Terça-feira, 25 de Março de 2008

you should have met me in the eighties para veres o que era doce

a nostalgia foi-se instalando de forma difusa, subreptícia, a marcar pontos a par com o vocábulo retro, que nos bons velhos tempos soaria a paneleiragem e agora soa a vintage, roupas medonhas passam a fashion, canções olimpicamente foleiras passam a ser de culto, e foi através delas, das músicas injectadas em festas mais ou menos particulares que os oitentas voltaram ao nosso convívio, ou eighties, que soa mais retro e mais estrangeiro, mais bryan adams, que por acaso andou por cá na semana passada, menos carlos paião que segundo rezam as crónicas tem andado muito pouco. concedo, é uma vertigem tentadora, eu próprio gosto da samantha fox, ou pelo menos da imagem que guardo dela. ou do par de imagens que guardo dela, para ser mais exacto. mas agora, graças à saturação em que o maravilhoso mundo da publicidade é especialista já começo a bufar com tanto revivalismo, são os trabalhadores do comércio na campanha mais anacrónica de que há memória desde o e lá em casa ri-te, ri-te, tudo é indesit, a canção inane da maria armanda, la fontaine para bimbos do garrafão, a acarinhar o medonho sapo da pt que tem a amabilidade de albergar o sinusite crónica [veja-se como até simpatizo com o bicho, mesmo que por conveniência]. temos também as favas com chouriço do josé cid, zarolho homofóbico portador de capachinho que sofreu um bestial lifting de boa imprensa ou ainda o engenheiro sousa veloso a dar o aval aos sumos da compal, que, vá lá, já não são vendidos nas casas de pasto – agora espaços lounge com decoração retro, claro – em latas inox de abertura mais ou menos fácil, ou  abertura aos repelões, vá, munidas de uma tampa de elipsoidal mais aguçada do que uma espada do kill bill, outro tomo em dois actos convenientemente retro, com o david carradine, que só por acaso não anda a fazer campanhas da fagor ou do milennium bcp caminhando em direcção ao sol com uma mochila do sport billy. reparem. temperar umas conversas de amigos ou umas sessões de pé de dança com as idiossincrasias dos anos oitenta tem o seu potencial de diversão, e aqui introduzo o conceito de homeopático, vocábulo galhardo que assenta tão bem na minha escrita como um dente de ouro na cremalheira de uma criança romena. dizia, use-se o revivalismo em doses pequenas, com parcimónia, outro vocábulo com aquelas características tal e tal que não reproduzo por pavor à repetição e às acusações de xenofobia. mas encharcar o prime de time de publicidade [o que já acontecia] ainda por cima alicerçada no imaginário pré-CEE [infestação nova] já cansa. aliás, comer sortido rico de contrabando, mudar do canal 1 para o 2 e vice-versa ou fazer lobby na mercearia para garantir um pacote de leite do dia tinha uma graça do caralho. ui, como a saudade aperta.
publicado por Pedro Vieira às 00:02
link do post | comentar
1 comentário:
De telaspersonalizadas a 25 de Março de 2008 às 00:59
http://telaspersonalizadas.blogs.sapo.pt/ ve e envia aos teus contactos sff, obrigado !!

Comentar post

Autores

Pesquisar

Últimos posts

Contra nós temos os dias

Do desprezo pela história...

É urgente grandolar o cor...

Metafísica do Metro

A Revolução da Esperança

Autores do Condomínio

Hipocondria dos afectos

A família ama Duvall

Notícias do apocalipse

Meia idade comparado com ...

Arquivo

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

tags

todas as tags

Subscrever