Domingo, 13 de Abril de 2008

a singular importância dos picadores de ponto



é chegada a hora de abordar no sinusite a importância do funcionalismo público, independentemente de sindicalismos ou manifestações com bater de tachos, bonecos enforcados ou gente de rio de mouro [props pró pessoal] com máscaras do sócrates. a demagogia daqueles que defendem a presença mínima do estado na vida à portuguesa não se combate apenas lembrando o facto de os polícias, as forças armadas, os guardas prisionais, os médicos, os enfermeiros, os professores constituirem o grosso do funcionalismo, gente sem a qual não se deveria poder passar. a não ser, claro, que sejamos pretos a beber uns copos na rua e nos queiram levar constantemente à esquadra para averiguações, já que estas envolvem com frequência toalhas molhadas no lombo ou escorregadelas suicidas no duche.

sucede que por baixo da asa de cada funcionário público poderá estar a germinar um génio desaproveitado e portanto lanço daqui o alerta. nem todos os filhos de assistentes administrativos de primeira poderão ser artistas de primeira água. talvez se fiquem até pelo wrestling com professores. mas entre eles poderão existir almas criadoras dignas de carinho e estímulo e para isso nada melhor que contar com progenitores que nunca poderão ser despedidos, mesmo que assassinem selvaticamente o chefe de secção. na pior das hipóteses poderão ser alvo de um processo disciplinar por darem um uso não regulamentar à pistola de agrafos do antunes, que quando sai da dgci/mf às quatro e meia ainda faz uns biscates que pagam o plasma a prestações.

pois bem, o apoio e segurança do núcleo familiar podem ser decisivos, e há casos brilhantes que o comprovam. por exemplo, michelangelo buonarroti, autor de inúmeras obras-primas, estucador e pintor de interiores, trolha de mármores inesquecíveis, nunca poderia ter exercido o seu mister se lourenço, o magífico, todo-poderoso e autoridade máxima de estado em florença, não tivesse convencido o pai do jovem génio em potência a deixá-lo ingressar numa loggia de artes e ofícios, oferecendo-lhe como contrapartida um emprego como guarda-fiscal. ludovico lambeu os beiços à benesse e às senhas de almoço e permitiu que o filho se dedicasse às bichices das artes e corpos nus, entre outros molhos de brócolos. ora se a capela sistina ou similar não vale bem o contributo de todos para a adse, então não sei o que é que vale. o caro leitor pense nisso antes de cuspir no próximo funcionário que lhe aceitar o irs.
publicado por Pedro Vieira às 22:44
link do post | comentar
2 comentários:
De PR a 15 de Abril de 2008 às 03:14
Vim conhecer.
Anotei.
De Marta a 17 de Abril de 2008 às 21:12
Ora isto é que eu gostava de saber o que quer dizer.
Q'ueu sou nova nestas andanças e por todo o lado vejo disto: Anotei, linkei, gostei . . .
Parece aquele alentejano, vi-te, afixei-te, escarrapachei-te na minha lembradura . . .
Neste caso e tendo em conta o post, afigura-se-me que este (PV) já está marcado . . . na lista negra.

Comentar post

Autores

Pesquisar

Últimos posts

Contra nós temos os dias

Do desprezo pela história...

É urgente grandolar o cor...

Metafísica do Metro

A Revolução da Esperança

Autores do Condomínio

Hipocondria dos afectos

A família ama Duvall

Notícias do apocalipse

Meia idade comparado com ...

Arquivo

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

tags

todas as tags

Subscrever