Terça-feira, 10 de Março de 2009

onde se fala sobre darwin, bidés e escritórios

Darwin foi esperto. Houve tipos que se esfolaram a trabalhar em coisas datadas como dobrar o Cabo das Tormentas, inventar o telex, desenvolver a gloriosa passarola voadora; descobrir, literalmente, a pólvora. Foram grandes um instante e, depois, abandonados ao esquecimento logo que alguém inventou coisas melhores ou caminhos mais rápidos para chegar ao mesmo sítio. Darwin não. Darwin pensou numa coisa à la longue – que é uma expressão muito bonita que, além do mais, deu para refrão de imensas canções reggae – a teoria da selecção natural das espécies. Nunca vai sair de moda, nunca estará desactualizada. Pelo contrário: quanto mais as coisas mudarem, mais ele estará certo. Concentrou-se no movimento e não na coisa. De cada vez que entro numa casa de banho com bidé, por exemplo, penso em Darwin. Não é a imagem mais bonita de sempre, bem sei, mas ele estava a pedi-las  (há dias, graças à exposição da Gulbenkian e uma capa do Público, descobri que Darwin, afinal, era o gémeo prematuro do Beck, mas isso são contas de outro rosário). O bidé fraquejou, não se adaptou às circunstâncias, e salvo honrosas excepções em casas com outros detalhes tão caros ao design como marquises e cães de loiça, sucumbiu à evolução.

 

Uma outra espécie que tem de estar para cair a qualquer momento é o escritório. A mania do escritório, do local de trabalho, do emprego. À parte umas quantas profissões que têm a nobreza de pôr as mãos na massa – médicos, bombeiros, pedreiros, electricistas, dançarinas exóticas, blá, blá, blá – quantos de nós precisariam hoje, realmente, de sair de casa para trabalhar? Advogados, técnicos superiores de contas, criativos publicitários, designers, arquitectos, astrólogos, comentadores desportivos, colunistas da Mulher Moderna – que é que toda esta gente está a fazer a ocupar andares e andares de escritórios? Ide para vossas casas. Poupem nos transportes, na gasolina, nos nervos. Deixem de pensar no que vão vestir. Deixem de pensar na desculpa para o atraso. Deixem de meter atestados. Acaba-se a casa de banho ocupada, a conversa que não se quer ouvir, a interrupção gratuita, o barulho, o cheiro da convenção de marmitas à hora de almoço, o chato do chefe, o hipocondríaco do secretário, a histérica da adjunta, a arma química que a senhora da reprografia usa e insiste em chamar perfume.

 

A net ofereceu-nos mais que galerias de mature babes e blogues de intelectuais deprimidos. Deu-nos tempo e independência em relação ao espaço. Hoje, só percebo que se queira sair de casa para trabalhar numa de duas circunstâncias muito específicas: querer ter um caso tórrido com a estagiária do quinto andar ou viver numa casa com bidé e cães de loiça.

 

Imagino que não fosse o caso de Darwin. (Esse teria um australopithecus de loiça.)

publicado por Alexandre Borges às 02:24
link do post | comentar
4 comentários:
De andreia am a 10 de Março de 2009 às 14:20
"à la longue – que é uma expressão muito bonita que, além do mais, deu para refrão de imensas canções reggae" - MARAVILHOSO! Ri muito com isto. eh eh eh eh eh.
De trigolimpofarinh@mparo a 11 de Março de 2009 às 18:11
Agora caguei-me a rir aqui no escritório. Sorte a minha que a casa de banho ainda tem bidé, para que possa ir "em paz" para junto dos meus cães de loiça lá em casa.

O máximo!!!
De Alexandre Borges a 12 de Março de 2009 às 00:01
Obrigado a ambos. Sabem bem ter aqui os vossos risos com em diferido…
De Olimpia a 12 de Março de 2009 às 07:42
És o maior.Haja alguém com sentido de humor para alegrar este povo dsem esperança

Comentar post

Autores

Pesquisar

Últimos posts

Contra nós temos os dias

Do desprezo pela história...

É urgente grandolar o cor...

Metafísica do Metro

A Revolução da Esperança

Autores do Condomínio

Hipocondria dos afectos

A família ama Duvall

Notícias do apocalipse

Meia idade comparado com ...

Arquivo

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

tags

todas as tags

Subscrever