Quarta-feira, 8 de Abril de 2009

a posteridade

Consegue levar-se uma vida normal, mas, de vez em quando, há uma recaída. Isto é, a pessoa vive razoavelmente o dia de hoje, mas, de repente, dá por si e já está a pensar nela. Na posteridade. Já foi pior. Já foi melhor. Está cá para a vida.

 

Como é que acontecem os ataques, em concreto? Varia. Ultimamente, há um que é recorrente: dou comigo a olhar para os cantos da casa e a pensar se alguns deles será decente o suficiente para conceder entrevistas. Vejam qualquer depoimento em qualquer documentário. Aliás, para o efeito, basta espreitar o “60 Minutes”: toda a vedeta tem uma estante enfermada de livros. Sobrepostos, justapostos, razoavelmente organizados e desorganizados para dar aquele ar de uso constante. E uma secretária com os livros que se anda a ler e as papeladas e alguns bibelots exóticos de partes remotas do mundo. São provas de vida. Mas toda a gente sabe que, se o plano abrisse, via-se o fim do cenário. Sim, porque aquilo não existe. É um palanque montado, como nas flashinterviews no fim dos jogos. Ou os pódios da Fórnula 1.

 

Sim. Suspeito que, atrás da estante onde o António Barreto dá entrevistas, há uma marquise. E uma mega tela onde é projectada, sem som, a Sport TV 3, atrás da do Eduardo Lourenço.

 

Mas não tenho nada disso. E a angústia consome-me. Que é que eu faço quando, um dia destes, a qualquer momento, a imprensa começar a ligar para a espiral de entrevistas? As minhas estantes mal enchem o plano. O louceiro é demasiado baixo. Os gatos estariam sempre a passar diante do meu ar grave, a meio de uma citação de Rawls.

 

Depois, há o problema do computador. Como é que é quando um tipo morrer? Quando vierem caçar à viúva o espólio de inéditos? Levam-me a máquina e descobrem, na pasta ao lado dos poemas dedicados à Maria das Dores, no 7º ano, os vídeos da Jenna Jameson? Vão em busca do romance inédito e esbarram nas fotos do artista em pijama de estrunfes? Que deve um homem fazer? Apagar já tudo? E se eles nunca pedem os inéditos? E se um gajo demora a morrer? Tem de suportar o absurdo da vida sem estrunfes nem Jenna Jameson? Como?

 

Depois, há a questão dos amigos e conhecidos. Isto é muito importante. Depois de um tipo bater a bota, são eles que vão falar dele. Vão ser convidados para programas e conferências e botar faladura e nós não estaremos lá para fazer a defesa. Que se deve fazer, hoje, enquanto é tempo? Tratá-los bem, claro. Estudar umas frases boas para lançar para a mesa que eles possam citar depois. Ter um ou outro pequeno gesto heróico que eles possam contar, mais tarde, à Maria João Avillez. Agora, é bom que os cabrões tenham boa memória. Mas isso já não está nas nossas  mãos…

 

Depois, isto passa. Vejo os meus gatos a brincar com joaninhas, trocam-me o nome com o da Alexandra Borges e telefonam-me da imprensa a pedir o número de telefone doutro gajo e fico porreiro.

 

Porreiro, sim. Que é para, um dia, não irem para os documentários dizer que eu era um arrogante insuportável.

publicado por Alexandre Borges às 13:16
link do post | comentar
5 comentários:
De Isa a 8 de Abril de 2009 às 14:11
eu diria que tu escreves umas crónicas fantásticas, com muito sentido de humor. era isso que eu diria.
Obrigada por mais um óptimo exemplar do que é escrever com muita graça.
Bjs
De Como criar um blog a 28 de Julho de 2009 às 12:06
Pois ... quando vasculhamos o PC dos outros descobrimos o que não queremos ver ou o que os outros são na verdade ! Eu também tenho umas pastas/videos menos próprios, pois não sou diferente dos outros.
De Primeiro Google a 7 de Janeiro de 2010 às 18:58
A nossa vida já está toda documentada na net, em blogs, facebooks e twitters, não é preciso procurar muito!
De Womenage a 12 de Janeiro de 2010 às 11:50
O melhor é emigrar ... para Marte
De grande pene a 24 de Agosto de 2010 às 14:10
Olá, estou a estudar Português e eu aconteceram em seu blog que bom!

Comentar post

Autores

Pesquisar

Últimos posts

Contra nós temos os dias

Do desprezo pela história...

É urgente grandolar o cor...

Metafísica do Metro

A Revolução da Esperança

Autores do Condomínio

Hipocondria dos afectos

A família ama Duvall

Notícias do apocalipse

Meia idade comparado com ...

Arquivo

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

tags

todas as tags

Subscrever