vezes fui convidado a sair do estabelecimento. Desesperado, procurei refúgio na droga – mas entrei num bordel por engano. E não tinha dinheiro, porque não tinha net para trabalhar.

Digo-vos: sim, sim, a tv é muito perigosa, traz informação pouco fidedigna, está ao serviço do governo, do capital, desune a família, já não se fala às refeições, não se sabe quais os trabalhos de casa dos meninos, a net tem pornografia, meu Deus, o que será das nossas criancinhas se se meterem na pornografia, ainda acabam como os pais.

Mas a verdade, não bem a verdade, mas uma coisa amanhada às três pancadas que eu faço passar por verdade porque me dá jeito (visto ser um preguiçoso boçal que inventa teorias baseado em factos inexistentes, o que me habilita a escrever na imprensa), a verdade é que a tv e a net são a nossa âncora, os instrumentos que diariamente usamos para esquecer as pessoas que no dia seguinte vamos voltar a ter vontade de assassinar.

Mas como à excepção dos sportinguistas quem sofre tem direito a uma prendinha, no dia em que a net e a tv voltaram (primeiro abracei-as, depois disse que lhes perdoava terem-me abandonado), liguei-as (chamando-lhes fofinhas enquanto afagava o router) e, ai milagre, estava a começar um episódio novo do House seguido de um episódio igualmente novo do Lie to Me.

Não peço a Deus que entre em minha casa nem que me dê um sinal. Só peço à Zon que não me corte a ligação.

publicado por João Bonifácio às 23:35
link do post | comentar

Autores

Pesquisar

Últimos posts

Contra nós temos os dias

Do desprezo pela história...

É urgente grandolar o cor...

Metafísica do Metro

A Revolução da Esperança

Autores do Condomínio

Hipocondria dos afectos

A família ama Duvall

Notícias do apocalipse

Meia idade comparado com ...

Arquivo

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

tags

todas as tags

Subscrever