Quinta-feira, 27 de Março de 2008

Não me chamem preguiçoso


Não, não me chamem preguiçoso. A preguiça exige prazer, gozo, deleite. No máximo, tenho uma dessas coisas modernas que aparecem em documentários nocturnos de um canal qualquer do Cabo: um distúrbio da atenção. Preciso de comprimidos, não de palavras generosas. Não, não sou preguiçoso. Isso é coisa boa. Tenho é demasiadas imagens e ideias na cabeça, a maior delas sem muito sentido e consequência, para me lançar a grandes tarefas e epopeias. Demasiadas angústias e outras melancólicas medusas a banharem-se na minha cachimónia para escrever obras com a espessura (e a densidade) dos livros do Rodrigues dos Santos.

Calaceiro. Pachorrento. Calmeirão. Tudo palavras que me inspiram respeito e ternura. Gostava era de ser preguiçoso como os preguiçosos de Cossery. Altivo e superior com eles. Lento – e com orgulho na minha lentidão. Sem qualquer sentimento de culpa no bolso da frente. O preguiçoso genuíno tem a forma de uma rede de descanso – e, pecado maior para todo o participante em fóruns radiofónicos, goza com quem trabalha. Já não se vêem muitas personagens dessas nos cafés. Gente que demora o dia todo para ler uma breve. Que escrevinhava um poema ao ritmo de um verso por mês. Gente que é apanhada a olhar para anteontem enquanto a multidão enfarda bolos de arroz e folhados de salsicha. Hoje há pouca gente apanhada a olhar para anteontem. O que é uma pena.

Um mandrião. Ah, o que eu gostava era de ser um mandrião – a versão malandra e rufia do preguiçoso. Algumas das figuras que mais admiro eram mandriões. O O’Neill, por exemplo, era um mandrião. Pelo menos é a ideia que eu tenho dele - demorando-se em restaurantes e bares, enquanto não vinha o poema ou o trocadilho (se é que vinha, se é que era importante que viesse). O Mário-Henrique Leiria também – o gin tónico, mesmo sob a forma de conto, é para se ir bebendo. Invejo, invejo mesmo gente elegantemente ociosa e calaceira. Não me chamem preguiçoso. Não mereço o elogio. Sou demasiado rápido a mandar SMS’s para isso.
publicado por Nuno Costa Santos às 20:54
link do post | comentar
1 comentário:
De minderico a 28 de Março de 2008 às 03:03
http://www.PNETmulher.pt + http://www.PNEThomem.pt

Comentar post

Autores

Pesquisar

Últimos posts

Contra nós temos os dias

Do desprezo pela história...

É urgente grandolar o cor...

Metafísica do Metro

A Revolução da Esperança

Autores do Condomínio

Hipocondria dos afectos

A família ama Duvall

Notícias do apocalipse

Meia idade comparado com ...

Arquivo

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

tags

todas as tags

Subscrever