Quarta-feira, 7 de Maio de 2008

Orgasmos

Uma deputada equatoriana apresentou uma proposta de lei para obrigar os homens a proporcionar orgasmos às mulheres. A notícia é omissa no que diz respeito aos orgasmos masculinos.  

Duas coisas ficam claras: a senhora ou não gosta de sexo ou tem uma vida sexual muito infeliz e, claramente, ainda não percebeu que nós, homens, nada temos a ver com o orgasmo feminino (é bom que se diga também que as mulheres também não são tidas nem achadas nos nosso orgasmos) mas isso fica para outra altura.

O orgasmo é tão necessário ao sexo como um diabo vermelho no meio dos super dragões. O dito só é imprescindível em duas situações: se não gostamos do parceiro ou parceira ou se queremos procriar e, mesmo, neste caso a ciência já veio em nosso auxilio.

Vamos lá separar bem as coisas. O sexo tem a ver com carícias, com entrega, com carinho, com vontadinha, intimidade, com uma necessidade absoluta de proximidade. Tocar, apalpar, beijar, acariciar, são consequência dessa vontade. Um desejo violento que aquilo dure para sempre. Que o estarmos um dentro do outro seja algo de eterno.

Como é que acaba esse momento único? Com, claro está, o orgasmo. É assim como uma espécie de metáfora do jogo: um tipo diverte-se com o jogo e depois ganha. E então? É isto? Estava tudo delicioso, divertido, vivo e quando estávamos mesmo a gostar, acabou. Vamos à casa de banho, fumamos um cigarro, dizemos umas palavras simpáticas, enfim, acabou o que era bom. O que é que aconteceu? O orgasmo.

O caso muda de figura se tivermos uma aproximação desportiva ao sexo ou se tivermos a matar a conhecida e pouco respeitada (não por mim que tenho uma profunda consideração pela referida) “fomeca”. Aí o grande objectivo é mesmo o orgasmo. É como ir ao ginásio: no fundo estamos mortos por ir embora dali mas sabemos que aquilo leva o seu tempo. Damos um suspirinho ou um berro lancinante depois da ultima abdominal como o fazemos quando temos o dito cujo.

Razão tinha o amigo da Emmanuelle: o amor não é o orgasmo, é a erecção.   

publicado por Pedro Marques Lopes às 15:00
link do post | comentar
9 comentários:
De Shyznogud a 7 de Maio de 2008 às 15:54
"um tipo diverte-se com o jogo e depois ganha. E então? É isto? Estava tudo delicioso, divertido, vivo e quando estávamos mesmo a gostar, acabou."... Há vantagens inegáveis em ser gaja, é só o que me apraz dizer perante estas afirmações.
De Ana Matos Pires a 8 de Maio de 2008 às 02:30
E diz que isto tudo porque os gajos tiveram a primazia da resposta na pergunta "quem quer mijar de pé?". Tunga.
De FuckItAll a 13 de Maio de 2008 às 13:10
Com esta ressalva da Shyza acerca da condição feminina, eu cá percebo muito bem o que queres dizer, Pedro. Embora, como eu sou menina e extremamente bem-educada, costume dizer antes que o que interessa é o desejo.

(até vou perdoar essa referência ao expoente da seca erótica que é o Emmanuelle - se isto estiver mal escrito a culpa é tua, copiei)
De Umbelina a 7 de Maio de 2008 às 21:27
Meu Caro , esse discurso de gaja que os preliminares e os durantes é que é bom , que o orgasmo é acessório , cá para mim traz água no bico... Ou então , pronto , é um sensível .
De zé grenaldo a 7 de Maio de 2008 às 23:47
upa upa, um post do caralho!
De guigas a 9 de Maio de 2008 às 17:29
O orgasmo não é um acessório numa relação e os homens têm tudo a ver com o orgasmo da mulher. Um homem que pensa não ter interferência no orgasmo feminino das duas uma: ou é gay ou é virgem. O facto de a mulher atingir o orgasmo numa relação sexual quer dizer que se entregou totalmente ao momento e que o seu parceiro se entregou de igual forma e se preocupou em compreender a sua "linguagem corporal". Realmente não é para todos! Quando a relação é verdadeira e o amor existe é mais provável que isso aconteça... daí que mimos e beijinhos e carícias são muito bons mas a verdadeira demonstração de amor está em fazer com que o outro alcance aquele momento de prazer extremo e que, na mulher, pode durar mais que um simples segundo. Isso dá mais trabalho que o abraço e o beijinho e isso é que faz a diferença :)
De Pedro Marques Lopes a 9 de Maio de 2008 às 19:50
Muito obrigado. Vou tentar.
De Luandino a 11 de Maio de 2008 às 00:32
PML, quando passares das 4 parceiras sexuais que já tiveste até agora (nao acredito que te tenhas deixado tentar por um homem) vais começar a perceber que nao é bem assim. O facto de, na tua tenra idade, nao conseguires levantar-te outra vez depois de te vires, nao é um problema. Aprendes a torneá-lo. A erecçao volta,pá.
De Pedro Marques Lopes a 12 de Maio de 2008 às 12:28
Estás enganado, não foram tantas

Comentar post

Autores

Pesquisar

Últimos posts

Contra nós temos os dias

Do desprezo pela história...

É urgente grandolar o cor...

Metafísica do Metro

A Revolução da Esperança

Autores do Condomínio

Hipocondria dos afectos

A família ama Duvall

Notícias do apocalipse

Meia idade comparado com ...

Arquivo

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

tags

todas as tags

Subscrever