Sábado, 29 de Novembro de 2008

Flores para o meu tio

À conta de um tio fui, durante quatro ou cinco anos, benfiquista.  Até que numa noite de 1979 vi pela primeira vez um jogo do Benfica, numa (rara à época) transmissão televisiva. Os encarnados perderam, mas para mim não se tratou apenas de uma derrota, antes da falência do imaginário em que a minha infância se edificara.

O tio dissera "O Benfica vence sempre" a minha vida inteira - e aquela derrota revelava que o tio mentia. E se o tio mentia, também os outros podiam mentir. Aos quatro anos, ser enganado era o equivalente moral a perder (ou a ter de comer peixe). A minha infância estava arruinada.

O maior adversário do Benfica que eu conhecia era a minha avó. Portista ferrenha, desligava o rádio sempre que havia relato dos vermelhos. Como gostava da velhota tornei-me do Porto - e o Porto, inexplicavelmente, desatou a ganhar.

 

Aquilo que começou por birra tornou-se maior. Em 85, o Porto foi eliminado da Taça das Taças por um obscuro clube inglês, o Wrexham. Quando, antecipando a derrota, desliguei o rádio, o meu pai ligou-o de novo e obrigou-me a ouvir o relato até ao fim. Eu queria ser pós-moderno, ter uma relação aberta com o clube, ele forçou-me a um casamento: "Se és adepto para a vitória, também tens de o ser para a derrota".

Ouvi o resto do relato em luta contra as lágrimas, deitei-me ciente do que teria de enfrentar no dia seguinte, na escola: na terrinha não havia mais de três, quatro portistas e o resto eram animalescos adeptos de clubes inferiores; esperava-me uma humilhação.

Fim-de-semana após fim-de-semana, o Porto ganhava e à segunda-feira hordas de mouros apontavam-me dedos acusadores. O argumento de cada um era o mesmo do dos outros: "O meu pai conhece um senhor que conhece outro senhor que sabe que isto é tudo corrupção". Mas se o meu tio me tinha mentido, os pais deles também lhes mentiriam, de certeza.

 

Em 87 saí a meio da aula de preparação para a Comunhão Solene, com uma desculpa esfarrapada, para ver a final da Taça dos Campeõesa. Estava convencido que Cristo, a ter voltado à Terra, era canhoto e chamava-se Futre.

A raiva que eu tivesse ao Benfica desapareceu nesse dia, porque ganhar a sério era muito melhor que ver o Benfica perder 7 a 1 com o Sporting. A partir daí comecei a desejar que o Benfica ganhasse nas competições europeias. Vibrei com o 3-1 ao Arsenal. Com o 4 a 4 em Leverkusen. Com a bicicleta do Micolli em Anfield Road. Fiquei triste pelo penalty falhado do Veloso.

 

Quando na quinta o Benfica começou a levar golo atrás de golo do Olympiakos, lembrei-me daquela noite de 79. Depois aconteceu algo de extraordinário: Quique Flores, o treinador, não arranjou bodes expiatórios. Disse que derrotas daquelas não acontecem sem razão. E com uma hombridade tremenda, pediu desculpas aos adeptos.

Talvez se há 29 anos tivesse havido um Flores eu ainda fosse benfiquista. Talvez eu não tivesse descoberto que os adultos mamipulam os miúdos apenas por medo que eles sejam diferentes de si. Não vale a pena recordar mais a mentira do meu tio - cresci, observei o mundo, tornei-me adulto, e perdoei-o. Na quinta-feira à noite, para ser mais exacto.

publicado por João Bonifácio às 03:51
link do post | comentar
2 comentários:
De Leonor a 29 de Novembro de 2008 às 22:13
Este texto fez-me lembrar Fever Pitch do Nick Hornby. O futebol é universal.
De Alexandre Borges a 2 de Dezembro de 2008 às 00:18
eu, lampião doente, ainda estou em lágrimas, João.
Sobretudo porque acaba de acontece tudo, outra vez, agora com o Setúbal...

Comentar post

Autores

Pesquisar

Últimos posts

Contra nós temos os dias

Do desprezo pela história...

É urgente grandolar o cor...

Metafísica do Metro

A Revolução da Esperança

Autores do Condomínio

Hipocondria dos afectos

A família ama Duvall

Notícias do apocalipse

Meia idade comparado com ...

Arquivo

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

tags

todas as tags

Subscrever