Segunda-feira, 24 de Março de 2008

Rasganço

JPP diz aqui que há em Portugal «um delito de opinião para o qual uma pequena turba (...) pede punição, censura, opróbrio, confissão pública do crime, rasgar de vestes. Esse delito de opinião é ter estado a favor da invasão do Iraque».

Aqui está um um tema novo em Pacheco Pereira, um território ainda por explorar pelo comentador político, prova da sua constante procura de renovação temática.


Acrescenta Pacheco que essa pequena turba «só parece grande porque é alimentada pelo silêncio de muitos». Isto, meus amigos, que mais não seja, explica aquele velho mito que diz que há seis milhões de adeptos do Benfica.

 

Nessa turba, continua Pacheco, «todos falam com a linguagem, os slogans, os tiques, os excessos verbais, a arrogância moral e a pesporrência do Bloco de Esquerda».

Respeito esta passagem, que mais não seja por solidariedade com o tempo que JPP perdeu a contar as pessoas da turba até chegar à conclusão infalível e matemática de que "todos" falam a mesma linguagem.


Eu, que nunca votei no Bloco de Esquerda, fico tranquilo por saber que há homens assim, como Pacheco, que não usam os “slogans”, “tiques”, “excessos verbais”, “arrogância moral” e “pesporrência” daquele tipo de gente que diz à boca cheia, na Quadratura do Círculo, que não recebe lições de moral ou civismo de ninguém.


E é sempre tranquilizador haver homens que não apelidam de “anti-americanismo primário” quem ressalva que o argumento oficial de George W. Bush para a invasão do Iraque era a «existência de armas de destruição maciça» e «a possibilidade de Saddam ser um apoiante da Al-Qaeda».

 

Curiosamente, numa desconcertante (e grouxo-marxista) passagem Pacheco acrescenta que «A decisão de invadir tem pouco a ver com a existência de armas de destruição maciça, ou com a possibilidade de Saddam ser um apoiante da Al-Qaeda, que não era».


Ou seja: no fundo JPP subtilmente acusa Bush de mentir.

Ou seja: no fundo JPP subtilmente acusa-se a si mesmo de ser um anti-americano primário.

Isto, meus amigos, é um acto de contrição raro em Portugal, diria mesmo que uma auto-censura, uma auto-punição, uma confissão pública do crime.


Eu, que não concordei com a Invasão do Iraque (posição que, posso agora confessar, ainda fez vacilar George W.), não quero condenação moral de ninguém. Só quero mesmo que JPP não rasgue as suas vestes em público.

publicado por João Bonifácio às 16:15
link do post | comentar

Autores

Pesquisar

Últimos posts

Contra nós temos os dias

Do desprezo pela história...

É urgente grandolar o cor...

Metafísica do Metro

A Revolução da Esperança

Autores do Condomínio

Hipocondria dos afectos

A família ama Duvall

Notícias do apocalipse

Meia idade comparado com ...

Arquivo

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

tags

todas as tags

Subscrever