Terça-feira, 29 de Março de 2011

Provinciano, essa é que essa

Nova York é muito giro. Tem lojas do melhor que há, restaurantes fantásticos, grandes concertos a cada hora, museus de ficar com a cara à banda, ainda hoje jantei com a Pedro Abrunhosa japo-americana – não sei se ela percebeu que estava a jantar comigo. É porreiro, bestial mesmo. Também faz muito bem à saúde porque se faz muito exercício. Um tipo anda, anda, anda, e não custa nada porque, enquanto se apanha o frio mais roxo do mundo, vêem-se coisas do diabo mais velho: prédios, mamelucos, tolinhos a prometer o fim do mundo, gajos a vender noggats, outros a impingir cachorros quentes, táxis amarelos, gajas doidas com as pernas ao léu, homossexuais e assim. Nada a ver com Lisboa.

E a energia? Uiiii, a energia. A energia é tanta que um cidadão quase que consegue acender uma lâmpada quando chega ao hotel – ou é isso ou é o sítio onde estou que dá choques por todo o lado.

 

Eu esforço-me, juro que me esforço. Saio sempre de Lisboa cheio de vontade. Digo aquelas bacoradas do costume “vou fugir desta merda”, “um banho de cultura, pá”. A minha mulher faz a lista dos sítios onde temos mesmo, mesmo, de ir, anuncio a minha chegada aos indígenas e lá vou eu.

Adoro chegar ao destino, o pior é ficar. É que tenho de fazer imensas coisas. E quanto maior é a cidade, mais coisas há para ver, para rever, para comer, para isto e para aquilo. O cidadão pode ficar a preguiçar, mas depois fica com a consciência pesada: “então gasto uma fortuna e depois fico para aqui no hotel ou num café a beber uma gasosa?”  Este stress mata-me.

 

Não é que não goste das cidades onde vou, gosto de quase todas – tirar Índias, Chinas e que tais -, mas sinto-me sempre como se estivesse a ver um filme em fast forward.  Mesmo quando decido apenas sentar-me numa praça e ver o mundo passar durante horas, dias a fio não é a mesma coisa do que fazê-lo na minha cidade. Eu sei, eu sei, é a mesma gente, com as mesmas angústias, desejos e receios mas o cenário não é o mesmo. A encenação diferente faz a peça diferente, e eu não percebo aquelas marcações de palco, aqueles adereços. Dessem-me mais tempo e eu até acho que era capaz de alcançar, mas não tenho. Não tenho anos, décadas para ser desse local e é esse o tempo de que preciso.

 

Amanhã regresso. É essa a minha casa, e é a única que, apesar de com muita dificuldade, vou entendendo.  Hei-de voltar a estas cidades que elogiarei e falarei com muita propriedade, mas não tenho nada a ver com elas, nem nunca terei. Vou continuar a perder tempo, que não tenho, a viajar para mais esta e aquela.

Quando perceber porquê, digo-vos.  Entretanto, tenho para mim que sou só um provinciano envergonhado.

publicado por Pedro Marques Lopes às 03:52
link do post
2 comentários:
De Anónimo a 30 de Março de 2011 às 12:34
Sorry. No talent.
De Anónimo a 30 de Março de 2011 às 12:45
Despenhou-se das alturas. As asas que imaginou ter derreteram...

Comentar post

Autores

Pesquisar

Últimos posts

Contra nós temos os dias

Do desprezo pela história...

É urgente grandolar o cor...

Metafísica do Metro

A Revolução da Esperança

Autores do Condomínio

Hipocondria dos afectos

A família ama Duvall

Notícias do apocalipse

Meia idade comparado com ...

Arquivo

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

tags

todas as tags

Subscrever