Quarta-feira, 26 de Março de 2008

cortar nos transportes, uma obsessão

um título vagamente a glosar a obra de thomas bernhard, aquilo do derrubar árvores e da irritação, ou então não, trate-se dos transportes por si só que isso de andar a tecer loas a austríacos é barro que mal agarra à parede, quem se atreve a reconhecer o génio numa terra de engolidores de salsichas que nem sequer são alemãs, portanto avancemos para o que aqui me traz, a minha viagem de alfa pendular descrita num ápice que me permita ainda ir enrolar umas meias para evitar ser molestado no cocoruto com um objecto caseiro não identificado, deu-se a desdita no ocaso do domingo de páscoa e da ressurreição de nosso senhor que não o sócrates, senhor eu não sou digno que entreis em minha morada mas baixai um ponto do iva e eu serei salvo. ao entardecer arrancamos, eu sentado ao lado de uma viajante que passa a jornada a desenvencilhar sudokus e a dizer à mamã que vá chatear o pai natal, isto via telemóvel, dá-se-lhes um para as mãos e transformam-se todos em alunos da carolina michaelis, jovens malcriados como o caralho que achincalham as figuras tutelares, e a rádio interna do comboio, acessível através de uns auscultadores descartáveis, que debita sem cessar o paulo gonzo e eu a pensar que o calvário e suas sevícias tinham acabado no gólgota de sexta-feira passada, afinal estende-se no domingo de aleluia sob a forma de acordes e cantarolares, o wc que é toda uma bomba de sucção capaz de eclipsar as urinas num só gorgolejo – a tecnologia sempre me impressionou – e gente que não pára com o vai-e-vem entre a 'turística' e o 'conforto', sinal de que também o politicamente correcto chegou às carruagens, já não há cidadãos de primeira e de segunda, há os que levam as patas mais à larga e os outros, mais encolhidos, de laptop no colo para entreter as horas com um filme do mel gibson, também nunca ninguém disse que memória ram a potes era garantia de bom gosto. de viés ainda baloicei até à carruagem-bar onde pude beber um café em copo de plástico, mais deslavado do que o futebol da squadra azzurra e a preços milaneses, claro. diga-se ainda que o comboio pendular, fiel como um cão de luta do vale de chelas, se atrasou meia hora. parece que faltou energia em vila nova de gaia e eu todo ufano, todo cínico, a fazer correlações com a liderança do menezes, também ele um bocado apagado, com os disjuntores todos disparados e com um electricista titubeante chamado ribau que dificilmente o ajudará a manter-se nos eixos, sem fusíveis queimados. antes o colocasse sobre carris, que o pendular pára em santa apolónia e upa, volta para cima, sempre aproveitava para voltar à sua autarquia, endividada mas mansinha, sem barões, sem cartões, sem complicações. úúúúúúúúúúhhhhh  úúúúúúúúúúhhhhh. e pouca terra. pensa nisso, luís filipe.
publicado por Pedro Vieira às 22:21
link do post | comentar

Autores

Pesquisar

Últimos posts

Contra nós temos os dias

Do desprezo pela história...

É urgente grandolar o cor...

Metafísica do Metro

A Revolução da Esperança

Autores do Condomínio

Hipocondria dos afectos

A família ama Duvall

Notícias do apocalipse

Meia idade comparado com ...

Arquivo

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

tags

todas as tags

Subscrever