Terça-feira, 20 de Maio de 2008

Alguém me arranja um bilhete de avião para o Togo?

 

O tormento para os verdadeiros amantes do mais belo jogo jamais inventado está prestes a começar. A coisa, ultimamente, é cíclica: de dois em dois anos lá temos de apanhar com esta cretinice dos campeonatos da Europa ou do Mundo.

Já se sabe que estes tristes eventos foram inventados para as mulheres que além de não perceberem um caracol do que se passa num campo de futebol desprezam a melhor parte do jogo: as profundas análises que nós homens conseguimos fazer sobre a capacidade de impulsão do melhor ponta de lança de todos os tempos, Fernando Gomes, ou o fabuloso jogo de rins do melhor defesa direito da história do futebol, João Pinto (o verdadeiro, não aquele pateta da melena loura que a única coisa de mérito que fez no futebol, foi ter dado aquele soco no árbitro que, graças a Deus, mandou os nossos jogadores de volta a casa). 

É vê-las todas contentinhas com aqueles berrinhos histéricos: marca, marca, chuta, chuta.

Convencidíssimo que jamais aprenderão, explico: nunca se fala antes de um jogador rematar. Depois de ele chutar, existem apenas duas alternativas: ou gritar golo se aquela coisa redonda (chama-se bola) entrar na baliza (aqueles três paus com uma rede por trás) ou mandar o indivíduo para a puta que o pariu, se falhar. 

.

Mas ainda pior que ver mulheres nos jogos de futebol ou em celebrações é ver os patetas que as acompanham. Só há duas razões para essas anémonas levarem ou acompanharem essas mulheres: ou são uns infelizes que a única maneira de poderem agarrar uma mulher é aproveitando um golito ou coisa parecida ou, pura e simplesmente, não gostam de futebol. É aliás por isso que se vêm tantas mulheres nos jogos do Sporting: está provado que aquela gente gosta tanto de futebol como as pessoas normais de vinho verde quente.

Mas como se não fosse gravíssimo ter a lata de ir a um jogo com uma mulher, ainda as levam para um dos mais sagrados espaços masculinos: as imperiais e tremoços pós-desafio. Confesso que são os únicos momentos em que lamento a minha condição de heterossexual.

 

Como se já não fosse suficientemente mau ter de gramar um torneio onde os jogadores do meu clube dão abraços aos dos clubes adversários e jogam com camisolas vermelhas e calções verdes, tenho de gramar as bandeirinhas nas janelas, ouvir tipos que não distinguem um fora de jogo de um penalti armados em Ruis Santos, histéricos a cantar o hino como se fossem resgatar D. Sebastião dos mouros, apelos ao patriotismo em forma de chuteira, horas de debates sobre os peitorais de um madeirense qualquer e os discursos tipo Coronel Tapioca do mais imbecil brasileiro que alguma vez aterrou na Portela, ainda tenho que suportar mulheres vestidas de vermelho e verde com aqueles lencinhos ridículos na cabeça.

Vão mas é lavar a louça, meninas.

Pode ser que só dure uma semanita. Força Turquia.

publicado por Pedro Marques Lopes às 17:39
link do post | comentar
7 comentários:
De lady in green a 20 de Maio de 2008 às 17:49
Sei de uma pessoa que, se te portares muito, muito bem, te arranja um bilhete de avião para a Áustria. Shame on you, Mr. LopeZ!
De Sara Maia a 20 de Maio de 2008 às 18:14
É assim mesmo, mulheres para a cozinha!!!! Muito bem! Aqui está um verdadeiro marialva luso (terá bigode?). Que saudades destas figuras!!
(Querias ter aqui um indignado discurso feminista contra a tua crónica, querias? Querias insultos de mulheres ofendidas? Querias? Era o querias! Mas eu não bato, já dizia o sádico ao masoquista...
De Ana Matos Pires a 20 de Maio de 2008 às 18:32
"É aliás por isso que se vêm tantas mulheres nos jogos do Sporting" Ora cá está uma belíssima novidade...
De isa a 20 de Maio de 2008 às 22:59
1º foi o post dos orgasmos, agora isto... começo a sentir verdadeira compaixão plas mulheres da sua vida...
De Anónimo a 20 de Maio de 2008 às 23:25
e elas são tantas...o verdadeiro casanova lusitano
De dancar a bossa nova a 21 de Maio de 2008 às 10:12
Lavar a louça?! Essas "mulheres vestidas de vermelho e verde" não lavam louça. Faz mal à manicure, caríssima , por sinal.
De Umbelina a 22 de Maio de 2008 às 20:20
O que tu queres sei eu, diria RAP. Eu deixo-lhe uma mensagem de esperança, vai ver que logo, logo, alguém repara em si.

Comentar post

Autores

Pesquisar

Últimos posts

Contra nós temos os dias

Do desprezo pela história...

É urgente grandolar o cor...

Metafísica do Metro

A Revolução da Esperança

Autores do Condomínio

Hipocondria dos afectos

A família ama Duvall

Notícias do apocalipse

Meia idade comparado com ...

Arquivo

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

tags

todas as tags

Subscrever