Quarta-feira, 28 de Janeiro de 2009

Ouve lá

Não é novidade para ninguém que não há problemas mais importantes que os nossos. Também me parece que é do mais elementar senso comum perceber que só nós é que sabemos os verdadeiros problemas da humanidade.
“Gaza? Pois, pois. E a minha empregada que tem um quisto sebáceo?” “Eles (sempre estes desconhecidos duendes) falam da crise. E que dirão desta espondilose  que não me larga?”

Esta, mais que compreensível, atitude é constatada diariamente, por qualquer um de nós, nas mais triviais conversas. Normalmente, o cidadão queixa-se de uma qualquer maleita ou faz um comentário mais ou menos sério sobre o estado da situação mundial e a coisa passa logo depois do clássico “mas vamos andando”.

O problema é se o nosso interlocutor descobre ou sabe que temos acesso a um qualquer microfone, coluna de jornal ou camera televisiva.

O cidadão pode nunca o ter ouvido, lido ou visto mas, garanto-lhe, que o primeiro comentário será de violento desagrado pelos temas que você aborda. Não por serem importantes – claro está – mas por haver coisas incomparavelmente mais importantes para serem faladas. Da experiência nas urgências do São José aos preços dos desinfectantes para caniches passando pela problemática da rigidez das cadeiras do comboio Alfa há um mundo de coisas que você se esqueceu.

Bom... esqueceu não, e é aqui que entra a segunda fase do processo. 

Depois de você ser obrigado a tomar umas notas para saber o que terá de falar na próxima vez que tiver acesso a um qualquer mass-media, surge a tal fase, a que chamo a do “sorrisinho sabe tudo”.
O seu amigo, conhecido ou absoluto desconhecido que o aborda na rua, até sabe que você é um tipo honesto e, logo, que queria falar dos verdadeiros problemas da humanidade, ou seja, os dele. Ele compreende. São os gajos (sempre estes malditos duendes) que não o deixam e, claro, você tem família para sustentar.


publicado por Pedro Marques Lopes às 00:46
link do post | comentar
1 comentário:
De rita maria a 28 de Janeiro de 2009 às 09:19
Muito bom, especialmente o final!

Comentar post

Autores

Pesquisar

Últimos posts

Contra nós temos os dias

Do desprezo pela história...

É urgente grandolar o cor...

Metafísica do Metro

A Revolução da Esperança

Autores do Condomínio

Hipocondria dos afectos

A família ama Duvall

Notícias do apocalipse

Meia idade comparado com ...

Arquivo

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

tags

todas as tags

Subscrever