Quarta-feira, 28 de Janeiro de 2009

apresentação aos sócios

Regresso ao convívio do leitor após 15 dias de interregno (sim, escrever neste estilo faz-me sentir uma locutora de continuidade da literatura). Retornado e com a folha em branco diante do nariz, sinto-me a reviver esses gloriosos tempos do ensino primário em que nos eram encomendadas grandes prosas acerca de temas maiores da cultura continental: as minhas férias, o meu Natal, a minha casa e esse universo maior, o tema livre. Demasiado respeitador da paciência do público, poupá-lo-ei, contudo, à redacção pormenorizada dos acontecimentos, mas deixo-o com algumas das conclusões extraídas de duas semanas de reflexão eremítica numa casa de campo algures nesse Portugal – à atenção do Pedro – real.

 

Conclusão 1: férias em Janeiro é bom. Toda a gente está a trabalhar menos nós, o que resulta na situação mais próxima de ter meia dúzia de escravos a abanar-nos, esse bom hábito que se perdeu. Recomendo. Outra vantagem: não há programas de Verão na tv. A tv que há continua a ser má, mas ao menos não temos de levar com o José Malhoa em calções a actuar numa emissão especial da “Praça da Alegria” na praia de Espinho.

 

Conclusão 2: a vida existe sem ligação à net. Poupam-se duas horas a apagar e-mails, uma hora a fazer refresh para ler actualizações das mesmas notícias, e cinco horas a seguir forwards de links para vídeos muita giros do you tube em que alguém toca a Carmen de Bizet soprando na máquina de água do escritório e outras epifanias urbanas que tais.

 

3: este inverno, chove como o raio, mas os meteorologistas continuam a concluir que chove sempre menos que o ano passado. Um dia destes, dedicar-lhes-emos toda uma crónica, mas enquanto isso não acontece, fica a recomendação: tirem lá os aparelhos do Sahara e instalem-nos algures de Tavira para cima.

 

4: no Portugal real, ainda há bilhas de gás. Tudo é mau na experiência revivalista, mas ao menos faz-nos vir à memória a vida e obra da menina da Galp pluma. Um grande bem haja, onde quer que esteja.

 

5: em miúdos, as férias representavam algo extraordinário: eram o botão on/off do mundo, desligavam e reiniciavam as coisas, as relações, o tempo. Isso acabou anos atrás. E é pena. É pena ter de reconhecer que, nesse aspecto, a inteligência humana esteja tão distante da esperteza das máquinas.

 

Última: as férias amolecem o escriba. É jogador em início de época, ainda a 70%, de acordo com o mister. Tem uma barriguita a perturbar-lhe a pontuação. Há-de ir ao ponto com o ritmo de jogo - se não quiser ir emprestado para as distritais do cronismo.

publicado por Alexandre Borges às 11:18
link do post | comentar
6 comentários:
De Isa a 28 de Janeiro de 2009 às 17:22
Bem-vindo de volta Alexandre.
Olha que no Portugal real aqui do Bairro Alto tb há bilhas de gás. só n são trazidas pla menina da galp, nem sequer plo Adonis. são repsol e é um velhinho marreco com voz de quem respirou hélio a vida inteira que as traz. enfim...
Bjs
De Alexandre Borges a 28 de Janeiro de 2009 às 17:39
obrigado, Isa. Mas olha que eu também moro no Bairro e tenho gás natural. Eu, se fosse a ti, tinha uma conversa séria com esse velhinho... Beijinhos.
De Isa a 29 de Janeiro de 2009 às 02:02
n me digas que tens TV cabo sem antena e caixote doo lixo na rua, tudo coisinhas típicas de Lisboa... ou é só na minha rua q n há nada disso?
diz que é porque é património n sei de quê...
Bjs
De Alexandre Borges a 30 de Janeiro de 2009 às 10:12
Não exageres. Apesar de tudo, esta também é uma rua humilde, sem esses luxos de, sei lá, um Vale do Lobo.
De Nadia a 2 de Fevereiro de 2009 às 18:44
E porque fui eu cruzar-me com este texto catastrófico???
;)
Nadia
De Alexandre Borges a 2 de Fevereiro de 2009 às 20:52
Espero que por todas as formas, excepto uma pesquisa por "José Malhoa" + "Praça da Alegria"... Que surpresa! Bem-vinda aqui!

Comentar post

Autores

Pesquisar

Últimos posts

Contra nós temos os dias

Do desprezo pela história...

É urgente grandolar o cor...

Metafísica do Metro

A Revolução da Esperança

Autores do Condomínio

Hipocondria dos afectos

A família ama Duvall

Notícias do apocalipse

Meia idade comparado com ...

Arquivo

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

tags

todas as tags

Subscrever