Quarta-feira, 2 de Julho de 2008

olha a blusinha linda, é a quinhentos, é a mili, é a miliquinhentos

 

 

assistir a um espectáculo da fanfare ciocarlia é garantia de duas horas passadas a dar à perna sem pensar no défice, na euribor e nos tiros para o ar em portimão, sobretudo se a banda vem acompanhada de primos de outros acampamentos, espanha, bulgária e antiga república jugoslava da macedónia, assim mesmo por extenso para não irritar ainda mais os gregos que andam a sofrer de otto rehagel, dizia, a fanfare dá tudo, o público, conquistado à cabeça, também, sacode, balança, na iminência da invasão de palco, susceptível de transformar-se a todo o instante na feira de carcavelos, as tubas sopram, a massa ulula, fazem-se solos desajeitados solos de metais mas tudo com muita alma e força na bochecha, e tudo se incendeia com o par de odaliscas que vai não volta se balançam rés-vés a assistência, provando com os seus monumentais seios que o molico e o nido estão condenados ao fracasso em bucareste e arredores, e ainda pudemos escutar um par de flamenguitos, que não são queijo, a debitarem dores e maleitas em castelhano, fazendo das guitarras óptimas caixas de percussão sempre que sufocavam as cordas com afinco, até me fez lembrar a classe média à portuguesa, abafada e martelada na tola no meio de grande entretém, e ainda assistimos ao número vocal de um alienígena misto de zucchero e raul indipwo, isto se o nosso melhor amigo das colónias tivesse nascido à beirinha do mar negro, e para acabar de vez com a cultura quatro faixas, QUATRO, na voz da imortal esma redzepova, trinado de sonho dos balcãs a fazer esquecer o pretedente ao trono câmara pereira e o seu cavalo ruço, a esma vestida como quem vai adorar iemanjá mas nós é que lhe ficamos prostrados aos pés, rendidos à maré de entusiasmo, à espera que a avalanche tzigani se repita e que se possam sacudir as banhas sem pudor, inclusive até aos passeios da avenida da liberdade, local onde o concerto acabou com o respectivo rodar de chapéu para recolher umas moedas extra. encerrava-se o maior espectáculo do mundo e penso: onze ou doze contos para ir ver o cirque du soleil? foda-se, não se metam nisso. aqui até as fatiotas são melhores.

publicado por Pedro Vieira às 11:19
link do post | comentar
1 comentário:
De Anónimo a 2 de Julho de 2008 às 22:38
www.kacto.blogs.sapo.pt

Comentar post

Autores

Pesquisar

Últimos posts

Contra nós temos os dias

Do desprezo pela história...

É urgente grandolar o cor...

Metafísica do Metro

A Revolução da Esperança

Autores do Condomínio

Hipocondria dos afectos

A família ama Duvall

Notícias do apocalipse

Meia idade comparado com ...

Arquivo

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

tags

todas as tags

Subscrever