Sexta-feira, 25 de Março de 2011

A Sinusite Não Passou

 

O quê? Vai fazer dois anos? Sim, vai fazer. E eis que estamos de volta para mais investidas e textos neste blogue dedicado a um género pelo qual continuamos, como hei-de dizer, apaixonados. O programa eleitoral é o mesmo – e, como todo o programa eleitoral, deve ser ignorado. Deixaremos as nossas respirações irregulares quotidianas para as nossas casotas bloguísticas pessoais. Aqui queremos publicar textos pretensamente mais compostinhos. Crónicas. Que, julgando-se prosas entre o efémero e a literatura, são apenas, como sabemos, posts metrossexuais.

 

Voltamos por causa do sindroma “Hoje Escrevo Porque Me Apetece”, para recriar o título da crónica de Drummond que apadrinha este território – e frase que me remete para uma das minhas postagens na anterior encarnação sinusítica, sobre o verbo “apetecer”. Apetece-nos reabrir o estabelecimento, na forma como existia dantes e (basicamente) com o mesmo gang: Rubem Braga, Christopher Hitchens, Enrique Vila-Matas, Nelson Rodrigues, J.M. Coetzee, Javier Marías e Nuno Homem de Sá. Serve?

 

Espero - eu que ainda acredito em utopias – que cada escriba cumpra o objectivo de publicar a sua artigalhada no dia aprazado. Até porque temos um objectivo a atingir: queremos expulsar dos jornais os cronistas no activo, mesmo que sejamos nós próprios. Isto não é para meninos. Humilhem-nos, por favor, se não conseguirmos.

 

O nosso PEC – Plano de Estabilidade pela Crónica – é modesto e relativamente inequívoco. Não queremos enganar ninguém. Estamos aqui para revelar ao mundo, sob a forma cronística, aquilo em que, como toda a gente, nos transformámos nestes anos: seres ainda mais rabugentos e com ainda mais vontade de ser lidos e ouvidos. Por mim, sinto-me como me senti há dias numa visita, depois de um ano de ausências, à alergologista: cheínho de vontade de voltar a cumprir medicamente tudo o que me fará suportar uma asma cada vez mais persistente. Diz que escrever crónicas, essa respiração do espírito, ajuda bastante.

publicado por Nuno Costa Santos às 09:46
link do post | comentar
2 comentários:
De cecilia simões a 25 de Março de 2011 às 12:23
Que boa notícia, espero que continuem com as vossas crónicas lindas.
De Eremita a 25 de Março de 2011 às 16:17
O homem do pullover amarelo "cortou-se"?

Desde que haja maneiras e tratos inéditos, contem-me na freguesia.

Comentar post

Autores

Pesquisar

Últimos posts

Contra nós temos os dias

Do desprezo pela história...

É urgente grandolar o cor...

Metafísica do Metro

A Revolução da Esperança

Autores do Condomínio

Hipocondria dos afectos

A família ama Duvall

Notícias do apocalipse

Meia idade comparado com ...

Arquivo

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

tags

todas as tags

Subscrever