Sábado, 22 de Março de 2008

Olha, apeteceu-me

Pode ser impressão minha, mas sinto que “apetecer” é, por estes dias, um verbo desvalorizado. Há outros que são mais considerados socialmente, como “concretizar”, “realizar” e – sobretudo - “investir”. “Apetecer” é um verbo demasiado leviano nestes tempos em que tudo tem de ser devidamente justificado, em que cada decisão deve ser fundamentada por uma data de estudos e – cuidado, vêm aí os analistas - previsões. Apetece-me uma coisa qualquer. Mas vem logo um especialista com as suas opiniões sustentadas. Ou um estudo dizer que essa coisa não é boa. Que há outra melhor. Que, veja lá bem, pense duas, três, quatro vezes. E, pior do que tudo, que, por me apetecer isso, eu entro na categoria dos Tipos a Quem Apetece Esse Tipo de Coisa. Chegou a altura de ir para as janelas gritar que há estudos a mais. Ou por outra: os estudos são mais que as mães e, tal como as mães, às vezes podem ser muito chatos.


É tão bom apetecer-nos algo e termos um Ambrósio para nos satisfazer o apetecimento (sim, a palavra não existe mas apeteceu-me usá-la como se existisse). Hoje, a frase do anúncio “Ambrósio, apetece-me algo” seria transformada em “Ambrósio, decidi fazer um investimento em algo”. E o Ambrósio não seria um mero motorista com ar patusco mas sim um assessor ultra competente. Um técnico qualificado cheio de pastas no tablier  a abarrotar de papelada com cálculos e gráficos. “Tomei a liberdade de pensar nisso”. E, zás, lá saia uma série de estudos sobre a viabilidade do investimento. E um especialista espertalhuço debaixo do banco da frente.


“Apetecer” é um verbo que costuma ser associado aos desvarios juvenis. Aos “jovens” (ah, terrífica categoria) é que “apetece”. Aos adultos, não. Os adultos tomam decisões. Responsáveis. Nada mais errado. “Apetecer” é dos verbos mais maduros e densos que existem. E, na verdade, “apetecer” ganha ainda mais densidade se dito por uma pessoa com mais de 80 anos. Há poucas coisas que comovam mais do que ouvir um velhote a informar o mundo que lhe “apetece” isto ou aquilo. A liberdade passa muito por aqui.


Revalorize-se o verbo “apetecer”, pois. Até porque merece o mimo. Pode estar associado, imagine-se o escândalo, ao amor, ao contrário do que querem fazer vingar as teses que associam os afectos a uma espécie de esclavagismo do coração. É perfeitamente legítimo gostar de alguém porque apetece gostar de alguém. Sim, há quem o utilize para justificar a violência, o bombardeio e outras variações cruéis, mas também está associado à mais genuína e livre criatividade. Quero acreditar que Gaudi desenhou a Sagrada Família”porque lhe apeteceu. Que Fernando Pessoa escreveu a “Tabacaria” porque lhe apeteceu. Que Deus, se existir (se calhar não lhe apetece existir, está no seu direito), criou o mundo e o homem porque lhe apeteceu. Porque lhe deu na telha. E nada nem ninguém – nenhum estudo e nenhum especialista  - têm alguma coisa a ver com isso.

 

publicado por Nuno Costa Santos às 00:37
link do post | comentar
12 comentários:
De jonasnuts a 22 de Março de 2008 às 01:51
Quero saber como é que descalças a bota de seres um jovem adulto :)
De leximfly a 22 de Março de 2008 às 09:12
Olha Nuno, "apeteceu-me" dizer-te que está muito bom!

De Rosa e Azul a 22 de Março de 2008 às 10:56
Porque me apetece dizer gostei.
Ana
De paodoceu a 22 de Março de 2008 às 15:21
Dá-me o TelemóBel JÁ...!
Esta miúda se for esperta pode ganhar uns milhões de euros em publicidade. Mas tem de fazer já um registo, de propriedade do nome; “Dá-me o TELEMÓBEL JÁ” se ela quiser, tenho já uma oferta de uma operadora móvel, que está interessada num anuncio publicitário, com a frase “DÁ-ME O TELEMOBEL JÁ”.
De Marta a 22 de Março de 2008 às 17:41
Gosto desse apetite. Que bem escrito...Parece é que é tudo menos inocente. Talvez tenha sido bem pensado, estudado e revisto antes de ser publicado . Que pena não soar a imprevisto ...
De Manuea Martins a 22 de Março de 2008 às 22:51
É tbom poder dizer apetece-me, mas a liberdade de dizer apetece-me é nos castrada logo á nascença quem sabe até na concepção...mas hoje sábado de Páscoa , apetece-me apetecer-me ser feliz e lutar por isso, masssssssssssssss onde estão as ferramentas mentais para me poder apetecer e lutar por isso...quem me ajudaaaaaaaaaaaaaaa a VIVER? pq apetecer-me apetece-me e muitoooooooooooooooooooo massssssssssssss estou castrada, nas emoções, no pensamento, na liberdade, no meu EU...,,,
De Shyznogud a 24 de Março de 2008 às 10:35
fizeste-me lembrar a minha forma preferida de usar o verbo apetecer:

http://womenageatrois.blogs.sapo.pt/756287.html
De JN a 24 de Março de 2008 às 11:57
Apetece-me comentar que o verbo mais interessante dos tempos que correm e que não vi aqui mencionado é mesmo o "agilizar".
E que serve normalmente para abrir o apetite para coisas que mal apetece pensar.
De Shyznogud a 24 de Março de 2008 às 14:11
Não tarda estamos a falar do "recentrar", JN
De JN a 24 de Março de 2008 às 16:02

sim, sim shyznogud,
mas somente após, "descentralizar", "assegurar", "alimentar", "modernizar" e "garantir" a eficácia e eficiência da coesão nacional e proximidade dos cidadãos
De Shyznogud a 25 de Março de 2008 às 00:13
Tudo num alargado consenso, naturalmente.
De JN a 25 de Março de 2008 às 11:44
e com muita, muita, muita calma
(a paciência já esgotou)

Comentar post

Autores

Pesquisar

Últimos posts

Contra nós temos os dias

Do desprezo pela história...

É urgente grandolar o cor...

Metafísica do Metro

A Revolução da Esperança

Autores do Condomínio

Hipocondria dos afectos

A família ama Duvall

Notícias do apocalipse

Meia idade comparado com ...

Arquivo

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

tags

todas as tags

Subscrever