Terça-feira, 24 de Fevereiro de 2009

o meu sonho para a crise

A crise nacional é mais que um dado adquirido: é como ser baixo – está lá. Somos nós. Nada a fazer. Passará, se passar, somente por milagre. Há muito que aceitei o destino - é o que uma pessoa com metro e 69 pode fazer. O que eu gostava, o único sonho que tenho, é que fizéssemos alguma coisa com isso.

 

O meu sonho para a crise era que da depressão nacional resultasse grande produção de arte. Obras profundas, honestas, que sugerissem caminhos novos, e não a traquitana inútil que prolifera. Que os empresários descobrissem novas áreas de negócio, com projectos sustentados, para que não voltassem a falhar. Que o português, em geral, deixasse de estar à espera do Estado miserável para fazer alguma coisa. Entendesse o óbvio: que, se quer alguma coisa da vida mais que o ar gratuito que abunda, tem de ser ele a chegar-se à frente.

 

E mais coisas: o regresso, para nunca mais partir, do absoluto amor pela liberdade de expressão; tripartição de poderes irredutível; consciência verdadeira do que se faz quando se vota e em quem se vota. Um Banco Central decente e competente, imprensa à prova de bala, guarda imperial à nova Constituição, cidadãos informados sobre as regras da justiça e da economia que jamais voltassem a adormecer sobre a negligência da sua ignorância. Realismo contra a utopia, pertinência contra a demagogia, desejo de construir contra o tédio de se deixar estar.

 

Sobretudo, que isto, esta coisa patética a que chegámos, resultasse na única consequência aparentemente lógica dum erro: a sua correcção. Isto é, eu amaria profundamente a crise se ela apagasse do mapa a classe política que a criou porque uma nova geração de líderes estava mesmo aí a chegar.

 

Mas – não sei se é de mim – não estou a ver isso a vir.

publicado por Alexandre Borges às 01:15
link do post | comentar
4 comentários:
De Anónimo a 24 de Fevereiro de 2009 às 20:28
Ao desejar todos esses pontos tem, obrigatoriamente, que retirar o "Realismo contra a utopia". Todos esses pontos são, eles próprios, uma utopia. Mas é um bom texto.

Cumprimentos
De Alexandre Borges a 24 de Fevereiro de 2009 às 22:51
Toda a razão. Cumprimentos e obrigado.
De Mariana a 27 de Fevereiro de 2009 às 00:36
Eu tenho 1m78.
De Alexandre Borges a 27 de Fevereiro de 2009 às 15:29
Raios. Espero que pague mais IRS.

Comentar post

Autores

Pesquisar

Últimos posts

Contra nós temos os dias

Do desprezo pela história...

É urgente grandolar o cor...

Metafísica do Metro

A Revolução da Esperança

Autores do Condomínio

Hipocondria dos afectos

A família ama Duvall

Notícias do apocalipse

Meia idade comparado com ...

Arquivo

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

tags

todas as tags

Subscrever