Terça-feira, 17 de Fevereiro de 2009

lotação esgotante

Dizem que nós, portugueses, somos um excelente público. Discordo pesarosamente. Não somos um excelente público, somos uns fáceis, umas maria-vai-com-as-outras. É diferente.

 

Sempre me intrigou esta aparente paixão pela música. Se compramos poucos e, frequentemente, maus livros; se vamos cada vez menos ao cinema e os blockbusters lideram sempre o box-office; se pensamos em teatro e o primeiro nome de que nos lembramos é Filipe La Féria; como poderíamos, depois, ter um coração melómano à prova de bala?

 

Se o amigo leitor não tiver mesmo mais nada que fazer e estiver, por exemplo, acamado ou de quarentena ou debaixo daquele móvel pesado do Ikea, desde a semana passada, que tentou montar sozinho para poupar nos custos da mão-de-obra, espreite uma edição do “Top +” ou deite uma olhadela à lista de DVD musicais mais vendidos entre nós: no surprises. Estarão lá, à cabeça, num índice e noutro, Carreira-O-Velho e o Avô Cantigas. Procure pelos Franz Ferdinand, Arcade Fire, Sigur Rós, Radiohead, Nick Cave, essa malta toda que enche salas de cada vez que cá vem. Onde estão eles? Não estão. Ou, na melhor da hipóteses, aparecem lá entalados no 15º ou 22º lugar, entre a compilação das novas músicas da Carochinha e os remixes da Shakira.

 

Então, que multidões são essas que enchem os concertos, mas não compram discos?

 

Ponto um: é mais ou menos sempre a mesma multidão. Há umas periferias oscilantes, mas o núcleo duro percorre os espectáculos ao vivo das bandas boas como uma trupe de enófilos a rota dos vinhos Alentejo. Ponto dois: é isso mesmo – uma multidão que vai a concertos, mas não compra discos.

 

Resulta disto o quê? Que, salvo honrosas excepções, a massa vai aos concertos por uma canção. Berra como se a estivessem a esfolar quando a banda sobe ao palco, mas logo se silencia. Aplaude os dois ou três primeiros temas e, depois, perde o entusiasmo. Bate palmas e responde “Yeah! a tudo o que o vocalista disser, seja “obrigado”, “are you havin’ fun?”, um elogio rasgado ao nosso sol e à nossa comida (mesmo que chova a potes e ainda só tenham tido tempo para uma refeição). Depois, canção a canção, de desconhecimento em desconhecimento, a massa vai esmorecendo. Recosta-se, cruza os braços, conversa, tira fotografias com o telemóvel em que nunca se identificará se quem está em palco é o Iggy Pop ou a Romana. Fica um sentimento de ejaculação precoce colectiva. Fica no ar um cheiro a depressão pós-coito, com vergonha e tédio à mistura. Aborrecida, a massa começa a pedir aquela canção. Aquela. O hit lançado há 15 anos e que a banda tem tanta vontade de tocar como de que lhe pisem um pé. Pede. E pede. E pede. Os artistas lá lhe fazem a vontade: “This next one’s called…”. E aí a massa explode de alegria. É golo. Um surpreendente “second coming”. A oportunidade para soltar o grupo coral que há em nós. E pronto. A partir daí, já não é preciso mais nada. Eles que toquem o que quiserem. A obra que fizeram nos 15 anos seguintes e não interessa ao menino Jesus. O melhor é até sair antes do final do concerto para não apanhar muito trânsito.

 

E muito mais haveria a dizer. Da ditadura do gosto ao atrevimento do preconceito, passando pelo ambiente non-sense dos festivais de Verão. Mas fiquemos por aqui, que isto era só um desabafo a propósito do concerto dos Oasis e de como 9,5 em cada 10 alminhas presentes só lá foram por causa de “Wonderwall”, ainda que tivessem ouvido 20 temas bem melhores.

 

Voltaremos ao assunto no encore.

publicado por Alexandre Borges às 16:17
link do post | comentar
13 comentários:
De Pedro Marques Lopes a 17 de Fevereiro de 2009 às 16:43
és lindo
De Alexandre Borges a 18 de Fevereiro de 2009 às 12:46
e tu és muito lindo.
De Brunhild a 17 de Fevereiro de 2009 às 16:59
Pensava eu q hoje tinha acordado mal disposta!...

Muito bom! Como sempre... ;)
De Nadia a 17 de Fevereiro de 2009 às 22:07
Mas quem é que vai ver concertos dos Oasis hoje em dia? Devias ter ido ver os Mogway à Aula Magna na semana passada, que não terias tido este sentimento fúnebre em relação à passividade colectiva do português, apesar de eu concordar com todas as tuas palavras aplicadas a outros contextos...
Ler-te sabe mesmo muito bem!
De Alexandre Borges a 18 de Fevereiro de 2009 às 12:50
Se tivesse ido aos Mogway, eu é que corria o risco de só saber cantarolar um refrão... Bjs
De Paulo a 18 de Fevereiro de 2009 às 00:18
Excelente crónica dos curtumes! Muito bom.
De Alexandre Borges a 18 de Fevereiro de 2009 às 12:48
Obrigado, Paulo e Brunhild. Abraços!
De Isa a 18 de Fevereiro de 2009 às 14:54
Berra como se a estivessem a esfolar
:-D
és o maior!
Bjs
De Micaela a 19 de Fevereiro de 2009 às 12:22
Franz Ferdinand, Arcade Fire, Sigur Rós, Radiohead, Nick Cave etc. não aparecem no top porque a maioria das pessoas que vai aos concertos deles tira a música da net grátis...
De Alexandre Borges a 19 de Fevereiro de 2009 às 13:52
Não me parece, Rafaela. Senão, há uns 10 anos, antes da pirataria, os tops estariam cheios de boa música. Não tenho qualquer memória disso. Você tem?
De Alexandre Borges a 19 de Fevereiro de 2009 às 16:13
Perdão. Micaela.
De JFM a 19 de Fevereiro de 2009 às 17:16
Muito, muito bom!

Genial a leitura da tribo dos concertos...
De Gonçalo a 20 de Fevereiro de 2009 às 18:39
Também estive no concerto dos Oasis e partilho dessa opinião: apenas constituiu um momento de regozijo para o público os velhos hits dos anos 90, mesmo que depois disso tivessem saído músicas porventura bem melhores que os já batidos "Wonderwall" ou "Don't look back in Anger". Bom post!

Comentar post

Autores

Pesquisar

Últimos posts

Contra nós temos os dias

Do desprezo pela história...

É urgente grandolar o cor...

Metafísica do Metro

A Revolução da Esperança

Autores do Condomínio

Hipocondria dos afectos

A família ama Duvall

Notícias do apocalipse

Meia idade comparado com ...

Arquivo

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

tags

todas as tags

Subscrever