Sexta-feira, 13 de Fevereiro de 2009

Uma doença do tempo deles

Posso afirmar que nunca estive a mil e, se tudo correr bem, nunca virei a estar. Estar a mil é uma condição característica da sociedade moderna, não tanto enquanto verbalização destemida e assertiva da compressão espacio-temporal que faz galopar a nossa cultura, mas enquanto tema que me lembrei de abordar há poucos dias atrás.
 
Estar a mil é ser-se mais alto. É ser-se maior do que os homens. Infelizmente,
estar a mil é, também, dizê-lo cantando a toda a gente. Quando alguém nos diz que está a mil, não nos remete apenas para a velocidade a que a mundanidade da sua vida se processa. Estar a mil é também dizer muito acerca daquilo que se fez - geralmente pouco mais do que aquilo que habitualmente se faz.. Estar a mil é ter que resolver três problemas na Loja do Cidadão, mas fazê-lo em três pisos diferentes e, três senhas tiradas depois, ter que passar pelo escritório para ver os mails. No essencial, estar a mil é ter que resolver assuntos que não nos incomodam nos restantes dias, e conseguir encaixar isso num horário de expediente manifestamente injusto. É uma joie de vivre da vidinha.
 
 Por outro lado, é uma condição jamais partilhada, a um só tempo, por dois indivíduos. É absolutamente exclusiva, um pouco como viver com uma doença grave. Se alguém nos diz que teve um dia a mil, que não nos passe pela cabeça poder ter tido um dia igualmente filho da mãe. Podemos ter resolvido problemas vários. Podem as soluções ter-nos levado a curar uma doença grave, salvar uma família de linces ibéricos que andava à deriva na Conde Valbom, ou sanear financeiramente uma PME sem despedimentos colectivos. Tudo isso desinteressa. 

 

 O verdadeiro drama será sempre exclusivo do fulano das nossas relações que, pleno de facúndia, se lembrou de equacionar metaforicamente a velocidade a que o seu dia decorre - ali especado à nossa frente.

 

 Mas estar a mil é também falar de tudo o que ainda não se fez. É o porvir de um gajo ocupadíssimo que dispensou um minutinho da sua vertigem para conversar. Assim, estar a mil é também uma condição revestida de humanidade e de um profundo sentimento de partilha. Que alguém capaz de passar pelos acontecimentos da sua vida a uma velocidade oito vezes superior à permitida por lei nas nossas auto-estradas se sinta, ainda assim, compelido a parar no Canal Caveira da sua convivialidade, não para atestar, esvaziar, ou aviar, mas tão somente para conversar, é um comportamento que nós, transeuntes vagarosos de Estrada Nacional, jamais seremos capazes de retribuir.
  

Vasco Mendonça
 

publicado por Nuno Costa Santos às 23:21
link do post | comentar
2 comentários:
De Manuel Leal a 14 de Fevereiro de 2009 às 20:19
É bem, é muito bem visto.
De andreia am a 16 de Fevereiro de 2009 às 10:20
Estar (sempre) a mil é, para mim, fingir que se vive intensamente, quando na verdade se foge da vida.

Comentar post

Autores

Pesquisar

Últimos posts

Contra nós temos os dias

Do desprezo pela história...

É urgente grandolar o cor...

Metafísica do Metro

A Revolução da Esperança

Autores do Condomínio

Hipocondria dos afectos

A família ama Duvall

Notícias do apocalipse

Meia idade comparado com ...

Arquivo

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

tags

todas as tags

Subscrever