Terça-feira, 9 de Dezembro de 2008

problemas dum homem junto, temporariamente só

Isto dos sentimentos dum homem não se resolve num texto só. Ou melhor, ou bem que se despacha numa palavra ou duas ou, a partir do momento em que nos aventuramos ao atrevimento de formular uma ou mesmo – suprema loucura – várias frases, a coisa complica.

 

Fiquemos, pois, por um aspecto simples: o que fazemos quando a nossa mulher vai de férias, ou: o triste dia em que realizamos ter chegado ao fim a nossa fulgurante carreira como Casanovas dos pequeninos.

 

Chega uma altura na vida dum tipo em que ele arruma as botas. Mas fá-lo firmemente convencido de ser temporário. Ele junta-se. É um tipo junto, comprometido, com ou sem papéis e aliança e sogros. Sem cerimónia de homenagem, ele despede-se das pistas das discotecas, dos balcões dos bares, do café do emprego, qual jogador veterano acenando à multidão enquanto deixa o relvado. Abotoa mais um botão da camisa, usa medidas mais sensatas de água de colónia, deixa de fazer olhinhos à rapariga da tabacaria, não responde mais aos sms da Isaltina, analisa o desempenho da estagiária da estrita perspectiva do seu rendimento laboral.

 

Tem agora uma vida, digamos, normal. Vai ao supermercado, divide contas, janta em casa, vai ao Ikea, cancela jogos de bola ao domingo porque há almoço na família dela.

 

Mas, no fundo, no seu íntimo, qual Maradona gesticulando na bancada, ele acredita que ainda é tão capaz como dantes, capaz de regressar à equipa e fazer o brilharete. Simplesmente, não precisa. Não quer. Está noutra.

 

No dia em que a mulher se ausenta em trabalho ou de férias, ele acredita, piamente, que vai provar tudo isso a si mesmo. Vai ouvir a música no volume que quiser, mandar vir as pizzas que quiser, ver jogos de futebol de todas as ligas do mundo e, por que não?, voltar a dar um ar de sua graça na pista de dança mais próxima.

 

De súbito, no entanto, desperta no primeiro dia de vida temporariamente só e descobre que o joelho já não dá, que os pés incharam ou a chuteira mingou, ou que, pura e simplesmente, já não gosta tanto do jogo. Vagueia pela casa arrastando as pantufas, abre e fecha o frigorífico, pensa se tomar duche será assim tão fulcral ou uma vulgar convenção da sociedade continental, muda de canais como quem folheia o suplemento de caixilhos do Destak e acaba por sair à rua, resignado à falta de opções que a casa lhe oferece.

 

Aí, no mundo exterior, engole a bica e arruma o jornal, sem saber com quem comentar as notícias, vai para o trabalho e é tão eficaz e sociável como uma fotocopiadora. Aborrece-se com qualquer conversa que se estenda para lá do minuto e meio de duração. Ao fim da tarde, entra no centro comercial e desinteressa-se das compras, vai à livraria e parece-lhe já ter tudo, opta por não ir ao cinema porque os filmes que quer ver ela também quer ver e então o melhor é esperar por ela. No caminho para casa, descobre estar farto de pessoas e ultrapassa-as pela berma da estrada, respira de alivio ao fechar a porta do prédio e decide que, afinal, já não vai sair porque não, porque não sabe porquê, não lhe apetece.

 

Acaba a noite enterrado no sofá bebendo minis que, provavelmente, ela comprou. Faz contas aos dias que faltam para ela chegar e a todas as loucuras que ainda vai cometer. Quando o gás da cerveja o vai fazer arrotar, cobre a boca e emite o menor som possível. É apenas um homem junto temporariamente só. Logo, está com ela. Logo, ela está com ele. Ali. E não apreciaria a falta de modos.

publicado por Alexandre Borges às 02:57
link do post | comentar
11 comentários:
De trigolimpofarinh@mparo a 10 de Dezembro de 2008 às 18:07
Simplesmente brilhante e, admito, vejo-me em (quase) todas a situações aqui descritas.
Um aparte: será a “não convocatória para o jogo” um sinal de PDI?
De Alexandre Borges a 10 de Dezembro de 2008 às 18:38
Sem dúvida. E de uma certa falta de talento, também...
Um abraço e obrigado.
De Lídia a 12 de Dezembro de 2008 às 13:15
Continuas em grande Alexandre. A tua escrita parece uma sinfonia de emoções projectada em ecrã gigante. Absolutamente lindo! O texto, não o homem junto...
De Alexandre Borges a 12 de Dezembro de 2008 às 14:35
sim, o homem junto não será, propriamente, um Apolo... muito obrigado, Lídia. take care.
De escrivaninha a 12 de Dezembro de 2008 às 16:13
Que sorte a dela! Ter um homem junto que não só procede como se expressa assim. Não conheço, mas se for "um Apolo" também é uma injustiça muito grande para com os outros exemplares do género masculino...
É sempre um pazer ler estes "pedaços de mimo"!
De Alexandre Borges a 12 de Dezembro de 2008 às 18:38
Pronto. Um Apolozinho, vá... Obrigado, escrivaninha.
De Isa a 12 de Dezembro de 2008 às 20:52
Lindo, lindo, lindo! Bjs
De eu37 a 16 de Dezembro de 2008 às 11:51
Obrigada por fazer-me sorrir. Adorei cada palavra mas sobretudo tudo aquilo que o levou a parar para as escrever. A frase do futebol resume tudo e é absurdamente realística. Não, ainda não me fez re-acreditar no Princípe Pefeito mas certamente fez-me desejar que a minha menina/mulher possa nunca deixar de acreditar. Parabéns.
De Alexandre Borges a 16 de Dezembro de 2008 às 14:52
muito obrigado. fico sem palavras. felicidades nessa busca pelos príncipes.
De Johnnyzito a 16 de Dezembro de 2008 às 14:50
Um texto excelente, publicado a uma hora que também dá que pensar.
Um abraço
João Gonçalves
De Alexandre Borges a 16 de Dezembro de 2008 às 15:47
Fusos horários sentimentais... Um abraço e obrigado.

Comentar post

Autores

Pesquisar

Últimos posts

Contra nós temos os dias

Do desprezo pela história...

É urgente grandolar o cor...

Metafísica do Metro

A Revolução da Esperança

Autores do Condomínio

Hipocondria dos afectos

A família ama Duvall

Notícias do apocalipse

Meia idade comparado com ...

Arquivo

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

tags

todas as tags

Subscrever