Domingo, 22 de Fevereiro de 2009

É Carnaval: alegoria para todos

 

Sei os riscos que corro ao escrever esta crónica: o Carnaval é provavelmente a única e verdadeira causa fracturante em Portugal. O actual presidente da República teve disso a prova, quando decidiu anular a tolerância de ponto dada na «terça-feira de Carnaval» num dos seus mandados como primeiro-ministro.  A razão, alegou o homem certamente em visível delírio, era que não havia motivo para não se trabalhar nesse dia. Assistiu-se a seguir a um tão lindo como raro movimento de união nacional, em que cidadãos de todos os cantos da vida e do país se uniram indignados reclamando o direito inalienável de desfilar mascarados. Cavaco Silva terá assim aprendido a lição: em Portugal, com o Carnaval não se brinca.

 

Por mim estou com Cavaco, nem que seja por uma vez: detesto o Carnaval. Não lhe vejo razão nem efeitos benéficos, a não ser o legitimar alguns comportamentos desviantes durante alguns dias. A obrigação implícita de nos «divertirmos» em dias marcados liberta o anarquista que há em mim (ou o estalinista, depende da hora). E depois há o que realmente me maça: não compreendo a efeméride e isso irrita-me. Os meus amigos mais lidos e carnavalescos recordam-me a origem da coisa, o adeus aos prazeres terrenos antes do início da penitência da Quaresma. Ora eu não sou nada insensível aos prazeres terrenos: mas ver isso traduzido por roliças moças da Mealhada ou matrafonas de Torres Vedras é coisa que me ultrapassa. Depois lembro-me que os meus amigos mais lidos e carnavalescos são pessoas muito sozinhas.

 

Como último recurso os mais viajados descrevem o esplendor do Carnaval do Rio, a loucura orgiástica de Salvador da Bahia, as mulheres lindíssimas e alegremente acessíveis que pululam nesses lugares. Erro deles. Sou um tipo antiquado, que acredita nos velhos rituais da sedução: uma mulher bem vestida, um bom vinho, um restaurante simpático, uma conversa estimulante. E assim de repente não estou a ver como poderia fazer isso mesmo com a mais deslumbrante das mulheres se ela estivesse vestida apenas com plumas a sair do traseiro. Chamem-me romântico.

 

Aqui chegado, é justo dizer que ao longo dos anos a minha atitude em relação ao Carnaval tem vindo a evoluir da fúria pura e dura para uma espécie de melancolia filosófica. Em vez de rosnar insultos à simples visão do desfile de Ovar assola-me uma tristeza que vem da confirmação da natureza humana (de que não sou especial admirador). Vejo o Carnaval português como a prova viva das dissertações existencialistas de Kierkegaard. Tenho a certeza de que um minuto com a escola de samba da Mealhada Bota-Aí-No-Cangaço (repleta de adolescentes tiritando ao frio enquanto cantam) faria com que Sartre escrevesse O Ser E O Nada de rajada (e com A Náusea como prefácio). Até o provérbio «A vida são dois dias, o Carnaval são três» me parece ter sido escrito por Camus, como epígrafe para O Homem Revoltado e denunciador do ser humano abandonado a si mesmo, sem divindade que lhe valha. E é pensando na palidez da condição humana que me sento enquanto vejo uma mulher lindíssima a sorrir para mim, plumas saindo-lhe do traseiro.

</style>

publicado por Nuno Miguel Guedes às 14:02
link do post | comentar
4 comentários:
De Nuno Miguel Guedes a 22 de Fevereiro de 2009 às 14:42
Errata (antes que me castiguem): onde se lê «mandado» leia-se, evidentemente, «mandato».
De JPG a 22 de Fevereiro de 2009 às 16:50
Bem, ter tido fôlego para escrever este post é a prova provada de que o (maldito) Carnaval não contamina toda a gente. Eu cá, devo confessar, sou bem mais contaminável: por estes dias fico sempre meio catatónico. O basqueiro e a pimbalhada afectam-me as meninges.

E é que não se pode mesmo exterminá-lo, como dizia o outro.
De MOA a 23 de Fevereiro de 2009 às 18:04
... Muito bem...

Debería de hacer un libro con todos sus "posts" .. yo le hago el arte.

Y ... Pequena loja de embirrações (parte 2) ???


De Nuno Miguel Guedes a 23 de Fevereiro de 2009 às 19:23
Obrigado MOA. Voltarei à loja. Mas o Carnaval é parte importante dela...:)

Comentar post

Autores

Pesquisar

Últimos posts

Contra nós temos os dias

Do desprezo pela história...

É urgente grandolar o cor...

Metafísica do Metro

A Revolução da Esperança

Autores do Condomínio

Hipocondria dos afectos

A família ama Duvall

Notícias do apocalipse

Meia idade comparado com ...

Arquivo

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

tags

todas as tags

Subscrever