Quarta-feira, 18 de Março de 2009

o amor do ponto de vista da abep

A pessoa com quem vivemos foi, frequentemente, o nosso melhor público. No início mitológico de cada relação, o outro ri-se de todas as nossas piadas, acha violentamente interessantes todas as nossas observações, quer saber tudo sobre o que fazemos e acompanhar de perto cada novidade. Depois, isso passa. É natural. Mas faz espécie – passe o palavreado técnico – que, um belo dia, a contraparte se torne o exacto oposto do que fora outrora, isto é, passe de maior fã da nossa arte a público mais difícil de todos. Ou seja, um tipo começa a namorar com o arraial de Alfama e dá por si a acordar com o grande auditório da Gulbenkian.

 

Nem sempre acontece. Há casos – não sei se motivados por alguma doença – de velhinhas que continuam a gargalhar em decibéis desaconselháveis ao tímpano humano a cada graçola batida atirada pelo seu velho homem. É um acontecimento muito terno, mas com o seu quê de insuportável.

 

O que mais se dá, pois, é a mariocastrinização da/do companheira(o). Toda a gente ri das nossas façanhas, ela olha as horas. Seguem suspensos as nossas aventuras épicas no escritório, ela boceja. Desconhecidos rasgam elogios a um pedaço de carpintaria ou literatura que tenhamos produzido, ela aponta, fria e sadicamente, todas as imperfeições que parece considerar por demais evidentes.

 

São paragens menos turísticas do amor, mas estão lá. Descobrimo-las quando vamos para lá viver, quando passamos de estrangeiros em visita a emigrantes com visto permanente.

 

E, no fundo, só queria pensar nisto: um tipo, se vive em Roma, deixa rapidamente de admirar o Coliseu. O Coliseu, por mais extraordinário que seja, tornar-se-á a sua paisagem habitual, o seu fim da rua a caminho do trabalho, ao final do dia, parte rotineira do cansaço e do tédio. Está lá como está o Pingo Doce da nossa rua, a casa decrépita, a vitrine da loja de loiças para casa de banho. O espanto, o maravilhamento, não foi feito para os dias, mas para um momento triunfal das nossas vidas. Mas, com paciência e realismo, numa manhã qualquer, o Coliseu voltará a revelar-se em toda a sua grandeza. E o tipo que lá vive ao pé voltará a deslumbrar-se e a sentir-se abençoado.

 

Não que nós sejamos o Coliseu. Mas há uma incompletude que temos em comum.

publicado por Alexandre Borges às 00:18
link do post | comentar
7 comentários:
De rita maria a 18 de Março de 2009 às 07:57
A "a mariocastrinização da/do companheira(o)" é demasiado divertido para ser verdade...
De Brunhild a 18 de Março de 2009 às 10:01
Também gostei da... "um tipo começa a namorar com o arraial de Alfama e dá por si a acordar com o grande auditório da Gulbenkian". Muito bom!
De wannabe a 18 de Março de 2009 às 12:44
e se calhar, sempre foi evidente mas escondido "o grande auditório da Gulbenkian" :)
De Nuno Miguel Guedes a 18 de Março de 2009 às 18:33
Ouch. Muito, muito bom.

(não tens aí um rascunho que me emprestes para por aqui domingo, não?)
De Alexandre Borges a 18 de Março de 2009 às 23:47
Vê-se bem que não vivem comigo há uma data de anos… Muito obrigado. Abraços!
De Daniel Reis a 19 de Março de 2009 às 00:38
O texto está excelente!

Um dia qualquer, espero também acordar e ser maravilhado "ex novo" por um monumento ou uma deusa grega que por aí surja.
Até lá é ir sorrindo para a rotina e canseira do dia a dia.
De POC a 25 de Março de 2009 às 23:34
Muito bom! E quem não o sente na pele... Inevitavelmente acaba por acontecer, mesmo com quem pareça quem tem "tudo".

Comentar post

Autores

Pesquisar

Últimos posts

Contra nós temos os dias

Do desprezo pela história...

É urgente grandolar o cor...

Metafísica do Metro

A Revolução da Esperança

Autores do Condomínio

Hipocondria dos afectos

A família ama Duvall

Notícias do apocalipse

Meia idade comparado com ...

Arquivo

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

tags

todas as tags

Subscrever