Domingo, 23 de Março de 2008

Sport Panda

Portugal é um país muito infantil. Digo-o no melhor dos sentidos: é um país acriançado. Só um país saudavelmente acriançado como o nosso pode levar tão a sério o futebol. O futebol, sabemo-lo, é a creche dos adultos. É um território onde o mais normativo dos adultos pode comportar-se como criança. Pode falar alto, chorar, rir, pular, dizer asneiras, ser faccioso e mandar calar os outros. Os adeptos têm com os clubes a mesma relação que as crianças têm com os brinquedos: o que é meu, é meu. E ai de quem resolver tocar – mesmo com o mais fino dos dedinhos - no que é meu.


A Sport-TV é o Canal Panda dos adultos – dos adultos machos, maioritariamente. Basta ir a uma tasca para perceber isso. Quando está a passar a Sport-TV as crianças grandes ficam vidradas no ecrã, sobretudo quando é transmitido um jogo importante (que, no fundo, corresponde no imaginário futebolístico a um episódio do Ruca). Pode-se tentar falar com elas que não ligam. Se alguém muda de canal, há birra na certa. Como se saltasse um “rebenta o jogo”, um “não brinco mais”, típicas fitas da criançada.


Haver comentadores de futebol não deixa de ter a sua graça. É como se houvesse comentadores de desenhos animados e de programas infantis. Como se existissem pessoas que se dedicam a comentar com pormenor as movimentações desajeitadas e trapalhonas dos Teletubbies e do Noddy. O Rui Santos, no fundo, é uma espécie de Vasco Granja do futebol. O Luís Freitas Lobo também. São figuras que nos introduzem a este universo lúdico. Fazem-no com um ar mais sério, menos terno do que o de Granja, mas representam, no fundo, um papel parecido ao que este representou para uma geração de telespectadores. A sua missão é essa: a de aparecer entre a bonecada.


Escrevo estas palavras com alguma melancolia. Confesso que já não me emociono a ver futebol – e que até perdi o interesse pelos jogos. Sim, tenho sincera pena de já não me sentir parte desse mundo de deslumbramento gaiato. Envelheci demasiado cedo, é o que é. Mas alimento a esperança de ainda poder perder uns anos mentais. Porque é disso que se trata. Se algum dia voltar a chorar com um jogo de futebol será um bom sinal para a minha ficha clínica: sinal de que ainda sou um miúdo. Um puto. Como a maior parte dos meus amigos, aliás.

 

publicado por Nuno Costa Santos às 01:52
link do post | comentar
2 comentários:
De Veruska a 23 de Março de 2008 às 10:35
Concordo totalmente com o facto da Sport-Tv ser uma espécie de Canal Panda. :)
De zusanlia a 24 de Março de 2008 às 22:12
Eu vou mais longe:-o futebol não é mais que uma máscara para esconder , toda a homossexualidade latente em cada homem, nunca assumida claro está! E quanto mais primário é o homem mais ferrenho se torna ..Recordo uma vez de entrar numa sala onde um grupo de seres humanos do sexo masculino assistiam a um jogo de futebol...olhei o écran ...22 homens com boas pernas a correr atrás de uma bola, errando o alvo frequentemente...Observei alguns seres humanos do sexo feminino, tentando perceber o que viam...Apenas percebi que queriam imitar...a eles, na tentativa infrutífera da tão apregoada igualdade entre os sexos. Bom nem vou perder mais um tempinho com este comentário
É a minha estreia nesta andanças neste circuito . Olá pessoal.

Comentar post

Autores

Pesquisar

Últimos posts

Contra nós temos os dias

Do desprezo pela história...

É urgente grandolar o cor...

Metafísica do Metro

A Revolução da Esperança

Autores do Condomínio

Hipocondria dos afectos

A família ama Duvall

Notícias do apocalipse

Meia idade comparado com ...

Arquivo

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

tags

todas as tags

Subscrever