Terça-feira, 27 de Maio de 2008

Os limites da perfeição

 

 

 

Oscar Wilde, o elitista, fez máximas difíceis de parafrasear . "I can resist everyting but temptation" tem um apuramento formal e um depuramento lógico  que inibe qualquer tentativa de reciclagem. Já George Orwell, o democrata socialista, tem expressões que toda a gente reusa, como  "All animals are equal but some animals are more equal than others" e "Big Brother is watching you". Paradoxalmente, é Wilde quem melhor serve o leitor, poupando-o do embaraço. Porque o maior inimigo da máxima é a paráfrase. Se do "power tends to corrupt; abolute power corrupts absolutely"  (Lord Acton) alguém extrai um  "a beleza atrai; a beleza absoluta atrai absolutamente", essa pessoa precisa de ajuda.

 

 

Os cozinhados da avó Maria eram imperfeitos. Didacticamente imperfeitos. Do excesso de temperos aos excessos de comida, tudo neles era excessivo. A primeira crítica gastronómica do Homem do pullover amarelo foi mesmo feita mentalmente - ainda era analfabeto - na freguesia da Ponta de Sol, ilha da Madeira. Relembre-se que a insularidade não garante e excelência culinária, mesmo sendo irrefutável que uma ilha é uma porção de terra rodeada de peixes por todos os lados. A pior cozinha do mundo é a caribenha e se o balsero cubano foge por não ter o que comer, os que lá ficam não é seguramente por causa da comida que lhes dão. Mas na Madeira come-se bem. Diz-se que a carne é mais tenra por causa do sedentarismo da vaca, que passa a vida num palheiro. Que é mais saborosa por causa do pau de loureiro que a trespassa.  Que o isolamento geográfico fixou acidentes felizes, como o hábito do milho frito -  e não há maturidade gastronómica sem um veículo idiossincrático para os hidratos de carbono. Que o clima quase tropical lhe deu um fruto inferior apenas à romã, a anona. Que a cultura da Madeira ludibriou o turista com o bolo homónimo e guardou para os nativos o bolo do caco, sublime por ser pão. Que o bodião, Sparisoma cretense, faz a melhor das caldeiradas. Que as castanhetas fritas ganham aos jaquinzinhos, apesar de os vivos violeta do peixe não chegarem ao prato. Que a lapa grelhada sabe melhor quando somos nós a ir buscá-la de mergulho em apneia. Que a lagosta local, o cavaco, deu inúmeras piadas, anos antes de no continente se brincar com o absurdo que era seguir um cherne com cara de boga.

 

O charme das coisas imperfeitas faz a tripla. Se diante da perfeição perdemos o ponto de referência, a imperfeição tem sempre a amarra que é a diferença para o que imaginamos perfeito. Fomos feitos mais para reagir a diferenças do que a sobreposições exactas. Uma leoa que persiga um antílope está a cumprir a sua condição felídea, viu a imagem da presa perfeita e pôs em marcha o seu programa animal, mas se a leoa resolve perseguir o David Attenborough na savana, de algum modo se humanizou. Com o homem sucede o mesmo e até um pouco mais, porque saturado de humanidade, ao contemplar a imperfeição ascende à transcendência. Há, depois, a sensação de magnanimidade, como aqui. Se perante a perfeição só se pode prestar vassalagem, ganhamos nobreza no elogio das coisas imperfeitas. E há, por fim, a ilusão de que experimentamos algo único. “Beauty is in the eye of the beholder”, assim mesmo, sem paráfrase. Ninguém pode fazer da perfeição alheia uma construção sua.  1984 não nos deu o Grande Irmão de Orwell que todos observa, mas sim a Jennifer Connelly, que todos passaram a observar. Desde então carregamos o fardo da sua perfeição e só a velhice dela nos poderá salvar. Ora, os cozinhados da avó Maria, no excesso de louro e especiarias, na doçaria rudimentar, no abuso da semilha, enfim, no estilo kitsch rústico,  deixaram o Homem do pullover amarelo predisposto para o elogio e salvaram-no de uma errância pesarosa. Porque é sempre mais fácil perseguir a perfeição do que deixá-la para trás. 

 

 

 
publicado por Homem do pullover amarelo às 00:46
link do post | comentar
5 comentários:
De N. a 27 de Maio de 2008 às 11:22
tive muito gosto em de ler isto.
De N. a 27 de Maio de 2008 às 12:25
o «de» não deve ser entendido como um reforço ao gosto, foi um lapso feio, só isso.
De João Villalobos a 27 de Maio de 2008 às 15:00
Brilhante. Parabéns.
De macedo henriques de vasconcellos a 28 de Maio de 2008 às 13:00
não li, mas fico encantado com o facto de os outros terem gostado. enchanté
De Ana Matos Pires a 29 de Maio de 2008 às 00:21
Pois não sabe o que perdeu, garanto-lhe.

Comentar post

Autores

Pesquisar

Últimos posts

Contra nós temos os dias

Do desprezo pela história...

É urgente grandolar o cor...

Metafísica do Metro

A Revolução da Esperança

Autores do Condomínio

Hipocondria dos afectos

A família ama Duvall

Notícias do apocalipse

Meia idade comparado com ...

Arquivo

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

tags

todas as tags

Subscrever