Segunda-feira, 28 de Março de 2011

a chuva e os conservadores

A chuva de Abril reconcilia um conservador com a sua consciência.

Anos de conversas de café que terminaram com dedos em riste, acusando “Tu és mas é um conservador, pá!” como quem aponta a reincidência despudorada num pecado capital, podem fazer-nos fraquejar. A inefável crise arrisca amaciar-nos o coração e puxar-nos da nostalgia revolucionária da adolescência. A ânsia de que governos, constituições e tratados nos deixem trabalhar em paz, obriga-nos a debitar slogans liberais. Mas, ao cair da noite, armado de roupão e pantufas, livros e cigarros, com a chuva a deslizar de modo incerto pela vidraça, um conservador redescobre a verdade visceral de si mesmo.

Vem isto a propósito destes dias de fim de Março, início de Abril, quando chove.

Chove como sempre choveu, como a sabedoria popular sempre disse que choveria, como é esperado que chova. E enquanto alguns blasfemam diante do roupeiro, olham as camisas de manga curta de lágrima no olho e amaldiçoam o guarda-chuva, o conservador conforta-se debaixo do sobretudo e do chapéu, feliz por algumas coisas ainda serem para sempre, estarem no sítio certo, chegarem à hora do costume. Como previsto. (“No alarms and no surprises, please…”)

Há um só tipo de conversa mais inútil do que a que versa sobre o tempo: a que apresenta queixa dele. O conservador pode falar sobre o estado do tempo como qualquer outro ser humano em apuros com a falta de assunto, mas não se queixará da chuva ou do sol, do calor, da humidade ou do frio. Ele sabe – tem de saber – que é inútil. Tem de reconhecer instintivamente o absurdo de despender energias, tempo e latim a protestar contra o que não pode ser mudado. Afinal, a revolta contra as condições meteorológicas é apenas um estado avançado da condição de eterno sindicalista de bancada de que padece muita populaça. Não há um pensamento organizado que a sustente; é um simples acto reflexo de reacção à realidade. Se chove, dizem que já ninguém aguenta. Se não chove, ai que lá vêm os incêndios. Está frio? Coisas que eles andam a fazer lá no espaço. Calor? É da emissão de gases poluentes. Faz sol? Que saudades da serra coberta de neve. Neva? E agora quem é que vai trabalhar?

A revolta gratuita e sempiterna que brada este género de bordão só estaria feliz, talvez, se pudesse passar a vida estendida languidamente ao sol enquanto chovia no resto do mundo. Sabendo da impossibilidade de tal milagre climatérico (e já nem discutindo o altruísmo que lhe subjaz), insiste, ainda assim e todos os anos, em chicotear-nos a paciência com queixumes.

Neste fim de Março, início de Abril, ela está aí, em força, lamentando que chova, como sempre choveu, como sempre lamentou.

O conservador, munido do pacifismo que lhe impede de dar outro uso ao guarda-chuva (um que acabasse com a conversa de vez), apazigua o seu delicado sistema nervoso. Afinal, as lamentações sempre lá estiveram. São parte do mundo que continua a ser o que costumava ser. Como a chuva primaveril e a nostalgia dos grandes verões da infância.

publicado por Alexandre Borges às 15:14
link do post | comentar
9 comentários:
De ICP a 28 de Março de 2011 às 18:18
mas é por isso que este é o país do fado... :)
De Sílvia a 28 de Março de 2011 às 18:54
Não sei se as tinha antes, porque em momento anterior tal questão se não colocou. Não as tenho agora. As palavras, perante o seu texto. A experiência de um momento contemplativo, foi o que aconteceu.
De Sara a 28 de Março de 2011 às 23:32
Muitos parabéns pelo destaque.
De Alexandre Borges a 29 de Março de 2011 às 00:54
Obrigado aos três. Com comentários assim, Sílvia, eu é que fico sem palavras. Um abraço.
De Sílvia a 1 de Abril de 2011 às 23:51
Espero que não fique. (não é...?!)
De Sílvia a 3 de Abril de 2011 às 16:36
Ok. Isso é um sorriso promissor, de que não vai ficar.
Ainda bem. (eheh)
Bom domingo. :)
De Anabela M a 31 de Março de 2011 às 00:05
Só feliz porque voltou
De Isa a 31 de Março de 2011 às 22:59
ebaaaaaaaa

Comentar post

Autores

Pesquisar

Últimos posts

Contra nós temos os dias

Do desprezo pela história...

É urgente grandolar o cor...

Metafísica do Metro

A Revolução da Esperança

Autores do Condomínio

Hipocondria dos afectos

A família ama Duvall

Notícias do apocalipse

Meia idade comparado com ...

Arquivo

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

tags

todas as tags

Subscrever