Segunda-feira, 31 de Março de 2008

a carolina michaëlis fica onde nós quisermos, nomeadamente ao canto da boca

também eu vou atirar uma posta de pescada sobre a polémica do vídeo na carolina michaëlis,  mas já agora de pescada zero, que costuma designar aquela que se coze em água e sal para desesfaimar, palavra que acabo de inventar, o gato lá de casa, coitadinho. das minhas memórias do ensino secundário, e estas podem fornecer pistas sobre a situação patética que é a minha vida adulta, guardo com especial fervor as 'visitas de estudo' programadas pela professora de matemática, personagem a dar para o blasé, na versão amigável, totalmente tresloucada-chique, na versão maldosa, que muito gostava de laurear com os seus alunos sob a capa do interesse complementar ao plano de estudos. para tal pagava-se inscrição e alugava-se a camioneta, o motorista sempre o mesmo, os destinos mais ou menos variáveis, sempre rumo a norte, vila real, por exemplo, local onde conheci de perto as potencialidades dos garragões de vinho levados para o quarto da residencial, ou covilhã/serra da estrela, em que certa e determinada ressaca me fez perder a viagem de camioneta  à zona da torre, razão pela qual fiz esse trajecto à boleia numa carrinha de caixa aberta em pleno janeiro, rodeado de laranjas, por forma a não perder as dinâmicas de grupo da turma durante o resto do dia. e o estudo incluído na vistia, claro. pois bem, numa dessas viagens de grande instrução acabei por receber de forma enviesada uma série de informação com que nunca sonhei, nomeadamente em termos estéticos, uma vez que, em determinada altura em que foi necessário bater à porta da professora para combinar algum plano das festas, a senhora aparece à ombreira da dita [porta] com o ar mais natural do mundo, secundada na penumbra pelo motorista do machibombo, sempre o mesmo, sempre fiável. presa ao colete de forças mental das equações de segundo grau, da fórmula resolvente ou dos casos notáveis a nossa interlocutora esqueceu-se de supervisionar ao espelho a figura com que iria aparecer aos seus instruendos de 16/17 anos, observadores implacáveis, e como tal ostentava um comprometedor pintelho ao canto da boca, enquanto perorava acerca do cumprimento dos horários das visitas, ou coisa que o valha. na altura telemóveis nem vê-los. youtube muito menos. poupou-se no enxovalho imediato, ganhou-se na hilariedade privada, liberta aos borbotões entre os nossos grupos de amigos ao longo de anos a fio. obrigado stora. obrigado sistema educativo. telemóveis nas aulas? isso é coisa para meninos.
publicado por Pedro Vieira às 15:24
link do post | comentar | ver comentários (3)
Domingo, 30 de Março de 2008

A rotação da linha das ápsides

Ao contrário do que possam pensar, um grande golo não é apenas um hino ao futebol: é igualmente uma sinfonia ao movimento oscilatório periódico do eixo de rotação da redondinha, um motete à obliquidade da sempre enigmática órbita elíptica da bola, uma fugata elegíaca ao controlo da ionosfera do esférico.

 

No caso em apreço é de notar que o domínio teórico e prático das equações da rotação da linha das ápsides que Miguel Veloso demonstra ao provocar o deslocamento do esférico para o ápex, só é possível porque o novo corte de cabelo lhe garante o necessário equilíbrio biomecânico. De onde se conclui que este golo não é apenas um hino ao futebol: é igualmente uma demonstração dos poderes do Professor Karamba e da Isabel Queirós do Vale.

 

Depois deste golo espero - pelo menos - 4000 caracteres deste senhor a retractar-se deste post, conjungando - pelo menos - a ideia de "Espírito da Verdade" em Emmanuel Swedenborg e uma interpretação semântica da palavra "aporema" tudo isto devidamente sustentado em equações da distribuição electrónica de spin alto e spin baixo da camada ionizada da superfície da bola.

 

Acaso este post vos tenha entusiasmado a ponto de estarem a pensar deixar o vosso posto de designer gráfico de uma empresa de compostos agrícolas para estudarem física sub-atómica na Noruega, fiquem desde já a saber que não estão bem a ver a quantidade de coisas estranhas que um tipo encontra ao fazer pesquisas idiotas no Google enquanto afaga o pêlo da sua gatinha.

 

publicado por João Bonifácio às 23:43
link do post | comentar

a classe turística da british airways está povoada de fantasmas

esta manhã, depois de ter usufruído de uma alvorada britânica antes de o galo cantar, vinha eu a dormitar numa viagem heathrow-lisboa quando os meus quase-sonhos foram invadidos pelo paulo bento, pelo moisés, e pela espantosa relação que há entre aquele cabelo, AQUELE penteado, e o rego cavado nas águas do mar vermelho, destinado a libertar o povo escolhido e oprimido. penso que o farnerud e o tiui não estavam incluídos no rol.
publicado por Pedro Vieira às 15:21
link do post | comentar

Compreender a Humanidade em 20 suaves passos

1. Dance me to the end of love

2. Bird on the wire

3. Everybody knows

4. No more A-roving

5. Joan of Arc

6. A thousand kisses deep

7. First we take Manhattan

8. There for you

9. The letters

10. Alexandra leaving

11. Chelsea Hotel (Leonard solo on guitar)

12. Suzanne (Leonard on guitar)

13. Tower of song (Leonard on keyboard)

14. Take this waltz

15. I'm your man

16. Sisters of mercy (Leonard on guitar)

17. Nightingale (Leonard on guitar)

18. Famous blue raincoat (Leonard on guitar)

19. Hallelujah

20. So long Marianne

 

 

(Alinhamento da digressão de Cohen. Os passos 4, 6, 8 e 10 não são obrigatórios. Quando memorizarem todas as letras, souberem todas as melodias, conhecerem todas as versões que Cohen fez de si mesmo, quando souberem quem é o herói country que surge em "Tower Of Song" e qual a duração original da versão que Nick Cave efectuou desta e quando me conseguirem explicar porque raio "Death Of a Ladies Man" não faz parte do concerto, se souberem tudo isto - tendo assim apenas um pouco abaixo de metade do meu conhecimento geral da Humanidade - então podem oferecer-me dois bilhetes para o concerto. Em troca ofereço a receita da sopa de cebola em que Cohen é especialista e a minha presença morena. Melhor é impossível.)

publicado por João Bonifácio às 04:40
link do post | comentar | ver comentários (1)

Josesito já te tenho dito que não é bonito andares-m'a mentir

Primeiro "a decisão de [Bush de] invadir [o Iraque]" teve "pouco a ver com a existência de armas de destruição maciça, ou com a possibilidade de Saddam ser um apoiante da Al-Qaeda, que não era".
Há duas conclusões a tirar destes dois argumentos de ordem moral:
1. Pacheco Pereira lê as mentes dos líderes do mundo livre;
2. Pacheco Pereira não só lê como emula, nos seus textos, a estrutura mental do Noddy.
publicado por João Bonifácio às 00:53
link do post | comentar | ver comentários (2)

Seu palerma

Há um momento na vida de todos em que deixamos de ser invisíveis aos olhos dos outros e começamos a ser alvo de todo o tipo de comentários.

Esse momento chama-se "parto".

 

Por esses dias somos uma janela de oportunidade para os adultos aparvalharem, somos um cluster de perguntas: "Ele não é lindo?", "Não achas que tem os olhos do pai?", ou, no meu caso, "Não te parece que quando crescer vai ser um bocado parvo?".

 

Depois é sempre a perder: as perguntas tornam-se adjectivos e, a dada altura, destes restam apenas os ruins. 

 

Do agrupamento de adjectivos recorrentemente empregues pelos amigos dos amigos dos amigos dos meus dois amigos para me descrever, constam preciosidades inusitadas como "arrogante", "preconceituoso", "snob", "viperino" e "lindíssimo". Não é verdade: sou apenas razoavelmente bonito.

 

Por vezes fico, não digo aterrado, não digo perplexo, não digo espantado, mas admito que assarapantado com algumas coisas que leio - e vou explicar porquê. Antes de Janeiro de 2017 prometo explicar porquê.

 

Chamaram-me a atenção para um comentário neste post em que se diz que estoutro queriduxo post, suavemente mal interpretado por uma (imagino) frágil Dulcineia, está a "transbordar de preconceitos e arrogância". Também se diz que eu finjo não ser um palerma qualquer, o que não é verdade: eu finjo ser todo o tipo de palerma imaginável. É possível que a minha imaginação seja escassa - mas a minha palermice não.

 

E é verdade, um tipo transborda: às vezes com um pré-conceito (nem sempre bem aceite), por vezes com alguma arrogância, mas também com carinho, doçura e um cigarro no fim.

 

O que no mencionado comentário me intrigou foi o final, em que a menina diz que textos daqueles "fazem-me lembrar os artigos do João Pereira Coutinho no Expresso (ainda para mais com a boca sexista no final...)".

Ora isto não é verdade porque:

 

1: Não há qualquer semelhança entre a minha boca e a do João Pereira Coutinho.

 

2: Digo isto sem saber como é a boca do João Pereira Coutinho, já que naquela fotografia no Expresso ele tem a dita tapada por um instrospectivo dedo indicador genuflectido, a "transbordar de preconceito e arrogância".

 

É verdade que o post não era brilhante, talvez apenas mau (ou medianamente péssimo), mas falta aqui um certo orgulho insultador: quando se insulta há que insultar com pertinácia, com arrojo, com - inclusive - algum quebranto existencial.

 

O insulto é uma forma estética de catarse, faz bem, alivia. Uma boa parte do rock'n'roll insulta. NIck Cave insulta mulheres, Cohen insulta-se a si mesmo, Dylan insulta as ex-mulheres e Lou Reed insulta toda a gente. Sou solidário com quem insulta. Um bom insulto, em mim, provoca quase uma fusão com o insultador: em sendo bem esgalhado, eu deixo-me levar pelo insulto e dou por mim numa espécie de furor.

 

Por exemplo: nos meus sonhos mais libidinosos sou insultado com contumácia pela Giselle Bünchen que, numa ânsia libertadora, com uma tocha numa mão e um livro na outra, me diz: "Transbordas de arrogância, seu palerma".

E eu, juro, não levo a mal. Até porque aquele trema no "u" dá a tudo o que saia daquela boca uma irresistível elegância.

 

publicado por João Bonifácio às 00:22
link do post | comentar | ver comentários (3)
Sábado, 29 de Março de 2008

Queria falar de amor

O site Edge (www.edge.org) foi criado para reunir aquilo que o seu autor resolveu chamar de «terceira cultura»: cientistas, investigadores, escritores, filósofos e intelectuais sortidos juntam-se virtualmente para dar a sua visão do mundo. É um lugar extraordinário para ginasticar a mente.

Mas o sítio tornou-se conhecido sobretudo por uma pergunta anual que colocava a essa comunidade. A pergunta de 2005 foi a mais brilhante. A todas estas estrelas da galáxia cientifica e literária perguntou-se: «O que é que acredita ser verdade, mesmo sem poder prová-lo?». A pergunta foi saudada pela imprensa com mimos como o do The Times, que a considerou «a cocaína do mundo pensante», o que a meu ver reflecte um pouco dos interesses do jornalista que cunhou  o epíteto, mas quem sou eu para julgar alguém? Adiante. . O que me fascinou foram as respostas (reunidas agora em livro de edição portuguesa: Grandes Ideias Impossíveis de Provar, ed. tinta da China).

 

Gosto da que deu o professor de Psiquiatria e Psicologia Randolph Nesse, que diz acreditar (lá está, sem poder provar) que «as pessoas ganham uma vantagem selectiva por acreditarem em coisas que não podem provar». Isto são boas notícias para os crentes de todo o mundo em geral e aqueles que acham que o Benfica é uma boa equipa em particular. De resto, há muitas respostas comuns e, vindas de cientistas, previsiveis: acreditam que há vida inteligente algures no universo, que Deus não existe, que não há vida depois da morte física, que o amor verdadeiro existe, que a ciência... Desculpem, permitam voltar atrás: que  o amor verdadeiro existe? Aí está algo que posso debater.

 

Quem o disse foi o professor de Psicologia David Buss, depois de ter passado décadas da sua vida a estudar «perseguidores obcecados, predadores sexuais e assassinos de conjuges». Uau, falem-me de optimistas. Mas a verdade é que nem este prolongado convívio com a natureza humana o desanimou.

A mim ninguem me perguntou, mas é para isto que servem os blogues. Assim, e retirando a ontologia ao que é um amor «verdadeiro», posso anunciar a um mundo ansioso: acredito no amor, e verdadeiro. Mas pelos meus sintomas, tenho medo.

 

É uma ditadura benigna, um oxímoro que acalentamos com todo o nosso coração. Um regime de força que impomos alegremente à nossa alma. A paixão é a revolução, romântica e generosa; o amor são os revolucionários a chegarem ao poder. Não nos basta querermos o Outro: queremos ser o Outro e queremos que o Outro se transforme em nós. É um totalitarismo implacável, que nos faz chorar à miníma ausência ou escrever «Tanto do meu estado me acho incerto». É uma injustiça,uma dádiva,  uma violência, uma imposição, uma prisão que nem sequer é preventiva. É enfim, o melhor do mundo. Acredito que exista, mas o que é mais triste é que gostaria de o poder provar.  

 

publicado por Nuno Miguel Guedes às 20:10
link do post | comentar | ver comentários (1)

Sinusite igualmente crónica III - "Homenagem aos Cure e ao Senhor Robert Smith"


Crónica para o programa "Boa Noite, Alvim". Imagem, pós-produção e montagem de Pedro Mouzinho, edição de Nuno Gervásio.
publicado por Nuno Costa Santos às 15:09
link do post | comentar | ver comentários (1)

Sinusite igualmente crónica II - "O Gajo que Lê Poesia ao Fundo"


Crónica para o programa "Boa Noite, Alvim". Imagem e edição de Nuno Gervásio, montagem e pós-produção de Pedro Mouzinho.
publicado por Nuno Costa Santos às 15:08
link do post | comentar | ver comentários (1)

Sinusite igualmente crónica I - "O Chamado Efeito Placebo"


Crónica para o programa "Boa Noite, Alvim". Imagem e edição de Nuno Gervásio, montagem e pós-produção de Pedro Mouzinho.
publicado por Nuno Costa Santos às 15:07
link do post | comentar

Autores

Pesquisar

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Últimos posts

Contra nós temos os dias

Do desprezo pela história...

É urgente grandolar o cor...

Metafísica do Metro

A Revolução da Esperança

Autores do Condomínio

Hipocondria dos afectos

A família ama Duvall

Notícias do apocalipse

Meia idade comparado com ...

Arquivo

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

tags

todas as tags

Subscrever