Terça-feira, 22 de Abril de 2008

Só a dor é contínua ou como um título pode ser apenas para auto-consumo

Descobri que o George Steiner tem uma maquineta do tempo escondida na garagem e vai daí utilizou-a para ver o que eu andava a escrever neste espaço. Ainda alterou meia dúzia de coisas para ver se disfarçava mas o plágio é por demais evidente. Não o vou processar, coitado. Ainda para mais confundiu tudo: misturou convívio com sandes de presunto e copos de Sumol de ananás ou seja, não percebeu nada. A Gina, honesta profissional da casa de convívio “Tromba Azul” ainda se está a rir. Para ser franco, já estava à espera: um tipo com óculos à Manuel Monteiro não pode ser levado muito a sério.

Mas este roubo escandaloso do Steiner pode fazer pensar o cidadão na coisa mais misteriosa (claro está que a critica internacional vai ser unânime em reconhecer o carácter genial do caixa de óculos e dizer que era isso mesmo que ele queria revelar utilizando um, mais uma vez o digo, vergonhoso plágio) de todo o universo: o tempo.

O convívio para pessoas como o Steiner ou o Lopes (este, não o outro) não é a mesma coisa apenas por um pequeno detalhe: o tempo. Não senhor. Apenas a diferença de ser neste ou noutro, passado ou futuro, é indiferente.

É por essas e por outras que sempre achei as máquinas do tempo ridículas e completamente desprovidas de interesse. O tempo não é contínuo para o que interessa. Nós apenas lhe atribuímos essa continuidade porque somos radicalmente egocêntricos e a passagem do tempo deixa marcas no nosso corpo (nem nas nossas almas deixa), e essas, estupidamente, é que são importantes para nós.  

A ínfima ou gigantesca fracção de tempo que faz as coisas terem cor, cheiro, forma, sentimento, significado ou movimento diferente não dependem de linha de tempo nenhuma. Aliás, essa linha é tão real como a pesca do esturjão no Rio Alviela.

publicado por Pedro Marques Lopes às 10:48
link do post | comentar

Autores

Pesquisar

Últimos posts

Contra nós temos os dias

Do desprezo pela história...

É urgente grandolar o cor...

Metafísica do Metro

A Revolução da Esperança

Autores do Condomínio

Hipocondria dos afectos

A família ama Duvall

Notícias do apocalipse

Meia idade comparado com ...

Arquivo

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

tags

todas as tags

Subscrever